Apreensão das zonas de sentido da atividade de trabalho da diarista

  • Kamilla Sthefany Andrade de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Programa de Pós Graduação em Psicologia
  • Pedro Fernando Bendassolli Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
  • Tatiana de Lucena Torres Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Trabalhadoras domésticas, diaristas, processos de significação, teoria da atividade.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o processo de significação da atividade de trabalho de diaristas. Doze entrevistas semiestruturadas foram realizadas e suas narrativas foram sistematizadas pela técnica de núcleos de significação. Os resultados indicam a organização de tais narrativas em seis núcleos, cujos conteúdos se articulam. Eles compreendem aspectos relacionados: (1) à história de vida das diaristas, em particular a escolha dessa atividade; (2) aos relacionamentos no contexto de trabalho, revelando zonas de sentido que dizem respeito à instabilidade e ambivalências, em especial com seus pares e tomadores de serviço; (3) à dimensão da autonomia e liberdade nessa ocupação; (4) ao objetivo e as fontes de sentido da atividade (seu porquê); (5) à precariedade e incerteza, refletindo as marcas do trabalho informal; (6) às dificuldades na realização da atividade, bem como o processo de criação e utilização de estratégias de enfrentamento ou de instrumentos e ferramentas necessárias para execução do trabalho. As diaristas compartilham uma história de trabalho infantil, demarcada por uma rotina de trabalho intenso, um labor diversificado, precário e instável, que proporciona sua sobrevivência e o enfrentamento de situações cotidianas que lhes exigem criatividade, flexibilidade e adaptação.

Biografia do Autor

Kamilla Sthefany Andrade de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Programa de Pós Graduação em Psicologia
Mestranda do Programa de Pós Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Pedro Fernando Bendassolli, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Professor Doutor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil
Tatiana de Lucena Torres, Universidade Federal da Paraíba
Professora Doutora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal da Paraíba

Referências

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2006). Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia ciência e profissão, 26(2), 222-245.

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322.

Aguiar, W. M. J., Soares, J. R., & Machado, V. C. (2015). Núcleos de significação: uma proposta histórico-dialética de apreensão das significações. Cadernos de Pesquisa, 45(155), 56-75.

Barros, J. P. P., Paula, L. D., Pascual, J. G., Colaço, V. D. F. R., & Ximenes, V. M. (2009). O conceito de “sentido” em Vygotsky: considerações epistemológicas e suas implicações para a investigação psicológica. Psicologia & Sociedade, 21(2), 174-181.

Bendassolli, P. F. (2011). Mal estar no trabalho: do sofrimento ao poder de agir. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(1), 65-99.

Bendassolli, P. F. (2012). Psicologia do trabalho como psicologia da ação: O aporte das teorias da atividade. Psico (PUCRS. Online),43(3), 341-349.

Bendassolli, P. F., & Coelho-Lima, F. (2015). Psicologia e trabalho informal: a perspectiva dos processos de significação. Psicologia & Sociedade, 27(2), 383-393.

Bernardino-Costa, J. (2007). Sindicatos das trabalhadoras domésticas no Brasil: teorias da descolonização e saberes subalternos (Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília) Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/2711/1/2007_JoazeBernardinoCosta.pdf

Brites, J. G. (2013). Trabalho Doméstico: questões, leituras e políticas. Cadernos de Pesquisa, 43 (149), 422-451.

Bruschini, C & Lombardi, M. R. (2000). A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil Contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, 110, 67-104.

Clot, Y. (2008). Travail et pouvoir d'agir. Paris: PUF.

Engeström, Y. (1987). Leaming by expanding: an activity theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit.

Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. (1994). Competing paradigms in qualitative research. In: Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Iriart, J. A. B., Oliveira, R. P. D., Xavier, S. D. S., Costa, A. M. D. S., Araújo, G. R. D., & Santana, V. S. (2008). Representações do trabalho informal e dos riscos à saúde entre trabalhadoras domésticas e trabalhadores da construção civil. Ciência & Saúde Coletiva, 13(1), 165-174.

Leontiev, A. N. (1978). Activity, consciousness, and personality. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Monticelli, T. A. (2013). Diaristas, afeto e escolhas: ressignificações no trabalho doméstico remunerado (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba) Recuperado de http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/31030/R%20-%20D%20-%20THAYS%20ALMEIDA%20MONTICELLI.pdf?sequence=1

Ministério do Trabalho e Emprego (2017). Classificação Brasileira de Ocupações. Brasil. Recuperado de http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf

Prisco, T., Carvalho, C. S. & Gomes, M. M. (2013). Diaristas: “novas domésticas” em tempos de trabalho precário?, SERV. SOC. REV., 15(2), 28-50.

Ribeiro, C. R. B. (2014). Usos de si e (in)formalidade no trabalho da empregada doméstica diarista (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minhas Gerais, Belo Horizonte) Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUBD-9UHFF6/3_tese_claudia_ribeiro_final_protegido__29.06.pdf?sequence=1

Santos, J. K. C. (2010). Quebrando as correntes invisíveis: uma análise crítica do trabalho doméstico no Brasil (Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília) Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/8484/1/2010_Judith%20Karine%20Cavalcanti%20Santos.pdf

Saffioti, H. I. B. (1978). Emprego Doméstico e Capitalismo. Petrópolis: Vozes.

Vygotsky, L. S. (2001). Pensamento e palavra. In L. S. Vigotski. A construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1934).

Publicado
2018-07-01
Como Citar
de Oliveira, K. S. A., Bendassolli, P. F., & Torres, T. de L. (2018). Apreensão das zonas de sentido da atividade de trabalho da diarista. Revista De Psicologia, 9(2), 127-136. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/11891
Seção
Artigos