Laboratório Gestáltico e Laboratório PesquisarCOM: práticas no rastro de uma psicologia no feminino

Eleonora Torres Prestrelo, Laura Cristina de Toledo Quadros, Márcia Oliveira Moraes

Resumo


O artigo tem como proposta discutir as práticas desenvolvidas no Laboratório gestáltico (Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ) e no Laboratório PesquisarCOM (Universidade Federal Fluminense - UFF) a partir do que elas têm em comum e também de singular. Esses laboratórios compõem a formação acadêmica na psicologia através de uma certa ruptura com o saber hegemônico. Para conduzir essa discussão, nos reportaremos às práticas aqui entendidas não como subordinadas a uma teoria, mas sim no sentido proposto por Stengers, que enfatiza as relações e negociações realizadas no processo de fazer ciência. É também em Stengers que encontramos ressonâncias fundamentais para pensarmos uma direção: outra perspectiva para a noção de objetividade, a importância da escrita e da narrativa nos artigos e relatos de pesquisa e ainda a importância de acompanhar os modos de construção, os agenciamentos e negociações que emergem tanto do campo de pesquisa quanto das ações que realizamos no âmbito da formação acadêmica. Tais possibilidades nos permitem fazer com o outro e não sobre o outro, trazendo reflexões que nos deslocam de um pensamento mais tradicional para um espaço mais sensível, ampliando o campo do nosso fazer e produzindo novos efeitos na formação e práticas acadêmicas.


Palavras-chave


Palavras-chave: Laboratório Gestáltico; PesquisarCOM; prática de pesquisa; ciência no feminino.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Anzaldua, G. (2000). Falando em línguas: uma carta para mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos Feministas, 8(1), 229-235. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106

Arendt, R., & Moraes, M. (jan./jun. 2016). O projeto ético de Donna Haraway: alguns efeitos para a pesquisa em psicologia social. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(1), 11-24. Recuperado de: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/article/view/1526/1116

Bondía, J. L. (2002) Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n.19, p.20-28 Jan/Abr. Recuperado em 15 de outubro, 2011 de http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/275/27501903.pdf

Couto, M. (2011). E se Obama fosse africano?: e outras intervenções. São Paulo: Companhia das Letras.

Conti, J. (2015). Margens entre pesquisar e acompanhar: O que fazemos existir com as histórias que contamos? (Dissertação de Mestrado em Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói). Recuperado de http://www.slab.uff.br/images/Aqruivos/dissertacoes/2015/2015_d_Josselem.pdf

Conti, J., & Silveira, M. (jan./jun. 2016). Ciência no feminino: do que é feita a nossa escrita? Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(1), 53-68. Recuperado de http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/article/view/1529/1119

Cukierman, H. (2012). O tapete de Eudóxia: A história das ciências e a narrativa das multiplicidades. Revista Tempo Brasileiro, 189/190, 155-172.

Despret, V. (2012). Comme Faire-science: Les animaux ont-ils le sens du prestige ? In Que diraient les animaux, si... on leur posait les bonnes questions? (pp.56-67 )Paris: Découverte.

iDespret, V., & Stengers, I. (2011). Les faiseuses d’histoires: que lês femmes font à la pensée. Paris: La Découverte / Les Empêcheurs de Penser en Rond.

Fernandes, R. G. (2006), E Agora? In Perplexidade na universidade: vivências nos cursos de saúde, VASCONCELOS, E. , FROTA, L. H., e SIMON, E. (Org), São Paulo: Hucitec , 215-216.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, (5), 07-41. Recuperado de: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773

Law, J., & Mol, A. (2008). The Actor-Enacted: Cumbrian Sheep in 2001 [El actor-actuado: La oveja de la Cumbria en 2001]. Revista Política y Sociedad, 45(3), 75-92. Recuperado de http://revistas.ucm.es/index.php/POSO/article/view/POSO0808330075A/21968

Mendonça, M.M. (2007), Ajustamento Criativo in D’Acri, G. Lima, P.A. & Orgler,S., Dicionário de Gestalt-terapia –Gestaltês, S. Paulo, Summus 20-22

Mol, A. (2002). The body multiple: ontology in medical practice. Durham, NC: Duke University Press.

Mol, A. (2008). The logic of care. London: Routledge.

Moraes, M.; & Tsallis, A. C. (2016). Contar histórias, povoar o mundo: a escrita acadêmica e o feminino na ciência. Revista Polis e Psique, 6(1), 39-50. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/61380

Moraes, M. (maio/ago. 2004) A ciência como rede de atores: ressonâncias filosóficas. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 11(2), 321-333. doi: 10.1590/S0104-59702004000200006

Moraes, M. (2010). PesquisarCOM, política ontológica e deficiência visual. In: M. Moraes & V. Kastrup (Orgs.), O exercício de ver e não ver (pp. 26-51). Rio de Janeiro: Nau.

Perls, F. S. (1981). A Abordagem gestáltica e a testemunha ocular da terapia. Rio de Janeiro: J. Zahar.

Prestrelo, E., Quadros, L. C. de T., & Moraes, M. (2016). Laboratório Gestáltico e Laboratório pesquisarCOM: práticas de uma psicologia no feminino. Anais do XII Encontro Clio-Psyché: Saberes psi: outros sujeitos, outras histórias (pp. 78-79). Rio de Janeiro: UERJ/Instituto de Psicologia.

Puig de la Bellacasa, M. (2012). Nothing comes without its world: thinking with care. The Sociological Review, 60(2), 197-216.

Quadros, L.C.T.; Moraes, M.(2016) O PesquisarCOM e o feminino na ciência : Polifonia de uma experiência no ESOCITE in Pesquisas e Práticas Psicossociais 11 (1), São João del Rei, Janeiro a junho de 2016.p.4-7

Quadros, L. C. T. (2015). Uma trama tecida com muitos fios: O pesquisar como processo artesanal na Teoria ator-rede. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(4), 1181-200. Recuperado de http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/20253/14596

Quadros, L. C. T., Moraes, M., Queiroz e Melo, M. F. A., Machado, M. N. M., & Miranda, S. F. (Eds.). (2016). v. 11, n. 1 (2016) [Edição especial]. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, 11(1). Recuperado de http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/revista_ppp/issue/view/v11n1

Quadros, L. C. T., & Prestrelo, E. T. (2015). Laboratório Gestático: A vida vivida como experimento-ação, experiências em psicologia e políticas públicas. CRP 05, Caderno anual, (7), 87-98.

Remen, R. N. (1998). Histórias que curam: Conversas sábias ao pé do fogão. São Paulo: Ágora.

Stengers, I. (1989). A ciência no feminino. Revista 34 Letras, (5/6), 427-431.

Stengers, I. (2006). La vierge et le neutrino : les scientifiques dans la tourmente. Paris : Les Empêcheurs de penser en rond.

Welte,P. Melo, R.C. D.; Guerreiro,C. & Vianna, K. O.(2014), Compondo uma narrativa- presentificando uma experiência de formação. In E. T. Prestrelo & L. C. T. Quadros (Orgs.), O tempo e a escuta da vida: configurações gestálticas e práticas contemporâneas (pp 173-183). Rio de Janeiro: Quartet.

Xisto, Vanessa de A. (2006), E Agora? In Perplexidade na universidade: vivências nos cursos de saúde, VASCONCELOS, E. , FROTA, L. H., e SIMON, E. (Org), São Paulo: Hucitec , 225-227


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.