Contribuições da psicologia histórico-cultural para o poder de agir do trabalhador

Pamella Beserra de Melo, Mariana Aguiar Alcântara de Brito, Cássio Adriano Braz de Aquino, Veriana de Fátima Rodrigues Colaço

Resumo


Este artigo pretendeu demarcar as bases epistemológicas histórico-culturais da Clínica da Atividade como uma proposta de Psicologia Social do Trabalho que enseja a ampliação do poder de agir do trabalhador e consequente ampliação de seu potencial de saúde. Para tal, problematizou a categoria atividade; discutiu gênero e estilo da atividade; discorreu sobre o processo de desenvolvimento da atividade criadora e sua fonte na memória e transmissão de conhecimentos já consolidados no contexto cultural vigente, demarcando as implicações sociais e de saúde propostas pela abordagem da Clínica da Atividade. O método utilizado foi uma pesquisa bibliográfica com foco nas elaborações de Vygotski sobre o desenvolvimento da atividade e sua relação com a afetividade e a contribuição de Clot sobre as bases sociais do poder de agir do trabalhador. O artigo apontou ainda para a construção permanente de uma psicologia comprometida com a transformação da realidade e o desenvolvimento da atividade como caminho de saúde.


Palavras-chave


Psicologia histórico-cultural; clinica da atividade; poder de agir; psicologia social do trabalho; epistemologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Barros, J. P. P. (2012). Contribuições de Vigotski e Bakhtin para o conceito de "social" na psicologia. Pesquisas e práticas psicossociais, 7 (1), 121 – 129.

Barros, J. P. P., Paula, L. R. C., Pascual, J. G., Colaço, V. F. R., & Ximenes, V. M. (2009). O conceito de "sentido" em Vygotsky: considerações epistemológicas e suas implicações para a investigação psicológica. Psicologia e sociedade, 21, 174-181.

Borsoi, I. C. F. (2007). Da relação entre trabalho e saúde a relação entre trabalho e saúde mental. Psicologia e Sociedade, 19 especial, 103-111.

Canguilhem, G. (2002). O normal e o patológico (5 ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Clot, Y. (2006). Vygotski: para além da psicologia cognitiva. Pró-posições, 17, 19-30.

Clot, Y. (2007). A função psicológica do trabalho (2 ed.). Petrópolis: Vozes.

Clot, Y. (2010). Trabalho e poder de agir. Belo Horizonte. Artefactum.

Clot, Y. (2014). Vygotski: a consciência como relação. Psicologia e sociedade, 26 (especial 2), 24-139.

Farr, M. R. (2013). As raízes da psicologia social moderna (11 ed.). Petropolis: Vozes.

Gleizer, M. A. (2005). Espinosa e a afetividade humana. Rio de Janeiro: Zahar.

Gonzalez Rey, F. L. (2007). O encontro da psicologia social brasileira com a psicologia soviética. Psicologia e Sociedade, 19, 57-61.

Grisci, C.L.I. & Lazzarotto, G.R. (1998). Psicologia social do trabalho. In: JACQUES, M.G.C. et al. Psicologia social contemporânea (3 ed. P 56-73). Petrópolis: Vozes.

Leontiev, A. N. (1978). Atividade, Consciência e Personalidade. (M. S. C. Martins, Trad) In: www.marxists.org/portugues/leontiev/1978/activ_person/index.htm.

Pedrosa, C. H. (2013). O conceito de consciência em Vigotski: uma aproximação pela comparação de duas leituras. Revista semestral da associação brasileira de psicologia escolar e educacional, 17, 233-237.

Sawaia, B. B. (2002). Psicologia social laneana, conhecida fora do país como a escola da São Paulo. Silvia Lane (Vol. 8, pp. 37-81). Rio de Janeiro: Imago.

Sawaia, B. B. (2014). Transformação social: um objeto pertinente a psicologia social. Psicologia e sociedade, 26 (número especial 2), 4-17

Sena & Silva, M. F. (2004). A psicologia social e a psicologia (social) do trabalho Psicologia social: desdobramentos e aplicações (pp. 93-114). São Paulo: Escrituras.

Spinoza. B.(2014). Ética (2ed.). Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

Toassa, G. (2004). Conceito de liberdade em Vigotski. Psicologia, ciência e profissão, 24, 2-11.

Toassa, G. (2006). Conceito de consciência em Vigotski. Psicologia USP, 17(2), 59-83.

Vieira, M. A. (2004). Autoconfrontação e análise da atividade Labirintos do trabalho: interrogações e olhares do trabalho vivo (p. 103-130). Rio de Janeiro: DPA.

Vinha, Márcia Pileggi, & Welcman, Max. (2010). Quarta aula: a questão do meio na pedologia , Lev Semionovich Vigotski. Psicologia USP, 21(4), 681-701. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-65642010000400003

Vygotski, L. S. (1991). Obras escogidas: problemas téoricos y metodológicos de la psicología (Tomo. I). Madrid: visor.

Vygotski, L. S. (2000). Pensamento e linguagem (2 ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotski, L. S. (2003). La imaginación y la arte en la infancia (6 ed.). Madrid.

Vygotski, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.