Violência contra a mulher: análise da identidade de mulheres que sofrem violência doméstica

  • Carolina Barbosa Vigário CREAS da cidade de Goiandira-GO.
  • Fernando César Paulino-Pereira Universidade Federal de Goiás (UFG).
Palavras-chave: Violência Contra a Mulher, Gênero, Empoderamento.

Resumo

A violência, como um fenômeno social, é historicamente presente no cotidiano das relações sociais, é intrínseca ao processo civilizatório e é manifestada de diferentes formas. A violência nas relações entre parceiros expressa a dinâmica de afeto e poder e, em sua maioria, denuncia relações de subordinação e dominação. É em grande parte, direcionada contra a mulher, independente de sua posição social ou do grau de desenvolvimento econômico. Este trabalho foi realizado na Delegacia de Polícia Civil de Goiandira – GO e realizou a análise da identidade de mulheres na relação de violência com seus parceiros, identificando valores e processos identitários nas circunstâncias e dinâmicas cotidianas dos atores envolvidos. Para isso, utilizou-se como metodologia a pesquisa-ação, a qual teve como instrumentos de coleta de dados o Diário de Campo, a escuta Terapêutico-Educativa, balizada pela intervenção psicossocial. O resultado dessa análise nos aponta para as dificuldades apresentadas pelas mulheres que sofrem violência doméstica em exercitar a capacidade de conduzir sua própria vida, em construir novas identidades e entender que a violência de gênero deve ser combatida através da desconstrução relações de desigualdade entre homens e mulheres e as reestruturando nos campos afetivo, valorativo e operativo, possibilitando transformação das relações sociais.

Biografia do Autor

Carolina Barbosa Vigário, CREAS da cidade de Goiandira-GO.
Psicóloga pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Pedagoga pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Psicóloga do CREAS da cidade de Goiandira-GO.
Fernando César Paulino-Pereira, Universidade Federal de Goiás (UFG).

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) .Professor da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Referências

Araújo, M. F. (2008, outubro) Gênero e violência contra a mulher: o perigoso jogo de poder e dominação. Revista Eletrônica Internacional de la Unión Latinoamericana de Entidades de Psicologia. México, n. 14. Disponível em: http://psicolatina.org/14/genero.html. Acesso em 04/12/2012.

Blanco, P. et al. (2004) La violencia de pareja y la salud de las mujeres. Gac Sanit, (n. 18, supl. 1, pp. 182-188).

Brasil. (2010) Lei Maria da Penha: Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara (pp. 13-14).

Ciampa, A. C. (1998) A Estória do Severino e a História da Severina. São Paulo: Brasiliense.

Deeke, L. P. et al. (2009) A Dinâmica da Violência Doméstica: uma análise a partir dos discursos da mulher agredida e de seu parceiro. Saúde e Sociedade. São Paulo (Vol. 18, n. 2, pp. 248-258).

Fonseca, D. H; Ribeiro, C. G. & Leal, Noêmia Soares Barbosa. (2012, agosto) Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte (Vol. 24, n. 2, pp. 307-314).

Franco, M. A. S. (2005, set/dez) Pedagogia da Pesquisa-Ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, (Vol. 31, n. 3, pp. 483-502).

Freire, P. (1994) A justificativa da pedagogia do oprimido. In FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 23ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, (pp. 16-25).

Garbin, C. A. S. et al. (2006, dezembro) Violência doméstica: análise das lesões em mulheres. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, (Vol. 22, n. 12, pp. 2567-2573).

Gomes, N. P. et al. (2007, dezembro) Compreendendo a violência doméstica a partir das categorias gênero e geração. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, (Vol. 20, n. 4, pp. 504-508).

Hanada, H.; D’Oliveira, A. F. P.L., & Schraiber, L. B. (2008, agosto). Os psicólogos e a assistência a mulheres em situação de violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder, Florianópolis (pp. 01-08, pp. 25-28).

Hayeck, C. M. (2009, julho) Refletindo sobre a violência. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, São Leopoldo (ano 1, n. 1, pp. 01-08).

Hughes, I. (2010) How to keep a research diary. Action Research E-Reports. Disponível em: http://casino.cchs.usyd.edu.au/arow/ar/report/005.htm. Acesso em: 21 de setembro de 2010.

IBOPE / Instituto Avon. Percepções e reações da sociedade sobre a violência contra a mulher, 2009. Disponível em: http://www.spm.gov.br/nucleo/dados/pesquisa-avon-violencia-domestica-2009.pdf. Acesso em: 17/12/12.

