Estudo do Engajamento com a Carreira em universitários no processo de transição universidade-trabalho

Marina Cunha Assumpção, Marina Cardoso de Oliveira

Resumo


Este estudo teve como objetivo verificar os níveis de Engajamento com a Carreira de universitários concluintes, e comparar os resultados em relação as áreas de formação, sexo e grau de envolvimento em atividades extracurriculares. Participaram 387 estudantes universitários de vários cursos e regiões do país. Utilizou-se a versão brasileira da Escala de Engajamento com a Carreira e um questionário sociodemográfico. A coleta de dados se deu pessoalmente e via eletrônica por conveniência. Nas análises descritivas e comparação entre grupos (ANOVA) observou-se um engajamento com a carreira médio, tendendo a bom nos estudantes universitários, sendo aqueles que declararam ter um alto envolvimento em atividades extracurriculares mostraram-se mais engajados com a carreira do que aqueles com envolvimento ruim ou médio.  Quanto as outras variáveis não foram observadas diferenças significativas entre os grupos. Os resultados podem ser úteis para intervenções que propiciem maior engajamento com a carreira dos universitários no período de transição para o trabalho. 


Palavras-chave


Engajamento com a carreira; transição universidade-trabalho; estudantes universitários.

Texto completo:

PDF

Referências


Audibert, A., & Teixeira, M. A. P. (2015). Escala de Adaptabilidade de Carreira: Evidências de Validade em Universitários Brasileiros. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 16(1), 83-93.

Bardagi, M. P. & Boff, R. M. (2010). Autoconceito, auto-eficácia profissional e comportamento exploratório em universitários concluintes. Avaliação, Campinas Sorocaba, SP, 15(1), 41-56.

Bardagi, M. P. & Hutz, C.S. (2010). Satisfação de vida, comprometimento com a carreira e exploração vocacional em estudantes universitários. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 62(1), 159-170.

Barros, A. S. X. (2015). Expansão da Educação Superior no Brasil: limites e possibilidades. Educação Social, 36(131), 361-390.

Cesário, F. S. & Feijão, A. M. P. (2014). Impacto das Percepções de Empregabilidade num Contexto de Insegurança de Emprego. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, 14(1), 89-103.

Chudzikowski, K. (2012). Career transitions and career success in the "new" carrer era. Journal of Vocational Behavior, 81(2),298-306.

De Vos, A., Clippeleer, I., & Dewilde, T. (2009). Proactive career behaviors and career success during early career. The British Psychological Society, 82(1), 761-777.

Fior, C. A., Mercuri, E. & Silva, D. (2013). Evidências de validade da Escala de Envolvimento Acadêmico para universitários. Avaliação Psicológica, 12(1), 81-89.

Fleming, S. C. R. (2015) Envolvimento acadêmico e autoeficácia na transição para o trabalho: um estudo com universitários concluintes. Dissertação apresentada ao Programa de PósGraduação de Psicologia da Universidade Federal da Bahia-Salvador.

Hirata, S. H. (2010). Novas Configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Revista tecnologia e sociedade, 6(11), 1-7.

Hirata, H. & Kergoat, D. (2007). Novas Configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 595-609.

Hirschi, A., Freund, P. A. & Herrmann, A. (2014). The Career Engagement Scale: Development and Validation of a Measure of Proactive Career Behaviors. Journal of Career Assessment, 22(4) 575-594.

Hirschi, A.; Herrmann, A., & Keller, A.C. (2015). Career adaptivity, adaptability, and adapting: A conceptual and empirical investigation. Journal of Vocational Behavior, 87(1), 1-10.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INEP [on line]. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse.

Kuh, G. D., Cruce, T. M., Shoup, R., Kinzie, J., & Gonyea, R. M. (2008). Unmasking the effects of student engagement on college grades and persistence. Journal of Higher Education, 79(1), 540-563.

Ng, T. W. H. & Feldman, D. C (2007). The school-to-work transition: a role identity perspective. Journal of Vocational Behavior, 71(1), 114-134.

Marques, B. C. (2017). Adaptação Cultural e Evidências de Validade da Escala de Engajamento com a Carreira. Monografia – Universidade Federal do Triângulo Mineiro. No prelo.

Nilforooshan, P. & Salimi, S. (2016). Career adaptability as a mediator between personality and career engagement. Journal of Vocational Behavior, 94(1) 1–10.

Oliveira, M. C. (2014). Sucesso na carreira depois da graduação: estudo longitudinal prospectivo da transição universidade-trabalho. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado em 19 de fevereiro de 2017, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-13112014-101423/.

Oliveira, M. C., Melo-Silva, L. L. e Dela Coleta, M F. (2012). Pressupostos teóricos de Super: Datados ou aplicáveis à Psicologia Vocacional contemporânea. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 2(1), 223-234.

Oliveira, R. E. C. & Morais, A. (2015). Vivências acadêmicas e adaptação de estudantes de uma universidade pública federal do Estado do Paraná. Revista de Educação Pública Cuiabá, 24(5)7, 547-568.

Oliveira, I. M. & Taveira, M. C. (2016). Desenvolvimento de Carreira e Processos Acadêmicos: Uma Articulação Possível e Necessária. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 17(1), 13-18.

Paulino, A. R. S., & Gonçalves, M. C. (2015). O significado da incerteza na (re) construção das narrativas vocacionais. Revista AMAzônica, 16(2), 132-149.

Postigo, F. L. J., & Oliveira (2015). A experiência da transição universidade-trabalho: relatos de recémformados brasileiros. Revista AMAzônica, 16(2), 289-310.

Rudolph, C. W., Lavigne, K. N. & Hannes, Z. (2017). Career adaptability: A meta-analysis of relationships with measures of adaptivity, adapting responses, and adaptation results. Journal of Vocational Behavior, 98(1), 17–34.

Santos, A. A. A., Polydoro, S. A. J., Scortegagna , S. A. & Linden, M. S. S. (2013). Integração ao Ensino Superior e Satisfação Acadêmica em Universitários. Psicologia: ciência e profissão, 33(4), 780-793.

Schaufeli, W. B., Salanova, M., González-Romá, V., & Bakker, A. B. (2002). The measurement of engage-ment and Burnout: A two simple confirmatory factor analytic approach. Journal of Happiness Studies, 30(1), 71-92.

Super, D. E., Savickas, M. L., & Super, C. M. (1996). The Life-span, Life-space approach to careers. In D. Brown & L. Brooks (Eds.), Career Choice and Development (3rd ed., pp. 121-178). San Francisco: Jossey-Bass.

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa clínicoqualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Upadyaya, K. & Salmela-Aro, K. (2015). Development of early vocational behavior: Parallel associations between career engagement and satisfaction. Journal of Vocational Behavior, 90(1), 66–74.

Wendlandt, N. M. & Rochlen, A. B. (2008). Adressing the college-to-work transition. Journal of Career Development, 35(2), 151-165.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.