LIDERANÇA E PERSONALIDADE : REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO PSÍQUICO NO TRABALHO

Adriana Maria Gurgel Gomes

Resumo


Resumo:

O presente artigo é um estudo teórico sobre liderança e o sofrimento psíquico no trabalho baseado na obra de Chisthophe Dejours. O cenário atual do mundo do trabalho e as exigências idealizadas para a ocupação de cargos de liderança juntamente com a estruturação psíquica do sujeito são facilitadores para o surgimento do sofrimento psíquico no trabalho. As mudanças no trabalho causadas pela rapidez da tecnologia, velocidade de informações, globalização da economia e desemprego são presentes na vida dos líderes nas organizações. O líder é exigido a estar preparado lidar com estas mudanças e conviver com incertezas que são favoráveis ao surgimento de ansiedade e diminuição da autoestima. O perfil profissional exigido pelas organizações para os lideres contém elevadas exigências de habilidades e competências profissionais além de pressões sobre resultados, capacidade de decidir e de conviver com constantes ameaças de desemprego. Estas exigências da organização do trabalho são fatores desencadeantes para o sofrimento psíquico. Outro fator que contribui para a instauração do sofrimento psíquico diz respeito à história de vida do sujeito e suas características de personalidade. Exercer cargos de liderança pode de acordo com a organização do trabalho e a personalidade do líder causar sofrimento psíquico sendo necessários estudos mais aprofundados sobre esta temática.

 

Palavras Chaves: Liderança; sofrimento psíquico; personalidade; organização do trabalho

 


Palavras-chave


Liderança; personalidade; sofrimento psíquico; organização do trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


Vários aspectos da administração ou do gerenciamento impõem poderosas forças regressivas ao funcionamento psicológico do administrador. Dentre estes se encontram a solidão de seu posto, a perda do feedback espontâneo e descompromissado de seus pares e a incerteza que acompanha a tomada de decisões importantes {...} O líder organizacional situa-se no centro de poder de forças agressivas que interferem em sua capacidade funcionar. Essas forças incluem os próprios anseios agressivos internos, a capacidade de sublimar à própria agressão nas tarefas de liderança, os esforços no sentido de resistir à agressão nele projetada e sua capacidade de tomar decisões sob condições de incerteza (p.67-149).

Kernerberg (2000)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.