“Nativos e imigrantes digitais” em questão: crianças e competências midiáticas na escola

  • Monica Fantin Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: crianças, práticas midiáticas, escola, cultura digital

Resumo

As mudanças nos lugares que as crianças ocupam na sociedade contemporanea, suas formas de socialização e suas práticas lúdicas e culturais contribuem para a construção de novos modos de aprendizagem, cada vez mais mediados pelo uso de dispositivos móveis que desencadeiam a emergência de novas metodologias e espaços de formação. A relação da criança com a cultura digital revela múltiplas faces da infância contemporânea e para tentar captar algumas nuances da relação de crianças e jovens com tecnologias móveis na escola e fora dela realizamos diversas pesquisas qualitativas sobre o tema, com metodologias participativas, entrevistas, grupos focais com estudantes e professores. O texto pretende discutir alguns aspectos das competências midiáticas das crianças a partir do recorte sobre o uso das redes, das tecnologias móveis e das mediações educativas na escola.

Biografia do Autor

Monica Fantin, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Associada do Departamento de Metodologia do Ensino e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC. Líder do Grupo de Pesquisa Núcleo Infância Comunicação Cultura e Arte, NICA, UFSC/CNPq.  Possui diversas publicações no campo de estudos da infância, cultura lúdica, cinema, mídia-educação e formação de professores na cultura digital.

Referências

AUTOR. (2012).

AUTOR (2015)

AUTOR. (2015 A).

AUTOR (2015B).

AUTOR (2015C).

AUTOR (2016)

ARENDT, Hanna. (1997). Entre passado e futuro. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva.

BELLAND, Louis Philippe. (2015). MURPHY, Richard. Technology, distraction& student performance. London:Centre for Economic Performance.

BELLONI, Maria Luíza. (2012). Infância e internet: a perspectiva da mídia-educação. In.:TIC Kids Online Brasil 2012 : pesquisa sobre o uso da Internet por crianças e adolescentes. Disponível em: < http://www.cetic.br/publicacoes/2012/tic-kids-online-2012.pdf>. Acesso em: 10 jul. de 2014

BUCKINGHAM, David. (Ed) (2008). Youth, Identity and Digital Media. Cambridge: MIT Press.

BUCKINGHAM, David. (2006). Is there a Digital Generation? In BUCKINGHAM, D;WILLET, R. (edited by) Digital generations. Children, Young People and New Media. London: Lawrence Erlbaum Associates, p1-18.

CARBONI, Stephane. (2015). App per l’infanzia: linee guida per una progettazione efficace. In Form@re, vi,n15, p.159-169.

CAVICHIOLI, G. (2015).Competências audiovisuais e os novos letramentos na escola. Dissertação de Mestrado. PPGE/UFSC, Florianópolis.

CHAUDRON, S. (2015).Young Children (0-8) and Digital Technology. A qualitative exploratory study across seven countries. Luxembourg: Publications Office of the European Union.

FANTIN, Monica. (2015a) Crianças e games na escola: entre paisagens e práticas. In Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v13, (jan/jun 2015 B. Disponível em: <http://revistalatinoamericanaumanizales.cinde.org.co/?page_id=4252>

FANTIN, M. (2015). Estudantes e laptop na escola; práticas e diálogos possíveis. In QUARTIERO, Elisa. M.; BONILLA, Maria H.; FANTIN, Monica.(orgs) Projeto UCA: entusiasmos e encantamentos de uma política pública. Salvador: Edufba, p.187-237.

FANTIN, Monica.; RIVOLTELLA, Pier Cesare. (2012).Cultura digital e formação de professores:usos da mídia, práticas culturais e desafios educativos. In FANTIN, M; RIVOLTELLA, P.C (orgs). Cultura digital e escola: pesquisa e formação de professores. Campinas, Papirus, 2012, p.95-146

FANTIN, Monica.; MIRANDA, Lyana.; MULLER, Juliana. (2015). Criança, Consumo e Publicidade: Linguagens, Percepções e Re-Interpretações. In Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: Intercom.

