O estranho e o duplo em o passageiro – Profissão: repórter

Selma de Abreu Camargo, Nadiá Paulo Ferreira

Resumo


Este artigo é uma decorrência da pesquisa que estamos desenvolvendo no Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise, na Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ, sobre o estranho e o duplo na literatura e no cinema. Para articular a psicanálise, a literatura e o cinema, escolhemos as reflexões de Freud e de Lacan sobre o estranho e o duplo. Esse tema tem se manifestado de várias formas nos textos literários: sósia, a sombra, o eco, gêmeos, a imagem obtida no retrato e o reflexo no espelho. Nosso objetivo é analisar o filme O Passageiro - Profissão: Repórter (1975), de Michelangelo Antonioni, a partir da seguinte representação do duplo: o outro como sósia. O eu como duplo sob a forma de sósia é inaugurado pelo Anfitrião de Plauto. Lacan, inclusive, diz no Seminário, livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise, que foi Plauto quem introduziu sósia.

Palavras-Chave: Estranho; duplo; psicanálise; literatura; cinema.

 

Abstract

 

This article is a result of the research that is being developed in the Doctorate of the Postgraduation Program in Psychoanalysis, at the State University of Rio de Janeiro / UERJ, about the uncanny and the doppelganger in literature and cinema. To articulate psychoanalysis, literature, and cinema, we choose Freud and Lacan's reflections on the uncanny and  the doppelganger. This theme has been  articulated  in literary texts with different names, such as: doppelganger, the shadow, the echo, twins, the image obtained in the picture and the reflection in the mirror. Our purpose  is to analyze Michelangelo Antonioni's The Passenger - Profession: Reporter (1975), from the  representation of  the doppelganger as someone who looks alike. The doppelganger was  inaugurated  by Plautus’ Amphitryon. Even Lacan said  in The Seminar, book 2: the Ego in Freud's Theory and in the Technique of  Psychoanalysis,  that was Plautus who introduced the concept of doppelganger.

 

Keywords: Uncanny; doppelganger; psychoanalysis; literature; movie.


 

 



Palavras-chave


Estranho; duplo; psicanálise; literatura; cinema. Uncanny; doppelganger; psychoanalysis; literature; movie.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

COSTA, Ana. Tatuagem e marcas corporais: atualizações do sagrado. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

FERREIRA, Nadiá Paulo. A literatura como escrita e como fala. In: Escrita e Psicanálise. Org. Ana Costa, Doris Rinaldi. Rio de Janeiro: Cia. De Freud: UERJ, Instituto de Psicologia, 2007.

FREUD, Sigmund. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

_____. Obras Completas de Sigmund Freud. Ordenamiento, comentários y notas de James Strachey. Buenos Aires: Amorrortu, 1992.

_____. O Ego e o Id e outros trabalhos (1923-1925), A negativa (1925), in ESB, 2006, v. XIX.

JORGE, Marco Antonio Coutinho. Fundamentos da Psicanálise de Freud a Lacan: A clínica da fantasia. Rio de Janeiro: Zahar, 2014, v. 2.

LACAN, Jacques. Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise (1953). In: ___. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

_____. A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud (1957). In: ___. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

_____. O seminário, livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

_____. O seminário, livro 7: a ética da psicanálise (1959-1960). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

_____. O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

_____. O seminário, livro 12: Problemas cruciais para a psicanálise (1964-1965). Recife: Centro de Estudos Freudianos do Recife, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.