DISCURSO, PODER E SEXUALIDADE EM FOUCAULT

Guilherme Paiva de Carvalho, Aryanne Sérgia Queiroz de Oliveira

Resumo


 O artigo aborda o discurso, o poder e a sexualidade na perspectiva de Michel Foucault. A partir da genealogia das relações de poder, Foucault analisa os discursos sobre a sexualidade no Ocidente que constituíram a heterossexualidade como padrão de normalidade. Os discursos da ciência médica no Ocidente enfatizaram a função reprodutiva do sexo e a concepção binária do gênero. Na cultura ocidental, o conhecimento científico constitui um saber médico que classifica as espécies de práticas sexuais. Utilizando a hermenêutica como metodologia, o estudo analisa os discursos da medicina sobre a transexualidade e a disorder of sex development(DSD). Na Ciência Médica, a normalidade da sexualidade se baseia na concepção binária heterossexual e reprodutiva. O gênero é definido a partir das categorizações macho e fêmea. Pessoas que não se adéquam aos seus corpos e desejam mudar o seu gênero possuem transtornos mentais para o saber médico. Outras estruturas anatômicas e fisiológicas da genitália são consideradas patológicas, ou ambíguas e anomalias. A definição da normalidade sexual da Ciência Médica é referência para outros campos do conhecimento, como a Ciência Jurídica. Analisando os discursos da ciência médica na sociedade contemporânea, observa-se a classificação de pessoas ou de práticas sexuais que caracterizam formas de transgressão da normalidade, consideradas como casos patológicos ou anomalias. Desse modo, a “transexualidade”, a “intersexualidade”e outras “espécies” ou práticas sexuais que transgridem as normas científicas sãoclassificadas como patologias.O estudo conclui que a genealogia da sexualidade de Foucault permite refletir sobre a hegemonia do discurso de verdade da medicina na sociedade contemporânea e o modo de classificação das “espécies” sexuais que são consideradas como casos patológicos.


Palavras-chave


discurso; saber; poder; sexualidade

Texto completo:

PDF

Referências


ABDO, Carmita H. N. A Evolução do Conceito de Parafilias. In: Revista Debates em Psiquiatria, Jul/Ago 2016, p.36-41.

APA. DSM-5. Disponível em: https://www.psychiatry.org/patients-families/gender-dysphoria/expert-qa. Acesso em: 02 Dez. 2016.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo:sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero:Feminismo e subversão dai dentidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CARVALHO, Guilherme Paiva. Discurso e Poder em Foucault. Curitiba: Appris, 2017.

DAMIANI, Durval; GUERRA-JÚNIOR, Gil. As Novas Definições e Classificações dos Estados Intersexuais: o que o consenso de Chicago contribui para o estado da arte? In: Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, 51(6), p.1013-1017, 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

________. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Roberto Cabral de Melo Machado e Eduardo Jardim Morais. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2002.

________. História da Sexualidade I:A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

________. História da Sexualidade II: O uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998.

________. História da Sexualidade III: O cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

________. O Sujeito e o Poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault. Uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

HOLLIMON, Sandra E. Archaelogy of the ‘aqi: gender and sexuality in prehistoric. In: Arqueology of Sexuality. Robert A. Schimidt and Barbara L. Voss. Londres and New York: Routledge, 2000, p.195-211.

INTERSEX SOCIETY OF NORTH AMERICA.How do I know if I have an intersex condition?Disponível em: Acesso em: 07.05.2016.

MELLO, Maricilda Palandi de; SOARDI, Fernanda Caroline. In: Menino ou menina?—distúrbios da diferenciação do sexo. Organizadores Andréa Trevas Maciel-Guerra, Gil Guerra-Júnior. 2. Ed. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2010.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artmed, 1993.

PREVES, Sharon. Intersex and identity: the contested self. New Brunswick, New Jersey, and London: Rutgers University Press, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Manual of the international statistical classification of diseases, injuries, and causes of death. Sixth revision. Geneva: WHO, 1948.




DOI: http://dx.doi.org/10.30611/2017n11id31003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2317-2010

Indexadores:


Portal de Periódicos da UFC

Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - SEER

Sistema Regional de Información en Linea para Revistas Cientificas de America Latina, Caribe, España y Portugal - LATINDEX

CNEN Revista de Livre Acesso - LivRe

Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades - CLASE

Elektronische Zeitschriftenbibliothek - EZ3

Information Matrix for the Analysis of Journals - MIAR

European Reference Index for the Humanities and Social Sciences - ERIHPLUS

Academic Resource Index – Research Bible

Sumários de Revistas Brasileiras – Sumários.org

Academic Keys Humanities - Professional and Technical Journals

OAJI.net – Open Academic Journals Index

Beluga

WorldCat OCLC

SIS – Scientific Indexing Services

InfoBase Index

Portal de Periódicos CAPES

Biblat - Bibliografía Latinoamericana

Diadorim