A hermenêutica junguiana em estudo: aplicações possíveis na pesquisa qualitativa em Psicologia

Luis Gustavo Vechi

Resumo


Este artigo teórico caracteriza a hermenêutica junguiana e propõe aplicações dela na pesquisa qualitativa em Psicologia. Textos de Jung e de comentadores dele a respeito dessa hermenêutica constituíram a amostra de análise deste estudo cujos resultados foram organizados mediante as seguintes categorias obtidas com a pesquisa: “o termo ‘hermenêutica’ na Psicologia de Jung”, “a epistemologia esse in anima”, “a atitude simbólica ou a realidade como símbolo”, “as quatro etapas do método de leitura da hermenêutica junguiana”, “a orientação teleológica na compreensão de sentido” e “o discurso e o iconográfico como material empírico na hermenêutica junguiana”. A aplicação dos seguintes procedimentos dessa hermenêutica na pesquisa qualitativa em Psicologia foram propostos: “a atitude simbólica do pesquisador: circunscrever a realidade como símbolo”; “a epistemologia esse in anima”; “os símbolos discurso e iconográfico de indivíduos, grupos ou culturas como material empírico”; “a compreensão do símbolo como meio de se investigar um tema/problema de estudo”; “a leitura do símbolo mediante os procedimentos ‘deixar acontecer’, ‘engravidar e objetivar’ e ‘confrontar-se com e se diferenciar de’ e ‘amplificação’” e “a perspectiva teleológica que prioriza a identificação de finalidade e de propósito em vez de causa e de explicação no processo de entendimento do símbolo”.   


Palavras-chave


Psicologia junguiana; hermenêutica; pesquisa qualitativa; símbolo

Texto completo:

PDF

Referências


American Psychological Association. (2010). Publication manual of the American Psychological Association. Washington, DC: APA.

Bernstein, R. (1983). Beyond objectivism and relativism: science, hermeneutics and praxis. Philadelphia, PA: University of Pennsylvania.

Burke, J. W. S. (2003). Strange attractors: transference, holography, and an archetype. (Doctoral thesis). Pacifica Graduate Institute, Santa Barbara.

Carotenuto, A. (2000). Jung e la cultura del secolo XX(3ed.). Bergamo: Tascabili Bompiani.

Clarke, J. J. (1996). Jung e l’ermeneutica. In J. J. Clarke, Jung e l’oriente: alla ricerca dell’uomo interiore (pp. 57-58). Genova: Edizioni Culturali Internazionali.

Eenwyk, J. R. V. (1997). Archetypes & Strange Attractors: the chaotic world of symbols. Toronto: Inner City.

Forryan, B. &Glover, J. M. (1979). General Index to the Collected Works of C. G. Jung (Bollingen Series XX). Princeton, NJ: Princeton University Press.

Hard, D. L. (2008). The classical Jungian School. In P. Young-Eisendrath, & T. Dawson, The Cambridge Companion to Jung (2nd ed., p. 95-106). England: Cambridge University Press.

Humbert, E. G. (1985). A atividade do consciente: três verbos. In E. G. Humbert, Jung (pp. 19-23). São Paulo, SP: Summus.

Jantsch, E. (1975). Design for evolution: self-organization and planning in the life of human systems. New York, NY: George Braziller.

Jones, R. A. (2002). The relational premises of Jung´s theory of psychological value and the embodied symbol. In S. P. Shohov (Ed.), Advances in psychology research (p. 3-20). New York, NY: Nova Science.

Jung, C. G. (1966). On the relational of analytical psychology to poetry. In C. G. Jung, The Collected Works of C. G. Jung (Vol. 15: The spirit in man, art and literature, pp. 65-83). London: Routledge & Kegan Paul. (Original work published in 1922).

Jung, C. G. (1969). On psychic energy. In C. G. Jung, The Collected Works of C. G. Jung (2nd ed., Vol. 8: The structure and dynamics of the psyche, pp. 3-66). Princeton, NJ: Princeton University. (Original work published in 1928).

