DOS BENEFÍCIOS SOCIAIS NA REFORMA PSIQUIÁTRICA: NECESSIDADE, DEMANDA E DESEJO

Laura Resende Moreira, Fuad Kyrillos Neto

Resumo


O artigo discute as práticas inclusivas nos serviços de atenção psicossocial, de forma a articular a concessão de benefícios sociais à dimensão da práxis clínica, pautada na escuta do sujeito. Retoma-se o contexto de criação do campo da saúde mental no Brasil, ressaltando a importância do modelo basagliano para a consolidação dos movimentos sociais que protagonizaram a luta contra o modelo asilar de tratamento da loucura e pela inclusão social dos pacientes psiquiátricos. Em seguida, discorremos acerca da escuta clínica na teoria psicanalítica, no intuito de asseverar o desenvolvimento desta como elemento fundamental para o trabalho institucional. Utilizam-se os conceitos psicanalíticos de necessidade, demanda e desejo, com o propósito de articulá-los à noção de escuta nos serviços substitutivos. Por fim, indicamos que a relação entre a psicanálise e a saúde mental implica a aposta que se faz no desejo, na emergência do sujeito como resultado de um trabalho clínico dentro das instituições, na medida em que essa aposta nos permite escapar de certa normalização dos usuários de saúde mental a um convívio social aceitável. 


Palavras-chave


Reforma Psiquiátrica; Psicanálise; Escuta; Demanda; Desejo

Texto completo:

PDF

Referências


Amarante, P. (Coord.). (1995). Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Panorama/ENSP.

Bastos, A. B. B. I. (2009). A escuta psicanalítica e a educação. Psicólogo inFormação, 13(13), 91-98.

Dunker, C. I. L. (2004). Formas de apresentação do sofrimento psíquico: alguns tipos clínicos no Brasil contemporâneo. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 4(1), 94-111.

Dunker, C. I. L. & Kyrillos Neto, F. (2015). Psicanálise e Saúde Mental. Porto Alegre: Criação Humana.

Figueiredo, A. C. (1997). Vastas confusões e atendimentos imperfeitos: a clínica psicanalítica no ambulatório público. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Freud, S. (1969). A interpretação dos sonhos. In: S. Freud, Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud (Vol. V, pp. 541-646). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1900-1901)

Freud, S. (2010). Recomendações ao médico que pratica a psicanálise. In: S. Freud, Obras Completas (Vol. 10, pp. 111-122). São Paulo: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1912)

Freud, S. (1976). Esboço de psicanálise. In: S. Freud, Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud (Vol. XXIII, pp.88-163. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1940 [1938])

Lacan, J. (2009). O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original proferido em 1953-1954)

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 8: a transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1960-1961).

Macedo, M. M. K. & Falcão, C. N. B. (2005). A escuta na psicanálise e a psicanálise da escuta. Psychê, 9(15), 65-76.

Quebra, S. C. F. (2010). A "ameaça" da alta: considerações sobre o amor na psicose. In: Anais do IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental (pp.1-5). Curitiba: Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental.

Quinet, A. (2003). A descoberta do Inconsciente: do desejo ao sintoma. Rio de Janeiro: Zahar.

Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. (2006). Linha guia de Atenção em Saúde Mental. Belo Horizonte, MG.

Soler, C. (2011). O discurso capitalista. Stylus, 22, 55-67.

Tenório, F. (2002). A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceito. História, Ciências, Saúde, 9 (1), 25-29.

Tenório, F. (2007). Questões para a agenda da Reforma Psiquiátrica. In: M. C. V. Couto & R. G. Martinez (Orgs.), Saúde Mental e Saúde Pública (pp.13-27). Rio de Janeiro: NUPPSAM/IPUB/UFRJ.

Viganò, C. (1999). A construção do caso clínico em saúde mental. Curinga, 13, 39-48


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.