Apreensão das zonas de sentido da atividade de trabalho da diarista

Kamilla Sthefany Andrade de Oliveira, Pedro Fernando Bendassolli, Tatiana de Lucena Torres

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar o processo de significação da atividade de trabalho de diaristas. Doze entrevistas semiestruturadas foram realizadas e suas narrativas foram sistematizadas pela técnica de núcleos de significação. Os resultados indicam a organização de tais narrativas em seis núcleos, cujos conteúdos se articulam. Eles compreendem aspectos relacionados: (1) à história de vida das diaristas, em particular a escolha dessa atividade; (2) aos relacionamentos no contexto de trabalho, revelando zonas de sentido que dizem respeito à instabilidade e ambivalências, em especial com seus pares e tomadores de serviço; (3) à dimensão da autonomia e liberdade nessa ocupação; (4) ao objetivo e as fontes de sentido da atividade (seu porquê); (5) à precariedade e incerteza, refletindo as marcas do trabalho informal; (6) às dificuldades na realização da atividade, bem como o processo de criação e utilização de estratégias de enfrentamento ou de instrumentos e ferramentas necessárias para execução do trabalho. As diaristas compartilham uma história de trabalho infantil, demarcada por uma rotina de trabalho intenso, um labor diversificado, precário e instável, que proporciona sua sobrevivência e o enfrentamento de situações cotidianas que lhes exigem criatividade, flexibilidade e adaptação.


Palavras-chave


Trabalhadoras domésticas; diaristas; processos de significação; teoria da atividade.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2006). Núcleos de significação como instrumento para a apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia ciência e profissão, 26(2), 222-245.

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2013). Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322.

Aguiar, W. M. J., Soares, J. R., & Machado, V. C. (2015). Núcleos de significação: uma proposta histórico-dialética de apreensão das significações. Cadernos de Pesquisa, 45(155), 56-75.

Barros, J. P. P., Paula, L. D., Pascual, J. G., Colaço, V. D. F. R., & Ximenes, V. M. (2009). O conceito de “sentido” em Vygotsky: considerações epistemológicas e suas implicações para a investigação psicológica. Psicologia & Sociedade, 21(2), 174-181.

Bendassolli, P. F. (2011). Mal estar no trabalho: do sofrimento ao poder de agir. Revista Mal Estar e Subjetividade, 11(1), 65-99.

Bendassolli, P. F. (2012). Psicologia do trabalho como psicologia da ação: O aporte das teorias da atividade. Psico (PUCRS. Online),43(3), 341-349.

Bendassolli, P. F., & Coelho-Lima, F. (2015). Psicologia e trabalho informal: a perspectiva dos processos de significação. Psicologia & Sociedade, 27(2), 383-393.

Bernardino-Costa, J. (2007). Sindicatos das trabalhadoras domésticas no Brasil: teorias da descolonização e saberes subalternos (Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília) Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/2711/1/2007_JoazeBernardinoCosta.pdf

Brites, J. G. (2013). Trabalho Doméstico: questões, leituras e políticas. Cadernos de Pesquisa, 43 (149), 422-451.

Bruschini, C & Lombardi, M. R. (2000). A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil Contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, 110, 67-104.

Clot, Y. (2008). Travail et pouvoir d'agir. Paris: PUF.

Engeström, Y. (1987). Leaming by expanding: an activity theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit.

Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. (1994). Competing paradigms in qualitative research. In: Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Iriart, J. A. B., Oliveira, R. P. D., Xavier, S. D. S., Costa, A. M. D. S., Araújo, G. R. D., & Santana, V. S. (2008). Representações do trabalho informal e dos riscos à saúde entre trabalhadoras domésticas e trabalhadores da construção civil. Ciência & Saúde Coletiva, 13(1), 165-174.

Leontiev, A. N. (1978). Activity, consciousness, and personality. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Monticelli, T. A. (2013). Diaristas, afeto e escolhas: ressignificações no trabalho doméstico remunerado (Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba) Recuperado de http://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/31030/R%20-%20D%20-%20THAYS%20ALMEIDA%20MONTICELLI.pdf?sequence=1

Ministério do Trabalho e Emprego (2017). Classificação Brasileira de Ocupações. Brasil. Recuperado de http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf

Prisco, T., Carvalho, C. S. & Gomes, M. M. (2013). Diaristas: “novas domésticas” em tempos de trabalho precário?, SERV. SOC. REV., 15(2), 28-50.

Ribeiro, C. R. B. (2014). Usos de si e (in)formalidade no trabalho da empregada doméstica diarista (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minhas Gerais, Belo Horizonte) Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUBD-9UHFF6/3_tese_claudia_ribeiro_final_protegido__29.06.pdf?sequence=1

Santos, J. K. C. (2010). Quebrando as correntes invisíveis: uma análise crítica do trabalho doméstico no Brasil (Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília) Recuperado de http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/8484/1/2010_Judith%20Karine%20Cavalcanti%20Santos.pdf

Saffioti, H. I. B. (1978). Emprego Doméstico e Capitalismo. Petrópolis: Vozes.

Vygotsky, L. S. (2001). Pensamento e palavra. In L. S. Vigotski. A construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1934).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.