Jung, C. G. (1969a). Answer to Job. In C. G. Jung, TheCollected Works of C. G. Jung (2nd ed., Vol. 9: Psychology and religion: west and east, pp. 357-470). London: Routledge & Kegan Paul. (Original work published in 1952a).

Jung, C. G. (1969b). Synchronicity: an acausal connecting principle. In C. G. Jung, The Collected Works of C. G. Jung (2nd ed., Vol. 8: The structure and dynamics of the psyche, pp. 418-519). London: Routledge & Kegan Paul. (Original work published in 1952b).

Jung, C. G. (1986). Obras Completas de C. G. Jung (4ª ed., Vol. 5: Símbolos de transformação). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1912/1952).

Jung, C. G. (1991). Obras Completas de C. G. Jung (Vol. 6: Tipos psicológicos). Petrópolis, RJ: Vozes, 1991. (Trabalho original publicado em 1921).

Jung, C. G. (1991). Espírito e vida. In C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung (3ª ed., Vol. 8/2: A natureza da psique, pp. 261-279). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1926).

Jung, C. G. (1991). Considerações gerais sobre a teoria dos complexos. In: C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung (3ª ed., Vol. 8/2: A natureza da psique, pp. 27-39). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em1934).

Jung, C. G. (1991). Princípios básicos da prática da psicoterapia. In: C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung (Vol. 16/1: A prática da psicoterapia, pp. 1-18). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1935).

Jung, C. G. (1991). Considerações teóricas sobre a natureza do psíquico. In C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung (3ª ed., Vol. 8/2: A natureza da psique, pp. 99-171). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1946).

Jung, C. G. (1991). A função transcendente. In C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung (3ª ed., Vol. 8/2: A natureza da psique, pp. 1-23). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1957/1958).

Jung, C. G. (1993). A importância da psicologia para a época atual. In C. G. Jung. Obras Completas de C. G. Jung (Vol. 10/3: Civilização em transição, pp. 129-148). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1933/1934).

Jung, C. G. (1999). Apêndice – A interpretação psicológica dos processos patológicos. In C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung (3ª ed., Vol. 3: Psicogênese das doenças mentais, pp. 162-175). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1914).

Jung, C. G. (2002). Aspectos psicológicos do arquétipo materno. In C. G. Jung, Obras Completas de C. G. Jung, (2ª ed., Vol. 9/1: Os arquétipos e o inconsciente coletivo, pp. 85-116). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1938/1954).

Jung, C. G. (2002). Cartas 1946-1955. Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1972).

Jung, M. L´ermeneutica. Bologna: Il Mulino, 2002.

Reason, P, & Rowan, J. (1981). Human inquiry: a sourcebook of new paradigm research. Chilchester, England: John Wiley Sons.

Rey, F. L. G. (2002). Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. São Paulo, SP: Thompson.

Rey, F. L. G. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo, SP: Thompson.

Rothgeb, C. L. (1998). Carl Gustav Jung: chaves-resumo das obras completas. Rio de Janeiro, RJ: Atheneu.

Samuels, A. (2017). The Future of Jungian Analysis: Strengths, Weaknesses, Opportunities, Threats (‘SWOT’) Recuperado de www.andrewsamuels.com/wp-content/uploads/SAP-LECTURE-SAMUELS-2017-final.pdf

Samuels, A. (1993). A critical dictionary of Jungian analysis. London: Routledge.

Samuels, A. (1989). Jung e os pós-junguianos. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Siegelman, E. Y. (1990). The symbolic attitude. In E. Y. Siegelman (Org.), Metaphor & meaning in psychotherapy (pp. 159-183). New York, NY: Guilford.

Silverman, D. (2002). Come fare ricerca qualitativa. Roma: Carocci.

Young-Eisendrath, P., & Hall, J. A. (1991). Jung´s Self psychology: a construtivist perspective. New York: NY, Guilford.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.