Comunidades de práticas virtuais dos técnicos administrativos em educação de Instituições de Ensino Superior

  • Jacqueline de Castro Rimá Universidade Federal da Paraíba http://orcid.org/0000-0001-7665-552X
  • Joana Coeli Ribeiro Garcia Universidade Federal da Paraíba, , Departamento de Ciência da Informação.
  • Maria das Graças Targino Universidade Federal do Piauí, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação.
Palavras-chave: Comunidades de práticas virtuais. Comunidades de práticas. CoP. Gestão pública dos técnicos administrativos em educação. Equipe GPTAE.

Resumo

Apresenta-se a “Gestão pública dos técnicos administrativos em educação” (GPTAE) à luz das comunidades de práticas virtuais como um grupo que, se utilizando dessa estratégia, amplia e desenvolve conhecimentos entre os componentes oriundos de várias regiões e vinculados a diferentes instituições de ensino superior (IES) brasileiras. Trata-se de estudo de caso, realizado por meio de pesquisa documental, bibliográfica e observação participante, com abordagem qualitativa e uso de netnografia. Os resultados atestam extrapolação da comunidade de prática virtual. As ações saem do campo virtual e se materializam como consequência da união e do engajamento dos envolvidos. Infere-se que a comunidade GPTAE preocupa-se com o aprendizado coletivo, com a atualização e a gestão dos conteúdos gerados e disseminados entre seus integrantes, como também incentiva o compartilhamento de conhecimentos através de editais anuais para publicação de electronic books (ebooks).

Biografia do Autor

Jacqueline de Castro Rimá, Universidade Federal da Paraíba
Possui Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal da Paraíba (2007). Especialista em Biblioteconomia pela Faculdade Integrada de Jacarepaguá (2010). Adicionalmente é mestranda do curso de Ciência da Informação do PPGCI/UFPB). Atualmente é Bibliotecária-Documentalista da Universidade Federal da Paraíba no CCHSA/Campus III em Bananeiras/PB, atuando como Diretora da Biblioteca Setorial Maria do Socorro Vásquez. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: bibliotecas, gerenciamento de documentos e ação cultural.
Joana Coeli Ribeiro Garcia, Universidade Federal da Paraíba, , Departamento de Ciência da Informação.

Professora Titular do Departamento de Ciência da Informação com atuação na Graduação em Biblioteconomia, em Arquivologia e no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, da Universidade Federal da Paraíba. E, também, Professora Colaboradora no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, da Universidade Federal de Pernambuco. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro / Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. Coordenadora do Grupo de Pesquisa: Da informação ao conhecimento, cadastrado junto ao CNPq. Presidente da ANCIB, período 2009-2010. Membro do Comitê Gestor do PIBIC, até agosto de 2011. Orientadora de Iniciação Científica e do programa Jovens Talentos para a Ciência programas do CNPq e do Programa Nacional de Pós-Doutoramento da Capes. Membro do Comitê Técnico Científico, permanente ou ad hoc, de diversas revistas científicas nacionais. Na pós-graduação em Ciência da Informação, na UFPB e na UFPE, atua nos seguintes eixos temáticos: Comunicação cientifica; Gestão da informação em ciência e tecnologia; Política de informação; Responsabilidade social.

Maria das Graças Targino, Universidade Federal do Piauí, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação.

Doutora em Ciência da Informação, Universidade de Brasília, e jornalista, finalizou seu pós-doutorado junto ao Instituto Interuniversitario de Iberoamérica da Universidad de Salamanca, Espanha. Sua experiência acadêmica inclui, ainda, cursos em países, como Inglaterra, Cuba, México, França e Estados Unidos. Tem produzido artigos, capítulos e livros em ciência da informação e comunicação, enveredando pela literatura como cronista. Depois de vinculação com a Universidade Federal do Piauí por 25 anos, hoje, é docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba e Coordenadora do Curso de Alfabetização e Letramento do Centro de Educação Aberta a Distância / UFPI. Atua como referee em diferentes periódicos. Mantém coluna semanal em jornal de Teresina. Dentre láureas conquistadas, está o Prêmio Nacional Luiz Beltrão de Comunicação (Liderança Emergente) e o Título de Cidadã Teresinense, 2015. 

