As vicissitudes das imagens no reconhecimento das metamorfoses: tessituras críticas

Fernando Luís Maia da Cunha, Jose Alves Souza Filho, Stephanie Caroline Ferreira de Lima

Resumo


No presente ensaio, tecemos considerações sobre as vicissitudes que envolvem os usos das imagens na contemporaneidade e suas relações com a construção da identidade humana, compreendida como em constante metamorfose. Nosso objetivo é discutir as peculiaridades performáticas da exposição da intimidade pelas condições providas pelas tecnologias virtuais atuais. Trata-se de um empreendimento de discussão teórica com intelectuais contemporâneos dos campos de saber da Psicologia Social Crítica, Comunicação Social e Sociologia. A princípio, situamos o papel das tecnologias contemporâneas e o fenômeno atual de exposição da intimidade. Em seguida, tratamos dos efeitos performáticos na publicização da vida pelos circuitos imagéticos. Chegamos à discussão sobre os jogos de interesses envolvidos na construção de perspectivas de visibilidade e reconhecimento da identidade, privilegiando as condições para suas metamorfoses. Por fim, trouxemos discussões sobre viabilidade crítica de uso de imagem em investigações sobre identidade quando analisamos auto-retratos.

Palavras-chave


imagem, reconhecimento, identidade, psicologia social crítica

Texto completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (2008). Infância e História - Destruição da Experiência da História - Col. Humanitas. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Almeida, J. A. M. (2005). Sobre Anamorfose: identidade e emancipação na velhice. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Almeida, F. (2016). Autoexposição e imagens: uma análise do fenômeno selfie na sociedade de consumo. Dissertação de Mestrado.Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Ceará.

Almeida, F., Severiano, M. F. V. (2017). Selfie e teoria crítica: considerações acerca do trabalho com imagens em psicologia.Revista de Psicologia. Fortaleza, 8 (1).

Aumont, J. (1993). A Imagem. Campinas: Papirus.

Aumont, J. (2006). O Cinema e a Encenação. Lisboa: Edições Texto & Grafia Ltda.

Baxandall, M. (1991). O olhar renascente. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Bellour, R. (1997). Entre-imagens. Campinas: Papirus.

Benjamin, W. (1987). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (2012). A imagem de Proust. In: Benjamin, W. Obras escolhidas I: Magia e técnica – Arte e política. São Paulo: Brasiliense.

Bruno, F. (2013). Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina.

Carneiro, J. S. (2016). Fotografia e memória autobiográfica no facebook: narrativas de

si mediadas pela imagem. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Ceará,

Fortaleza, Brasil.

Carneiro, J. S.; Germano, I. M.P. (2017). Memória e sites de redes sociais:Midiatização da imagem em recordações E narrativas autobiográficas.Revista de Psicologia, Fortaleza, 8 (1).

Ciampa. A. C. (2002).Políticas de Identidade e Identidades Políticas. In, Dunker, C. I. L.; Passos, M. C. (orgs). Uma Psicologia que se interroga: ensaios. São Paulo: Edicon.

Didi-Huberman, G.(2013). A Imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo AbyWarburg. Rio de Janeiro: Contraponto.

Chauí, M. (1980). Cultura e democracia. São Paulo: Moderna.

Flusser, V. (1998). Do Espelho. In: Ficções Filosóficas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017, pp. 67-71.

FLUSSER, V. (2011). Filosofia da caixa preta: ensaios para uma filosofia da fotografia. São Paulo: Annablume, 2011.

Gombrich, E. H. (1993) La imagem y elojo. Madrid: Alianza Editorial.

Gonçalves Neto, J. U. ; Lima, A. F. (2010). Reconhecimento social, identidade e linguagem: primeiros fragmentos de uma pesquisa sobre perspectivas teóricas atuais no contexto da Psicologia Social. Revista Psicologia e Saúde, 2 (1).

Habermas, J. (2001). Teoria de laacción comunicativa: complementos y estúdios previos. Madrid, Catedra.

Habermas, J. (2014). Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. São Paulo: Editora Unesp.

Habermas, J. (2015). A nova obscuridade. São Paulo: Editora Unesp.

Lévy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Lima. A. F. (2010). Metamorfose, Anamorfose e Reconhecimento Perverso: a identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica. São Paulo: FAPESP, EDUC.

Lima, A. F.(2012). Psicologia Social Crítica: Paralaxes do Contemporâneo. Porto Alegre: Sulina.

Lima, A. F.(2014). História oral e narrativas de história de vida: a vida dos outros como material de pesquisa. In: Lima, A. F. ; Lara Junior, N. (orgs.). Metodologias de Pesquisa em Psicologia Social Crítica. Porto Alegre: Sulina.

Lima, A. F.; Ciampa, A. C. ; Almeida, J. A. M.(2009). Psicologia Social como Psicologia Política? Uma discussão acerca da relação entre teoria, prática e práxis.Revista Psicologia Política (Impresso), 9(18).

Mekas, J. (1972). Movie Journal: The Rise of a New American Cinema, 1959-1971. New York: Collier Books.

Neves, E. (2016).O Auto-Retrato: Fotografia e subjectivação. Lisboa: Palimpsesto, Editora.

Rancière, J. (2010). O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes.

Severiano, M. F. V. (2001). Narcisismo e Publicidade: uma análise psicossocial dos

ideais do consumo na contemporaneidade. São Paulo: Annablume.

Sibilia, P. (2006). A desmaterialização do corpo: da alma (analógica) à informação (digital). Comunicação, Mídia e Consumo, 3(6).

Sibilia, P. (2008). O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Sibilia, P. (2009). En busca del aura perdida: Espectacularizarlaintimidad para ser alguien.Psicoperspectivas: Individuo y Sociedad, 8(2).

Sibilia, P. (2012). A construção de si como um personagem real: autenticidade intimista e declínio da ficção na cultura contemporânea.Eco (UFRJ), 15(3).

Sibilia, P. (2015). O universo doméstico na era da extimidade: Nas artes, nas mídias e na internet.Revista Eco-Pós (Online), 18(1).

Silva Junior, N. (1999). O abismo da fonte do olhar.Percurso, 7 (23).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.