O caso Ação Rua: intervenções com crianças, adolescentes e suas famílias

Lirene Finkler, Débora Dalbosco Dell'Áglio

Resumo


Intervenção para o enfrentamento à situação de rua de crianças e adolescentes é discutida a partir de estudo de avaliação do Serviço Ação Rua. Utiliza-se delineamento qualitativo de Estudo de Caso Único com Unidades de Análise Incorporadas, envolvendo inserção ecológica, análise documental e grupos focais com Adolescentes, Famílias, Trabalhadores Sociais e Gestores vinculados ao Serviço. O estudo se refere aos seus três primeiros anos (2007-2009), entre implantação e execução. Os resultados, com base na Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano, indicam que o Serviço se constituiu em microssistema direto, ampliou o número e a qualidade dos microssistemas do público atendido. A regularidade e a reciprocidade afetiva destacaram-se nos processos proximais estabelecidos, percebidos como apoio social formal e informal. A presença constante nos espaços de vida do público atendido cria estabilidade presencial que se contrapõe à imprevisibilidade da rua, e ultrapassa os limites tradicionalmente esperados para a abordagem social de rua. Destaca-se a importância da pessoa do trabalhador social para o desenvolvimento da intervenção. As lições aprendidas do Caso Ação Rua são relevantes para refletir sobre intervenções dirigidas à abordagem social de rua e programas de apoio sociofamiliar em diferentes contextos. Limitações e propostas de estudos futuros são apresentadas.


Palavras-chave


Intervenção; situação de rua; crianças e adolescentes; abordagem social; políticas públicas

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, F. G., & Carvalho, I. M. M. de (1995). O Projeto Axé: relato de uma experiência. Caderno CRH, 23, 76-97.

Aptekar, L. (1996). Crianças de rua nos países em desenvolvimento: uma revisão de suas condições. Psicologia: Reflexão e Crítica, 9, 153-184.

Bronfenbrenner, U. (2005). Making human beings human: bioecological perspectives on human development. Thousand Oaks: Sage Publications.

Bronfenbrenner, U., & Morris, P. (1998). The ecology of developmental processes. In R. M. Lerner & W. Damon (Eds.), Handbook of child psychology (pp. 993-1027). New York: John Wiley & Sons.

Calitz, T., Roux, A., & Strydom, H. (2014). Factors that affect social workers' job satisfaction, stress and burnout. Social Work , 50(2), 153-169. https://dx.doi.org/10.15270/50-2-393

Carey, M. A. (1994). The group effect in focus group: planning, implementing and interpreting focus group research. In M. Morse (Ed.), Critical issues in qualitative research methods (pp. 224-241). Thousand Oaks: Sage.

Cohen, E., & Franco, R. (1999). Avaliação de projetos sociais. Petrópolis: Vozes.

De Antoni, C., Barone, L. R., & Koller, S. H. (2007). Indicadores de risco e de proteção em famílias fisicamente abusivas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(2), 125-132.

De Antoni, C., Martins, C., Ferronato, M. A., Simões, A., Maurente, V., Costa, F., & Koller, S. H. (2001). Grupo focal: método qualitativo de pesquisa com adolescentes em situação de risco. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 53(2), 38-53.

Estatuto da Criança e do Adolescente. (1990). Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Brasília, DF: Ministério da Justiça.

Feffermann, M. (2006). Vidas arriscadas: o cotidiano dos jovens trabalhadores do tráfico. Petrópolis: Vozes.

Ferreira, V. V. de F., Littig, P. M. C. B., & Vescovi, R. G. L. (2014). Crianças e adolescentes abrigados: perspectiva de futuro após situação de rua. Psicologia & Sociedade, 26(1), 165-174. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000100018

Finkler, L., Granzotto, A. P., Obst, J. E., & Dell’Aglio, D. D. (2008). Família e comunidade: repensando intervenções com crianças e adolescentes em situação de rua. In N. E. L. S. Valencio & A. A. Cordeiro (Eds.), Anais do Seminário Nacional População em Situação de Rua (pp. 51-60), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP. Disponível em http://www.senaposirua.ufscar.br/anais

Freire, P. (1987). Educadores de rua: uma abordagem crítica (2ª ed.). São Paulo: Projeto: Alternativas de Atendimento aos Meninos de Rua.

Gracia Fuster, E. (1998). El apoyo social em la intervención comunitária. Barcelona: Paidós.

Graciani, M. S. S. (2009). Pedagogia social de rua. Análise e sistematização de uma experiência vivida (6ª ed.). São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire.

Granpal/UFRGS (2004). Perfis e mundo das crianças e adolescentes em situação de rua da Grande Porto Alegre. Relatório de pesquisa não publicado, GRANPAL – Associação dos Municípios da grande Porto Alegre, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UFRGS, Porto Alegre, Brasil.