Referências

ALBUQUERQUE, F. M. F. Ciberativismo do consumidor: retaliação e vingança em comunidades virtuais antimarca. 2010. 141 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

BRASIL. Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado,1988.

CHAMMÉ, P. S.; UMEDA, G. M. A formação de comunidades virtuais no ambiente dos weblogs. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE, 15., 2010, Vitória, ES. Anais... Vitória, ES: ESPM, 2010.

CHAVES, E. A. de O. et al. (Org.). Gestão pública: a visão dos técnicos administrativos em educação das universidades públicas e institutos federais. Salvador: PontoCom, 2015. v.2.

FELDMAN-BIANCO. B. (Org.). Antropologia das sociedades contemporâneas: métodos. 2.ed. São Paulo: Unesp, 2010.

FIORENTINI JÚNIOR, B. Prefácio. In: TEIXEIRA FILHO, Jayme. Comunidades virtuais: como as comunidades de práticas na internet estão mudando os negócios. Rio de Janeiro: SENAC, 2002.

GESTÃO Pública: a visão dos técnicos administrativos em educação das universidades públicas e institutos federais (GPTAE). 2016. Disponível em: < https://taepublicaartigoselivros.wordpress.com>. Acesso em: 10 jul. 2016.

HESSEN, J. Teoria do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

JONES, S. G. (Org.). Virtual culture: identity & communication in cybersociety. California: Thousand Oaks, 1997.

KOZINETS, R.V. On netnography: initial reflections on consumer research investigations of cyberculture. In: ALBA, J.; HUTCHINSON, W. (Ed.). Advances in Consumer Research. Provo, UT: Association for Consumer Research, 1998. p. 366-371.

MACHADO, N. J. Apresentação. In: SAIANI, Cláudio. O valor do conhecimento tácito: a epistemologia de Michael Polanyi na escola. São Paulo: Escrituras, 2004.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 7.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PALÁCIOS, M. Cotidiano e sociabilidade no ciberespaço. In: O indivíduo e as mídias. Rio de Janeiro: Diadorim, 1996.

POLANYI, M. The logic of tacit inference. In: _________. Knowing and being: essays. Chicago: The University of Chicago Press, 1969.

POLANYI, M. Personal knowledge towards a post-critical philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1962.

RECUERO, R. C. Comunidades virtuais: uma abordagem teórica. Ecos Revista, Pelotas, v. 5, n. 2, p. 109-126, 2001.

RHEINGOLD, H. The virtual community: table of contents. [S.l. : s.n.],1996. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2016.

ROLAND, Marie-Claude. Convite aos pesquisadores para uma reflexão sobre suas práticas de pesquisa. In: VOGT, Carlos (Org.). Cultura científica: desafios. São Paulo: FAPESP, 2006.

SAIANI, C. O valor do conhecimento tácito: a epistemologia de Michael Polanyi na escola. São Paulo: Escrituras, 2004.

SANTOS, A. I. dos et al. (Org.). A gestão pública na visão dos técnicos administrativos em educação das universidades públicas e institutos federais. São Paulo: Digital Books, 2014. v. 1.

TAFARELO, C. S. C. Análise crítica entre etnografia e netnografia: métodos de pesquisa empírica. In. INTERPROGRAMAS DE MESTRADO FACULDADE CÁSPER LÍBERO, 9., 2014. São Paulo. Anais... São Paulo: Faculdade Cásper Líbero, 2014.

TEIXEIRA FILHO, J. Comunidades virtuais: como as comunidades de práticas na internet estão mudando os negócios. Rio de Janeiro: SENAC, 2002.

WENGER, E. Communities of practice: learning, meaning and identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

WENGER, E. Communities of practice and social learning systems: the career of a concept. In. BLACKMORE, C. (Ed.). Social learning and communities of practice. Londres: Springer-Verlag, 2010. p. 179-198.

Publicado
2017-06-25
Como Citar
RIMÁ, J. DE C.; GARCIA, J. C. R.; TARGINO, M. DAS G. Comunidades de práticas virtuais dos técnicos administrativos em educação de Instituições de Ensino Superior. Informação em Pauta, v. 2, n. 1, p. 8-27, 25 jun. 2017.