(Cosmo) ontologias indígenas no semiárido

  • Nívia Paula Assis PUCRS/ UNIVASF
Palavras-chave: Indígenas. Semiárido. Perspectivismo

Resumo

Este artigo trata das cosmo-ontologias indígenas de dois povos originários do semiárido brasileiro: os Xarcriabá e os Tuxá. As informações etnográficas, por sua vez, foram extraídas dos trabalhos de Maria Hilda Paraíso (1987) e Orlando Sampaio Silva (1997). Para realizar as respectivas análises, considerou-se alguns princípios da teoria antropológica aproximativa do pensamento indígena conhecida como Perspectivismo Ameríndio. O principal sistematizador dessa teoria é o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro (1996), e, segundo esse pesquisador, trata-se da tentativa de trazer à tona a cosmopráxis indígena, por meio de um esquema conceitual virtual (VIVEIROS DE CASTRO, 2001). Tal construção surgiu a partir de estudos sobre povos nativos da Amazônia (BR), mas também se trata de um conjunto de ideias e práticas cotidianas que pode ser encontrado ao longo da América (VIVEIROS DE CASTRO, 2018). Nos contextos analisados, observou-se que alguns preceitos existentes no Perspectivismo podem ser percebidos em práticas xamanísticas de povos nativos do semiárido do Brasil.

 

Publicado
2020-12-20
Como Citar
Assis, N. P. (2020). (Cosmo) ontologias indígenas no semiárido. Em Perspectiva, 6(2), 194-210. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/emperspectiva/article/view/60416
Seção
Temática Livre