Selfie e teoria crítica: considerações acerca do trabalho com imagens em psicologia

Fernanda Carvalho de Almeida, Maria de Fátima Vieira Severiano

Resumo


Contemporaneamente, a imagem tem ganhado destaque na vida dos indivíduos. Tal fato torna-se flagrante no fenômeno selfie. Neste, indivíduos autorretratam-se em diversas situações a fim de compartilhar tais conteúdos em redes sociais virtuais. As imagens tornam-se, portanto, relevantes à compreensão do homem contemporâneo, isto é, de uma subjetividade que se constitui na tela – do computador, do smartphone etc. Indagamo-nos: como a pesquisa em Psicologia tem se ocupado da delicada tarefa de ler uma imagem? Neste trabalho, buscamos explorar possibilidades de investigação de imagens na Psicologia, por meio de uma base teórico-metodológica alicerçada na Teoria Crítica da Escola de Frankfurt. Optamos por fazer referência aos selfies, pois estes são paradigmáticos da produção imagética atual da web. Abordaremos aspectos teórico-metodológicos da Teoria Crítica no trabalho com selfies, bem como discorreremos acerca dos desafios encontrados na análise de imagens. Apontaremos caminhos possíveis no manejo destes desafios, tendo por base a Teoria Crítica. Como resultado, a apropriação desta pela investigação em Psicologia propicia sentido prático ao trabalho teórico, assim como aprimoramentos da teoria pela prática. Ainda, a Teoria Crítica fomenta um olhar acurado a detalhes reveladores do todo social, permitindo ao pesquisador vagar como o flanêur de Benjamin pela transitoriedade do agora.


Palavras-chave


Teoria Crítica; selfie; imagens.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.