FERRÉS, Joan. (2007) La competência en comunicación audiovisual. Comunicar,2007, no 29, p. 100- 107

GARDNER, Howard.;DAVIS, Katie.(2013). Generazione AppMilano: Feltrinelli, 2013.

GEE, James. (2007). What videogames have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave MacMillan.

GOLEMAN, D. (2006). Inteligência Social. Rio de Janeiro: Elsevier.

JENKINS, Henry. (ed.) (2006). Confronting the challenges of participatory culture: media education for the 21st Century. MacArthur.

ITO, Mizuko. (Ed). (2010). Hanging out, messing around, and geeking out: kids living and learning with new media. Cambridge:MIT Press.

IZQUIERDO, Ivan. (1989). Memórias. Estudos Avançados, v. 3, n. 6, p. 89-112.

KERCKHOVE, Derick (2009). A pele da cultura. São Paulo: Annablume.

KRETZER, Suleica. F.B. (2013). A prática educativa em um processo de incorporação das tecnologias móveis na escola. Dissertação de Mestrado. PPGE/UFSC. Florianópolis, 2013.

LIVINGSTONE, Sonia; HADDON, Leslie.(2009). Kids online: opportunities and risks for children. London: Policy Press.

LIVINGSTONE, Sonia.(2011). Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. In.: Matrizes. Ano 4 – nº 2 jan./jun. 2011, p. 11-42

MIRANDA, Lyana; FANTIN, Monica. (2015). A singularidade na multiplicidade: crianças e tecnologias móveis na escola no contexto da cultura digital. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 8, p. 85-97. Disponível em http://www.seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/4516/3712

MURRAY, Janet.(2003). Hamlet no holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Editora Unesp.

NERI, Marcelo. (2013). Mapa da inclusão digital. Disponível em: <http://www.cps.fgv.br/cps/bd/mid2012/MID_sumario.pdf>.Acesso em: 10 nov. de

NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. (org).(2006) Cabeças digitais. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, São Paulo: Loyola.

PAPERT, Seymor. (2008). A máquina das crianças. Porto Alegre:Artmed.

PEREIRA Sara.; PINTO, Manuel.; MOURA, Pedro.(2015). Nível de literacia mediatica:estudo exploratório com jovens do 12. ano. Braga, Uminho:Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade,

PINTO, Manuel.(2009) Uma orientação ecológica na abordagem das novas mídias. Entrevista com Monica Fantin. In Perspectiva, v.27, n.1.

PRENSKY, Mark. (2001).Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon, Bradford, v. 9, n. 5, oct 2001.

RIVOLTELLA, Pier Cesare.(2006). Screen Generation.Milano: Vita e Pensiero.

RIVOLTELLA, Pier Cesare. (2012). Neurodidattica. Insegnare al cervello che apprende. Milão: Rafaello Cortina Editore.

RIVOLTELLA, Pier Cesare.(2013). Fare Didattica con gli EAS. Episodi di Apprendimento Situati. Brescia: La Scuola.

SANTAELLA, Lúcia.(2007). Pós-humano: por que?. Revista da USP, São Paulo, n.74, p. 126-137, junho/agosto.

TISSERON, Serge.(2016). 3-6-9-12 Diventare grande all’epoca degli schermi digitali. Brescia:La Scuola.

UNESCO.(2013) Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores. Brasília: UNESCO/UFTM.

WOLF, Maryanne. (2009). Proust e il Calamaro. Storia e scienza del cervello che legge. Milano: Vita e Pensiero.

Publicado
2016-09-07
Como Citar
Fantin, M. (2016). “Nativos e imigrantes digitais” em questão: crianças e competências midiáticas na escola. Passagens, 7(1), 5-26. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/passagens/article/view/3652
Seção
Dossiê Crianças e Jovens no contexto de convergência