Terapia Comunitária Integrativa em Saúde Mental: Por uma Atenção Dialógica, por um Cuidado Extramuros

Bruno Nogueira Garcia, Aline Virna Monteiro Tavares, Milena Furtado Assunção

Resumo



A partir das contribuições da Reforma Sanitária e Psiquiátrica e com o advento do Sistema Único de Saúde (SUS), uma série de novas tecnologias de saber-fazer saúde emergiram, em um viés universal, integral e com foco na promoção do cuidado. Dentre elas, temos a Terapia Comunitária Integrativa (TCI) como ferramenta oportunizadora de relações interpessoais, da valorização de experiências de vida e de fomento ao empoderamento. Partindo dessas questões, este estudo teve o objetivo de analisar a TCI enquanto dispositivo de promoção do cuidado em Saúde Mental. Trata-se de um relato de experiência, de caráter crítico-interpretativo, que versa sobre a implantação e condução de 26 rodas de TCI em três cenários distintos de um município do Ceará dentro do contexto formativo-pedagógico de programa de Residência em Saúde de instituição pública de ensino do Ceará. O material de base deste estudo foram as participações observantes, as fichas de apreciação das rodas e os diários de campo dos terapeutas comunitários. Os resultados obtidos demonstraram que a TCI contribuiu como uma importante tecnologia de cuidado dentro do contexto da Saúde Mental, sobretudo na perspectiva de uma atenção extramuros direcionada à comunidade na produção de redes de vida.


Palavras-chave


Terapia Comunitária Integrativa; Saúde Mental; Promoção de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Amarante, P. (2003). Loucos pela vida: a trajetória da Reforma Psiquiátrica no Brasil. 3ª reimp. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Andrade, L. O. M. D., Barreto, I. C. H., Barreto, A. P., & Oliveira, M. V. A. (2008). O SUS e a Terapia Comunitária. Fortaleza: Ministério da Saúde.

Azevedo, E. B., Cordeiro, R. C., Costa, L. D. F. P., Guerra, C. S., Filha, M. O. F., & Dias, M. D. (2013). Pesquisas brasileiras sobre terapia comunitária integrativa. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 15(3).

Barreto, A. (2005). Terapia Comunitária passo a passo. Fortaleza: Gráfica LCR.

Brasil. (2016). Resolução nº 510 do CNS, de 07 de abril de 2016. Ética na Pesquisa na área de Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União, 24 de maio de 2016.p

Falkembach, E. M. F. (1987). Diário de campo: um instrumento de reflexão. Contexto e educação. V. 2, n. 7, p. 19-24.

Ferreira, A. D. H. (2004). Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. São Paulo: Editora Positivo.

Filha, M. O. F., Lazarte R. & Dias M. D. (2013). Terapia comunitária integrativa: uma construção coletiva do conhecimento. João Pessoa: Editora da UFPB.

Franco, T. B., & Merhy, E. E. (2012). Cartografias do Trabalho e Cuidado em Saúde. Tempus Actas de Saúde Coletiva, 6(2), 151-163.

Freire, P. (2012). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Kalichman, A. O., & Ayres, J. R. D. C. M. (2016). Integralidade e tecnologias de atenção à saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cadernos de Saúde Publica, 32(8).

Lima, A. F. (2016). Os movimentos progressivos-regressivos da reforma psiquiátrica antimanicomial no Brasil: uma análise da saúde mental na perspectiva da psicologia social crítica. Salud & Sociedad, 1(3).

Mello, L.G.D. (2007). Antropologia cultural: iniciação, teoria e temas. Petrópolis: Vozes.

Menicucci, T. M. G. (2014). História da reforma sanitária brasileira e do Sistema Único de Saúde: mudanças, continuidades e a agenda atual. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 21(1).

Morin, E. (1996). Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Pereira, E. C. & Costa-Rosa, A. (2012). Problematizando a Reforma Psiquiátrica na atualidade: a saúde mental como campo da práxis. Saúde e Sociedade, 21 (4).

Pereira, T. T. S. O., Barros, M. N. S. & Augusto, M. C. N. A. (2011) O cuidado em saúde: o paradigma biopsicossocial e a subjetividade em foco. Mental, 9 (17).

Villela, J. M. (2002) Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Mana, v. 8, n. 2, p. 220-222.

Wolf, M., & Figueiredo, M. J. V. (1987) Teorias da comunicação. Lisboa: Presença.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.