OS ESPAÇOS AUTO-ORGANIZADOS E A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA EXTENSÃO

  • Vitória Virna Girão Chaves Universidade Federal do Ceará
  • Larissa Camurça Vieira Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Plenária de Mulheres. Espaços auto-organizados. Violência Simbólica. Empoderamento.

Resumo

A luta das mulheres pela ocupação dos espaços públicos no Brasil é um compromisso diário que incorpora o combate a uma cultura que viola e inferioriza as mulheres. Na violência contra a mulher há a violência visível, mais perceptível; e a violência simbólica, que consiste na reprodução de discursos e práticas opressoras que legitimam agressões mais graves. A violência simbólica é cotidiana, estando presente em todos os espaços ocupados por mulheres. Seja nas ruas ou na Universidade, nenhuma mulher está livre dos estereótipos e das definições sociais. Assim, o Centro de Assessoria Jurídica Universitária (CAJU), programa ao qual está vinculado o Diálogos para Diversidade, criou a Plenária de Mulheres, um espaço auto-organizado voltado ao combate ao machismo e à violência simbólica no núcleo, partindo da compreensão que o grupo, ainda que se aproxime das pautas feministas, não está isento da lógica patriarcal. Dentre as atividades preparadas estão a cartilha sobre assédio, o Cine Plenária, a campanha virtual pelas mulheres na política, a caixinha contra assédio na universidade e os grupos de estudo internos. O presente trabalho objetiva, então, apresentar as ações de extensão desenvolvidas pela Plenária de Mulheres. Utiliza-se a pesquisa bibliográfica e a observação participante, relatando as atividades organizadas e a contribuição do espaço para criar um ambiente menos opressor. Conclui-se, então, que os espaços auto-organizados contribuem para o combate às violações dentro dos projetos, além de fomentar ações que se estendam para fora do núcleo, debatendo temas presentes no cotidiano feminino e fortalecendo a luta das mulheres.

Biografia do Autor

Vitória Virna Girão Chaves, Universidade Federal do Ceará
Graduanda em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e bolsista do projeto de extensão Diálogos para Diversidade.
Larissa Camurça Vieira, Universidade Federal do Ceará
Graduanda em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

Referências

BARBOSA, Guilherme Bezerra; VIEIRA, Larissa Camurça. Assessoria jurídica universitária popular e os processos de tomada de decisões acerca dos instrumentos de política urbana em âmbito municipal. Brazilian Applied Science Review. Curitiba, v. 2, n. 1, p.291-304, jan/mar 2018. Disponível em: <http://www.brjd.com.br/index.php/BASR/article/view/380/324>. Acesso em 01 de setembro de 2018.

DATAFOLHA; FÓRUM DE SEGURANÇA PÚBLICA, 2017. Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. Disponível em: <http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/03/relatorio-pesquisa-vs4.pdf>. Acesso em 01 de setembro de 2018.

FURTADO, Gabriela de Almeida. Maria vai com as outras: a auto-organização de mulheres do Núcleo de Assessoria Jurídica Comunitária Justiça e Atitude (NAJUC JA) enquanto promoção de educação popular em direitos humanos. 2017. 85 f. TCC (Graduação) - Curso de Direito, Instituto de Ciências Jurídicas e Sociais Prof. Camillo Filho, Teresina, 2017.

INSTITUTO AVON. Percepções do homem sobre a violência doméstica contra mulher, 2013. Disponível em: <http://www.compromissoeatitude.org.br/wp-content/uploads/2013/12/folderpesquisa_instituto22x44_5.pdf>. Acesso em 01 de setembro de 2018.

INSTITUTO MARIA DA PENHA. Relógios da Violência, 2018. Disponível em: <https://www.relogiosdaviolencia.com.br/#>. Acesso em 01 de setembro de 2018.

SILVA, L. F., OLIVEIRA, L.. Rev. FSA. Teresina, v. 14, n.3, art. 9, p. 160-174, mai./jun. 2017. Disponível em: <http://www4.fsanet.com.br/revista/index.php/fsa/article/view/1342/1249>. Acesso em 01 de setembro de 2018.

O POVO. Falso motorista de app é preso acusado de quatro casos de estupro. Disponível em: <https://www.opovo.com.br/jornal/reportagem/2018/08/falso-motorista-de-app-e-investigado-por-4-casos-de-estupro.html>. Acesso em 02 de setembro de 2018.

SOIHET, Rachel. Violência Simbólica: Saberes Masculinos e Representações femininas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 5, n. 1, p.7-29, jan/abr, 1997.

VEJA. Câmeras mostram marido agredindo advogada que caiu de prédio. Disponível em: <https://veja.abril.com.br/blog/parana/cameras-mostram-marido-agredindo-advogada-que-caiu-de-predio/>. Acesso em 02 de setembro de 2018.

Publicado
2018-12-27