Contribuições da psicologia histórico-cultural para o poder de agir do trabalhador

  • Pamella Beserra de Melo Universidade Federal do Ceará- UFC
  • Mariana Aguiar Alcântara de Brito DOUTORANDA EM PSICOLOGIA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC
  • Cássio Adriano Braz de Aquino Universidade Federal do Ceará – UFC
  • Veriana de Fátima Rodrigues Colaço Universidade Federal do Ceará - UFC
Palavras-chave: Psicologia histórico-cultural, clinica da atividade, poder de agir, psicologia social do trabalho, epistemologia.

Resumo

Este artigo pretendeu demarcar as bases epistemológicas histórico-culturais da Clínica da Atividade como uma proposta de Psicologia Social do Trabalho que enseja a ampliação do poder de agir do trabalhador e consequente ampliação de seu potencial de saúde. Para tal, problematizou a categoria atividade; discutiu gênero e estilo da atividade; discorreu sobre o processo de desenvolvimento da atividade criadora e sua fonte na memória e transmissão de conhecimentos já consolidados no contexto cultural vigente, demarcando as implicações sociais e de saúde propostas pela abordagem da Clínica da Atividade. O método utilizado foi uma pesquisa bibliográfica com foco nas elaborações de Vygotski sobre o desenvolvimento da atividade e sua relação com a afetividade e a contribuição de Clot sobre as bases sociais do poder de agir do trabalhador. O artigo apontou ainda para a construção permanente de uma psicologia comprometida com a transformação da realidade e o desenvolvimento da atividade como caminho de saúde.

Biografia do Autor

Pamella Beserra de Melo, Universidade Federal do Ceará- UFC

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará - UFCRua Antonio Augusto, nº 575, Apto. 903 – Meireles, Fortaleza, Ceará, CEP. 60.110-370

Mariana Aguiar Alcântara de Brito, DOUTORANDA EM PSICOLOGIA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ-UFC

UNIVERSIDADE DE FORTALEZA- UNIFOR
CENTRO UNIVERSITÁRIO 7 DE SETEMBRO - UNI7

Cássio Adriano Braz de Aquino, Universidade Federal do Ceará – UFC
Professor da Graduação e do Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará – UFC
Veriana de Fátima Rodrigues Colaço, Universidade Federal do Ceará - UFC
Professora da Graduação e do Programa de Pós Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará – UFC

Referências

Barros, J. P. P. (2012). Contribuições de Vigotski e Bakhtin para o conceito de "social" na psicologia. Pesquisas e práticas psicossociais, 7 (1), 121 – 129.

Barros, J. P. P., Paula, L. R. C., Pascual, J. G., Colaço, V. F. R., & Ximenes, V. M. (2009). O conceito de "sentido" em Vygotsky: considerações epistemológicas e suas implicações para a investigação psicológica. Psicologia e sociedade, 21, 174-181.

Borsoi, I. C. F. (2007). Da relação entre trabalho e saúde a relação entre trabalho e saúde mental. Psicologia e Sociedade, 19 especial, 103-111.

Canguilhem, G. (2002). O normal e o patológico (5 ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Clot, Y. (2006). Vygotski: para além da psicologia cognitiva. Pró-posições, 17, 19-30.

Clot, Y. (2007). A função psicológica do trabalho (2 ed.). Petrópolis: Vozes.

Clot, Y. (2010). Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte. Artefactum.

Clot, Y. (2014). Vygotski: a consciência como relação. Psicologia e sociedade, 26 (especial 2), 24-139.

Farr, M. R. (2013). As raízes da psicologia social moderna (11 ed.). Petropolis: Vozes.

Gleizer, M. A. (2005). Espinosa e a afetividade humana. Rio de Janeiro: Zahar.

Gonzalez Rey, F. L. (2007). O encontro da psicologia social brasileira com a psicologia soviética. Psicologia e Sociedade, 19, 57-61.

Grisci, C.L.I. & Lazzarotto, G.R. (1998). Psicologia social do trabalho. In: JACQUES, M.G.C. et al. Psicologia social contemporânea (3 ed. P 56-73). Petrópolis: Vozes.

Leontiev, A. N. (1978). Atividade, Consciência e Personalidade. (M. S. C. Martins, Trad) In: www.marxists.org/portugues/leontiev/1978/activ_person/index.htm.

Pedrosa, C. H. (2013). O conceito de consciência em Vigotski: uma aproximação pela comparação de duas leituras. Revista semestral da associação brasileira de psicologia escolar e educacional, 17, 233-237.

Sawaia, B. B. (2002). Psicologia social laneana, conhecida fora do país como a escola da São Paulo. Silvia Lane (Vol. 8, pp. 37-81). Rio de Janeiro: Imago.

Sawaia, B. B. (2014). Transformação social: um objeto pertinente a psicologia social. Psicologia e sociedade, 26 (número especial 2), 4-17

Sena & Silva, M. F. (2004). A psicologia social e a psicologia (social) do trabalho Psicologia social: desdobramentos e aplicações (pp. 93-114). São Paulo: Escrituras.

Spinoza. B.(2014). Ética (2ed.). Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

Toassa, G. (2004). Conceito de liberdade em Vigotski. Psicologia, ciência e profissão, 24, 2-11.

Toassa, G. (2006). Conceito de consciência em Vigotski. Psicologia USP, 17(2), 59-83.

Vieira, M. A. (2004). Autoconfrontação e análise da atividade Labirintos do trabalho: interrogações e olhares do trabalho vivo (p. 103-130). Rio de Janeiro: DPA.

Vinha, Márcia Pileggi, & Welcman, Max. (2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia , Lev Semionovich Vigotski. Psicologia USP, 21(4), 681-701. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642010000400003

Vygotski, L. S. (1991). Obras escogidas: problemas téoricos y metodológicos de la psicología (Tomo. I). Madrid: visor.

Vygotski, L. S. (2000). Pensamento e linguagem (2 ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L. S. (2003). La imaginación y la arte en la infancia (6 ed.). Madrid.

Vygotski, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
2018-07-01
Como Citar
de Melo, P. B., de Brito, M. A. A., de Aquino, C. A. B., & Colaço, V. de F. R. (2018). Contribuições da psicologia histórico-cultural para o poder de agir do trabalhador. Revista De Psicologia, 9(2), 96-106. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/19296
Seção
Artigos