JÁ É QUADRINHO DO MORRO: JUVENTUDES E COMPLEXIDADES PERIFÉRICAS

Andréa Maris Campos Guerra, Mariana da Costa Aranha, Mariana Furtado Vidigal

Resumo


O artigo propõe uma reflexão sobre estratégia metodológica de intervenção orientada
pela psicanálise e voltada à população jovem, negra, masculina e de periferia. Visa
infletir sobre problemas estruturais como preconceito racial, mortalidade e
criminalidade juvenis com vistas a sua superação. Para esse fim, analisa a importância
do ato de fala que presentifica o jovem na cena urbana, discute a distância entre a
linguagem do jovem e aquela das estratégias públicas, bem como sua necessária
mudança. Apresenta e analisa o relato de uma experiência de construção participativa de
um quadrinho mangá, através de conversações psicanalíticas realizadas no território,
que interpela a diferença entre asfalto e favela, revelando um binário complexo que
precisa ser mais bem explorado para evitar falsas oposições. Finalmente, apresenta
pressupostos que considera essenciais para uma abordagem das juventudes que
considere seu gesto autoral como escrita necessária de sua presença na cidade.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.