UMA EXPERIÊNCIA DA PSICOLOGIA COM MEDIAÇÃO DE CONFLITOS – ESTÁGIO EM PSICOLOGIA E PROCESSOS DE GESTÃO

Italo Emanuel Pinheiro de Lima, Rayane Pereira Bacural, Fernanda Indira Sampaio Pacífico de Sousa, Karla Daniely Silva Lima

Resumo


O estágio supervisionado tem como objetivo promover o desenvolvimento de habilidades e competências necessárias para a formação do estudante de psicologia, tornando-se um momento crucial de transição entre o papel estudantil e profissional. O presente trabalho consiste em um relato da experiência decorrente das práticas de estágio desenvolvidas durante três semestres pelos alunos do curso de Psicologia do Centro Universitário Doutor Leão Sampaio matriculados na ênfase Psicologia e Processos de Gestão. Buscaremos aqui discutir a configuração do serviço de mediação de conflitos como prática institucional, a entrada da psicologia e estruturação de suas atividades no cotidiano do campo de estágio e os reflexos desse trabalho na dinâmica organização. Como estratégias metodológicas foram utilizadas as supervisões acadêmicas, como lugar de sistematização dos fenômenos e discussão das práticas, além dos registros de campo trazidos pelos estagiários. Consideramos que o espaço construído pela Psicologia no campo de estágio promoveu significativas mudanças não só na dimensão operacional, mas também em elementos nos níveis estratégicos e políticos da instituição e da profissão, possibilitando uma prática mais alinhada com os princípios que orientam a Defensoria Pública como local de acesso e promoção da cidadania.


Palavras-chave


Estágio em Psicologia; Mediação; Defensoria Pública

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, I., (2010) Mediação e conciliação: dois paradigmas distintos, duas práticas diversas inSOUZA, Luciane Moessa de. . Mediação de conflitos: novo paradigma de acesso à justiça. 2. ed. Santa Cruz do Sul - RS: Essere nel mondo, 2015

BASTOS, A. V. B.; GONDIM, Sonia Maria Guedes (Org.) . O trabalho do psicólogo no Brasil.1. ed. Porto Alegre: Artmed.

Bleger, J., (1984) Psico-higiene e Psicologia Institucional. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984.

Bucher-Maluschke, J, S, N, F., (2007) Revisitando Questões sobre Lei, Transgressão e Família em suas Interações com a Psicologia, a Psicanálise, o Direito e a Interdisciplinaridade Possível. Psicologia: Teoria e Pesquisa, [s.i.], v. 23, n. 1, p.89-96.

Cavalcante, P. R., (2015) Contribuições da Psicologia no acesso à Justiça: reflexões sobre a atuação de psicólogas/os na Defensoria Pública do Estado de São Paulo. 2015 348 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA (Paraná) (Org.). Caderno de Psicologia Jurídica. 21. ed. Curitiba: Unificado, 2007.

Guirado, M. (1987) Psicologia Institucional. São Paulo: EPU.

Kleba, M. E., & Wendausen, A. (2009). Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política.

Muller, F. G., BEIRAS, A. e CRUZ, R. M, (2007) O trabalho do psicólogo na mediação de conflitos familiares: reflexões com base na experiência do serviço de mediação familiar em Santa Catarina. Aletheia, Trombas, v. 26, n. 159, p.196-209, jul. Semestral.

Naguel, M; Denck R., (2007) Série técnica: manual de psicologia organizacional. Curitiba :Unificado.

Neves, T. F.C.A, (2016) judicialização da vida e o novo CPC. Estudo de direito. Porto Alegre, 2015. Disponível em Acesso em 26 de maio.

Oliveira, C. F.B. e Brito, L. M. T., (2013) Judicialização da vida na contemporaneidade. Psicologia: Ciência e Profissão, Rio de Janeiro, v. 33, p.78-89.

Oliveira, R. G., (2015) Encontros psi-jurídicos na Defensoria Pública do Estado de São Paulo: entre saberes, transversalidades e itinerários de formação. 2015. 202 f. Tese (Doutorado) - Curso de Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Pereira, A. S., (2009) Práxis da Psicologia Organizacional: atuação do Psicólogo organizacional na cidade de Teresina - PI. In Anais do XV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social. Maceió: Faculdade Integrada Tiradentes.

Rosenblatt, Ana et al. (2014) Manual de Mediação para a Defensoria Pública. Brasília: Cead/enam.

Santos, A. A., (2011) O Estado Democrático de Direito. In: ÂmbitoJurídico, Rio Grande, XIV, n. 91, agosto Disponívelem:

Santos, L., Santos, L. D. e Silva, R. R. N., (2012) A prática do assistente social e a importância dos intrumentos tecnicos-opertivo. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL "EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE", 6., 2012, São Cristovão. [s.I]. São Cristovão: [s.i], p. 1 - 14.

Silva, D. M. P., (2007) Psicologia jurídica no processo civil brasileiro. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vasconcelos, C. E., (2008) Mediação de Conflitos: e práticas restaurativas. São Paulo: Método.

Vaz, B. L, (2012) O papel da defensoria pública junto aos juizados especiais cíveis. 2012. 59 f. Monografia (Especialização) - Curso de Direito, Curso de Direito Processual Civil, Rio de Janeiro.

Villaça, E.A. e Camelo, M. C., (2015) A Defensoria como agente na mediação de conflitosin SOUZA, Luciane Moessa de. . Mediação de conflitos: novo paradigma de acesso à justiça. 2. ed. Santa Cruz do Sul - RS: Essere nel mondo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.