Juliano, M. C. C., & Yunes, M. A. M. (2014). Reflexões sobre rede de apoio social como mecanismo de proteção e promoção de resiliência. Ambiente & Sociedade, 17(3), 135-154. Disponível em https://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2014000300009

Lemos, M. P. (2005). Relatório de sistematização de conceitos. Programa Municipal de Atenção Integral a Crianças e Adolescentes em Situação de Rua - PAICA-Rua, Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Porto Alegre: Secretaria do Governo Municipal.

López-Cabanas, M., & Chacón, F. (2003). Apoyo Social, redes sociales y grupos de autoayuda. In M. López-Cabanas & F. Chacón, Intervención psicossocial y servicios sociales (pp. 189-214). Madrid: Síntesis Psicología.

Lusk, M. W. (1992). Street children of Rio de Janeiro. International Social Work, 35, 293-305.

Lima, R. F. F., & Morais, N. A. (2016). Caracterização qualitativa do bem-estar subjetivo de crianças e adolescentes em situação de rua. Temas em Psicologia, 24(1), 01–15. Disponível em https://doi.org/10.9788/TP2016.1-01

Macerata, I. M., & Passos, E. (2015). Intervenção com jovens em situação de rua: problematizando cuidado e controle. Psicologia & Sociedade, 27(3), 537-547. Disponível em https://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v27n3p537

Macerata, I. M. (2010). “... como bruxos maneando ferozes”: relações de cuidado e de controle no fio da navalha. Experiência “psi” em dispositivo da política de assistência social para crianças e adolescentes em situação de rua. Unpublished master’s thesis, Mestrado em Psicologia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, Brasil.

Magni, C. T., Schuch, P., Gehlen, I., & Dickel, I. K. (2008). Crianças e adolescentes em situação de rua em Porto Alegre. In I. Gehlen, M. B. Silva, & S. R. Santos (Eds.), Diversidade e proteção social: estudos quanti-qualitativos das populações de Porto Alegre (pp. 71-92). Porto Alegre: Century.

Marchi, R. C. (2007). Os sentidos (paradoxais) da infância nas ciências sociais: um estudo de sociologia da infância crítica sobre a “não-criança” no Brasil. Unpublished doctoral dissertation, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (2005). Norma Operacional Básica do Sistema Único da Assistência Social - NOB SUAS. Brasília: MDS.

Morais, N. A., Neiva-Silva, L., & Koller, S. H. (Eds.), (2010). Endereço desconhecido: crianças e adolescentes em situação de rua. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Oliveira, W. F. (2004). Educação social de rua: as bases políticas e pedagógicas para uma educação popular. Porto Alegre: Artmed.

Organização das Nações Unidas – ONU (1989). Convenção sobre os direitos da criança. Retrieved in 09/10/2006 from http://www.unicef.org/brazil/dir_cri.htm.

Prati, L. E., Couto, M. C. P. de P., Moura, A., Poletto, M., & Koller, S. H. (2008). Revisando a inserção ecológica: uma proposta de sistematização. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(1), 160-169.

Prefeitura Municipal de Porto Alegre - PMPA (2006). Projeto Ação Rua. Porto Alegre: FASC. Retrieved in 16/06/07 from http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/fasc/usu_doc/acaoruaversaofinal2006_1.pdf.

Rizzini, I., & Buttler, U. M. (2003). Crianças e adolescentes que vivem e trabalham nas ruas: revistando a literatura. In I. Rizzini (Ed.), Vida nas ruas. Crianças e adolescentes nas ruas: trajetórias inevitáveis? (pp. 17-44). Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, São Paulo: Loyola.

Santana, J. (2007). Cotidiano, expressões culturais e trajetórias de vida: Uma investigação participativa com crianças em situação de rua. Unpublished doctoral dissertation, Área de Especialização em Sociologia da Infância, Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Santana, J. P., Doninelli, T. M., Frosi, R. V., & Koller, S. H. (2004). Instituições de atendimento a crianças e adolescentes em situação de rua. Psicologia & Sociedade, 16(2), 59-70.

Santana, J. P., Doninelli, T. M., Frosi, R. V., & Koller, S. H. (2005a). Os adolescentes em situação de rua e as instituições de atendimento: utilizações e reconhecimento de objetivos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(1), 134-142.

Santana, J. P., Doninelli, T. M., Frosi, R. V., & Koller, S. H. (2005b). É fácil tirar a criança da rua, o difícil é tirar a rua da criança. Psicologia em Estudo (Maringá), 10(2), 165-174.

Souza, M. G., Reis, M. L. A., Corrêa, N. M. B., & Giugliani, S. (2010). In N. A. Morais, L. Neiva-Silva, & S. H. Koller (Eds.), Endereço desconhecido: crianças e adolescentes em situação de rua (pp. 465-498). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Trevisan, A. P., & Bellen, H. M. (2008). Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Revista de Administração Pública, 42(3), 529-550.

Tudge, J. R. H. (2008). A teoria de Urie Bronfenbrenner: uma teoria contextualista? In L. V. C. Moreira, & A. M. A. Carvalho (Ed.), Família e educação: olhares da psicologia (pp. 209-231). São Paulo: Paulinas.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.