“ELES NASCEM PARA MORRER”: UMA ANÁLISE PSICOSSOCIAL DA PROBLEMÁTICA DOS HOMICÍDIOS DE JOVENS EM FORTALEZA

João Paulo Pereira Barros, Luis Fernando de Souza Benicio

Resumo


Dados relativos à questão da violência urbana envolvendo jovens permitem considerar a escala de homicídios desse segmento um dos principais dispositivos de controle social de populações e territórios pauperizados e estigmatizados, tornando-se um dos principais desafios ético-político no cenário brasileiro. A cidade de Fortaleza dispõe de indicadores preocupantes no que concerne ao número de homicídios envolvendo segmentos juvenis, apresentando maior índice de homicídios na adolescência (IHA) entre as capitais brasileiras. Diante disso, este estudo objetiva problematizar o fenômeno dos homicídios de jovens na cidade de Fortaleza sob o ponto de vista psicossocial, tomando-o como um analisador das implicações das relações de poder e dos modos de subjetivação contemporâneos no cotidiano das margens urbanas brasileiras. A problematização se desenvolverá em diálogos da Psicologia Social com autores como Foucault, Deleuze, Guattari e Agamben. São postos em análise processos de sujeição de juventudes pobres no Brasil pela sua associação com o risco e a violência, bem como os processos psicossociais produtores de jovens “indignos de vida” a quem se atribui a pecha de “envolvidos”.


Palavras-chave


Homicídios; juventudes; análise psicossocial.

Texto completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (2009). Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua 1. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Barros, J. P. P., Acioly, L. F., & Ribeiro, J. A. D. (2016). Re-tratos da juventude na cidade de Fortaleza: direitos humanos e intervenções micropolíticas. Revista de psicologia, 7(1), 84-93.

Batista, V.M. (2003). Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Renavan.

Batista, V.M. (2015). Estado de Polícia. In: B. Kucinski. (Org.). A violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015.

Bicalho, P. P., Barbosa, R. B., MEZA, A. P. S. (2015). In A. Scisleski, N. Guareschi. (Org.). Juventudes, marginalidade social e direitos humanos: da psicologia às políticas públicas. Porto Alegre: EdiPUCRS.

Brasil. (2014). Levantamento Nacional de informações penitenciárias. Brasília: Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional.

Coimbra, C. (2001). Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de janeiro: intertexto.

Coimbra, C., & Nascimento, M. L. (2003). A produção de crianças e jovens perigosos: a quem interessa. Rio de Janeiro: DP & A, 58-63.

Fortaleza (2016). Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza. (2016). Homicídios de crianças e adolescentes de 10 a 19 anos em Fortaleza: análise epidemiológica e espacial 2000-2016. Fortaleza: Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. 2015.

Foucault, M. (1987). Vigiar e Punir. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes. 1987.

Foucault, M. (1988). A história da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2006). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU.

Foucault, M. (2008). A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Fraga, P.C.P. (2004). Política, isolamento e solidão: práticas sociais na produção da violência contra jovens. In: SALES, M. A.; MATOS, M.C; LEAL, M. C. Política social, família e juventude: uma questão de direitos. Rio de Janeiro: Cortez Editora.

Freixo, M. (2015). Polícia e direitos humanos. In B. Kucinski. (Org.). A violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo.

Guattari, F. (1996) Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 1996.

Lemos, F. C. S., Bicalho, P. P. G., Alvarez, M. C.; Brício, V. N. Governamentalidades neoliberais e dispositivos de segurança. (2015). Revista Psicologia & Sociedade, 27 (2).

Lemos, F.C.S., Scheinvar, E., & Nascimento, M.L. (2012). Uma análise do acontecimento “crianças e jovens em risco”. Psicologia & Sociedade, 24(n.spe), 25-30.

Melo, D. L. B; Cano, I. (2014) Índice de Homicídio na Adolescência: IHA 2012. Rio de Janeiro: Observatório de Favela.

Misse, M. (2010). Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, 79(1), 15-38.

Paiva, L.F. Mortes na periferia: considerações sobre a chacina de 12 de novembro em Fortaleza. Revista o público e o privado, 26(1).

Reis, C., & Guareschi, N. (2015). Juventudes indesejáveis: a produção da morte como estratégia de segurança pública. In A. Scisleski, N. Guareschi. (Org.). Juventudes, marginalidade social e direitos humanos: da psicologia às políticas públicas. Porto Alegre: EdiPUCRS.

Reishoffer, J. C., Bicalho, P. P. G. (2009). Insegurança e Produção de Subjetividade no Brasil Contemporâneo. Fractal Revista de Psicologia, 21 (2), 425-444.

Roseno, R. (2017). Cada vida importa: relatório final do comitê pela prevenção de homicídios na adolescência. Governo do Estado do Ceará. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2017.

Scisleski, A. C. C., Silva, J. L. C., Galeano, G. B., Bruno, B. S., & Santos, S. N. (2016). Racismo de Estado e tanatopolítica: reflexões sobre os jovens e a lei. Fractal: Revista de Psicologia, 28 (1), 84-93.

Souza, T. P. (2014). O nascimento da biopolítica das drogas e a arte neoliberal de governar. Fractal: Revista de Psicologia, 26(3), 979-998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.