Alianças e rompimentos eleitorais do “cidismo” no Ceará

  • Emanuel Freitas da Silva Universidade Estadual do Ceará
Palavras-chave: Eleições, Capital Político, Liderança

Resumo

O presente artigo apresenta uma análise das dinâmicas políticas mobilizadas durante processos eleitorais em eleições estaduais no que concerne à movimentação dos atores políticos em disputa para a formação de alianças políticas e/ou rompimentos eleitorais. Para tanto, tomou-se como córpus de análise as eleições para o governo do estado do Ceará realizadas em 2014, observando-as a partir das movimentações dos atores políticos do Estado desde as eleições de 2010, momento da constituição de um novo ciclo político no Ceará, que foram definindo as posições e os interesses dos grupos políticos em torno da condução do Estado. A partir da observação de publicações da imprensa cearense, dos discursos produzidos em propagandas partidárias, horário eleitoral e da formação de alianças, pôde-se compreender a volatilidade dos acordos políticos em torno de projetos de longo prazo, favorecendo a formação de alianças em torno de personas políticas, corroborando com a personalização das disputas e com a centralização em torno de lideranças, que espraiam sua influência nas eleições legislativas.

Biografia do Autor

Emanuel Freitas da Silva, Universidade Estadual do Ceará
Bacharel (UECE) e Mestre (UFRN) em Ciências Sociais. Especialista (UCAM) em Ciência Política. Doutor (UFC) em Sociologia. Pesquisador do NERPO (Núcleo de Estudos em Religião, Cultura e Política) da UFC. Professor do Curso de Ciências Sociais da FACEDI/UECE.
Publicado
2020-12-30
Como Citar
Silva, E. F. da. (2020). Alianças e rompimentos eleitorais do “cidismo” no Ceará. Em Perspectiva, 6(2), 211-226. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/emperspectiva/article/view/43890
Seção
Temática Livre