INSERÇÃO E TRABALHO DE PSICÓLOGAS/OS EM CONTEXTOS RURAIS: INTERPELAÇÕES À PSICOLOGIA

Kátya de Brito e Silva, João Paulo Macedo

Resumo


Objetivou-se identificar as formas de aproximação, inserção e atuação de psicólogas/os em contextos rurais. Participaram da pesquisa cinco psicólogas/os que atuam em dois Centros de Referência da Assistência Social (CRAS), três Equipes Volantes do CRAS e um Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NASF), localizados em três municípios de pequeno porte no Piauí. Os instrumentos foram observação participante, conversas informais, diários de campo e entrevistas semiestruturadas, sendo os dados analisados por meio da análise de conteúdo temática. O rural enquanto categoria teórica e forma de representação ficou invizibilizado nos discursos das/os participantes. As dificuldades relatadas quanto à inserção profissional foram muito mais pelas condições de trabalho nas políticas sociais do que propriamente pelo rural. Identificou-se, nesse sentido, a carência de planejamentos e intervenções voltadas para as especificidades desses contextos. Conclui-se que a atuação de psicólogas/os com rural demanda muitos debates, sendo um campo desafiador para profissão.


Palavras-chave


Ambientes rurais; política social; atuação do psicólogo.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, F. J. B. (2001). Aproximación metodológica desde la psicología social a la investigación en zonas rurales. Estudios Agrosociales y Pesqueros, (191), 225-233. Recuperado em fevereiro 20, 2016, de:

Andrade, L. F., & Romagnoli, R. C. (2010). O Psicólogo no CRAS: Uma Cartografia dos Territórios Subjetivos. Psicologia ciência e profissão, 30(3), 604-619.

Bastos, A. V. B., & Gondim, S. M. G. (Orgs.). (2010). O trabalho do psicólogo no Brasil. Porto Alegre: Artmed.

Brasil. (2008). Ministério do Desenvolvimento Agrário/MDA. Territórios da Cidadania: proposta do Ministério do Desenvolvimento Agrário para redução da desigualdade social no meio rural brasileiro. Brasília: MDA.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial da União, nº 12, jun. 2013, Seção 1, p.59.

Böing, E., & Crepaldi, M. A. (2010). O Psicólogo na Atenção Básica: Uma Incursão Pelas Políticas Públicas de Saúde Brasileiras. Psicologia Ciência e Profissão, 30(3), 634-649.

Cardoso, P. F. G. (2013). Ética e projetos profissionais: os diferentes caminhos do serviço social no Brasil. Campinas, SP: Papel Social.

Carneiro, M. J. (1998). Ruralidade: novas identidades em construção. Estudos Sociedade e Agricultura, 11, 53-75. Recuperado em março 29, 2016, de: .

Carneiro, M. J. (2008). “Rural” como categoria de pensamento. Rurais, 2(1), 09-38. Recuperado em março 20, 2016, de: .

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas/CREPOP. (2007). Referência técnica para atuação do(a) psicólogo(a) no CRAS/SUAS/Conselho Federal de Psicologia (CFP). Brasília, CFP.

Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas/CREPOP. (2013). Referências Técnicas para Atuação das(os) Psicólogas(os) em Questões Relativas a Terra. Brasília, CFP.

Costa, M.G.S.G., Figueiró, R.A., & Freire, F.H.M.A. (2014). O Fenômeno da Cronificação nos Centros de Atenção Psicossocial: Um Estudo de Caso. Temas psicol. 22(4), 839-851. Recuperado em, 03, 2017, de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v22n4/v22n04a13.pdf.

Cruz, L. R., & Guareschi, N. M. F. (2009). A constituição da assistência social como política pública: interrogações à psicologia. In L. R. Cruz, & N. Guareschi (Eds.), Políticas públicas e assistência social: diálogo com as práticas psicológicas. Petrópolis: Vozes.

Dantas, C. M. B. (2013). A ação do Psicólogo na Assistência Social: “interiorização da profissão” e combate à pobreza. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Favareto, A. S. (2006). Paradigmas do desenvolvimento rural em questão: do agrário ao territorial. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo.

Fuini, L. L. (2011). As Novas Dimensões do Rural: Território e Arranjos Produtivos Locais. Revista Geografares, (9), 103-122. Recuperado em fevereiro 27, 2016, de: .

Haesbaert, R. (2007). Território e Multiterritorialidade em debate. GEOgraphia, (17). Recuperado em outubro 12, 2016, de: http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/viewArticle/213.

Leite, J. F. et al. (2013). A formação em Psicologia para a atuação em contextos rurais. In J.F. Leite, & M. Dimenstein. (Eds.), Psicologia e contextos rurais. Natal: EDUFRN.

Lhullier, L. A., & Roslindo, J. J. (2013). As psicólogas brasileiras: levantando a ponta do véu. In: L.A. Lhullier (Ed.), Quem é a Psicóloga brasileira? Mulher, Psicologia e Trabalho Conselho Federal de Psicologia (CFP). Brasília: CFP.

Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2011). Formação do psicólogo para a saúde mental: a psicologia piauiense em análise. Interface - Comunicação saúde educação, 15(39), 1145-57.

Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2012). O trabalho dos psicólogos nas políticas sociais no Brasil. Avances em Psicología Latinoamericana, 30(1), 182-192. Recuperado em fevereiro 20, 2016, de: .

Martins, J. S. (1986). Introdução crítica à sociologia rural. São Paulo: Hucitec.

Martins, J. S. (2001). O futuro da Sociologia Rural e sua contribuição para a qualidade de vida rural. Estudos avançados, 15(43). Recuperado em fevereiro 20, 2016, de: http://www.scielo.br/pdf/ea/v15n43/v15n43a04.pdf.

Minayo, M. C. S. (2006). Os desafios do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Oliveira, et. al. (2014). Atuação dos psicólogos nos CRAS do interior do RN. Psicologia & Sociedade, 26 (n. spe. 2), 103-112. Recuperado em março 21, 2016, de: .

Reis, R. G., & Cabreira, L. (2013). As Políticas Públicas e o Campo: e o Psicólogo com Isso? Psicologia: ciência e profissão, 33 (núm. esp.), 54-65.

Silva, J.G. (1982). A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Zahar Editores.

Veiga, J.E. (no prelo). Mudanças nas relações entre espaços rurais e urbanos. In R. Piquet, & E. Oliveira (Eds.). Economia e Território no Brasil Contemporâneo. Recuperado em maio 03, 2017, de: http://www.zeeli.pro.br/wp-content/uploads/2012/06/Mudancas_nas_relacoes_entre_espacos.pdf.

Wanderley, M. N. B. (2000). A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas – o “rural” como espaço singular e ator coletivo. Estudos Sociedade e Agricultura, 15, 87-145. Recuperado em março 20, 2016, de: .

Wanderley, M. N. (2011). Um saber necessário: os estudos rurais no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp.

Yamamoto, O. H., & Oliveira, I. F. (2010). Política Social e Psicologia: Uma Trajetória de 25 Anos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(n. especial), 09-24. Recuperado em março 21, 2016, de: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.