Jong, L. C.; Sadala, M. L. A. & Tanaka, A. C. D' A. (2008, dezembro). Desistindo da denúncia ao agressor: relato de mulheres vítimas de violência doméstica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo (Vol. 42, n. 4, pp. 744-751).

Lima, D. C.; Buchele, F. & Climaco, D. A. (2008, junho). Homens, gênero e violência contra a mulher. Saúde e Sociedade, São Paulo (Vol. 17, n. 2, pp. 69-81).

Mattos, R. M. & Ferreira, R. F. (2004, agosto) Quem vocês pensam que (elas) são? - Representações sobre as pessoas em situação de rua. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre (Vol. 16, n. 2, pp. 47-58). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822004000200007&script=sci_arttext. Acesso em: 12 de Setembro de 2012.

Melo Neto, J. F. (2003) Pesquisa-ação - aspectos práticos da pesquisa-ação nos movimentos sociais populares e em extensão popular. In Richardson, Roberto Jarry. (Org.). Pesquisa-ação: princípios e métodos. João Pessoa: Editora da Universidade Federal da Paraíba, (1ª Ed, Vol. 1, pp. 01-09).

Mendes, D. A. D., Paulino-Pereira, F. C., & Soares, S. R. (2008, agosto). Identidade de mulheres após experiência de violência sexual na infância e/ou adolescência. Interseção, Belo Horizonte (Vol. 1, n. 2, pp. 31-41).

Mendez, L. B. (1999, outubro) Violencia de género y prevencion. El problema de la violencia masculina. In Intervencion en Jornadas: Actuaciones sociopolíticas preventivas de la violencia de género. Madrid.

Michaud, Y. (1989). O problema das definições. In A violência. Tradução de L. Garcia. São Paulo: Editora Ática. (pp. 10-11).

Minayo, M. C. S. & Deslandes, S. F. (1998, jan/mar). A complexidade das relações entre drogas, álcool e violência. Caderno de Saúde Púbica, Rio de Janeiro (n. 14, pp. 35-42).

Paulino-Pereira, F. C. (2006). Ampliando a Discussão sobre a Teoria da Identidade e

Emancipação Humana. In “Memória se faz na História”: um estudo da identidade de

metodistas militantes sociais orientados pela teologia da libertação. Tese de Doutorado, São Paulo, PUC-SP.

Pelissari, M. A. (1998). O diário de campo como instrumento de registro. S.l., mimeo.

Pietroluongo, A. P. C. & Resende, T. I. M. (2007, mar). Visita Domiciliar em Saúde Mental – O Papel do Psicólogo em Questão. Psicologia: Ciência e Profissão, 2007 (Vol. 27, n. 1, pp. 22-31).

Queiroz, M. I. P. (1991). Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: T. A Queiroz Editora. (pp. 01-26).

Rosa, A. G. et al. (2008, setembro). A violência conjugal contra a mulher a partir da ótica do homem autor da violência. Saúde e Sociedade. São Paulo (Vol. 17, n. 3, pp. 152-160).

Scott, J. (1995, jul/dez) Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre (Vol. 20, n. 2, pp. 71-99). Disponível em: http://archive.org/stream/scott_gender#page/n5/mode/1up. Acesso em: 06/11/12.

Sheiham, A. (2001, junho) Public health approaches to promoting periodontal health. Revista Brasileira de Odontologia em Saúde Coletiva, Brasília, (Vol. 2, pp. 61-82). In Lima, Daniel Costa; Buchele, Fátima; Climaco, Danilo de Assis (2008). Homens, gênero e violência contra a mulher. Saúde e Sociedade, São Paulo, (Vol. 17, n. 2, pp. 69-81).

Sinclair, D. (1985) Understanding wife assault: A training manual for counselors and advocates. Toronto: Publications Ontario.

Tripp, D. (2005, set-dez) Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, (Vol. 31, n. 3, pp. 443-466).

Recebido em 11 de agosto de 2014.

Aprovado para publicação em 02 de setembro de 2014.

Publicado
2014-12-19
Como Citar
Vigário, C. B., & Paulino-Pereira, F. C. (2014). Violência contra a mulher: análise da identidade de mulheres que sofrem violência doméstica. Revista De Psicologia, 5(2), 153-172. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/1483
Seção
Artigos