(Des)articulações e (im)possibilidades de uma clinica escola em rede: uma reflexão ética e política

Débora Brenda Carneiro de Souza, Michelle Steiner dos Santos, Ingrid Bezerra da Costa

Resumo


Esse artigo trata-se de um relato de pesquisa que objetivou investigar possibilidades de articulação entre a Clínica de Psicologia da Universidade Federal do Ceará - UFC e o trabalho em rede dos Centros de Atenção Psicossocial na Saúde Mental (CAPS) de Fortaleza em seus aspectos éticos e políticos, por meio da compreensão do trabalho em rede e do funcionamento dos serviços de saúde, principalmente na atenção secundária. e, por fim, a verificação se a Clínica Escola pode ser integrar a rede de saúde. Foram realizadas entrevistas junto a ex-coordenadora da Clínica Escola da UFC, a coordenadora atual da Clínica Escola da UFC e assessora da Célula de Atenção à Saúde Mental. Foram encontrados pontos importantes de reflexão, entre eles a relevância do buscar entendimento sobre o funcionamento da Clínica Escola de Psicologia da UFC e do trabalho em rede como chave para fortalecer as interações e propiciar um engajamento maior dos dispositivos de saúde, bem como, oportunizar a prestação de um atendimento mais qualificado e assertivo a sociedade. Todavia, ainda existe um longo caminho a percorrer que perpassa por ações e políticas públicas conjuntas, bem como, o esforço e interesse dos membros de ambas as instituições (prefeitura e SEP/clínicas-escolas) para que haja a inclusão destas na rede de saúde.


Palavras-chave


Trabalho em rede; clínica escola de psicologia; saúde mental; ética

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


Aguiar, Zenaide Neto (2011). SUS: Sistema Único de Saúde – antecedentes, percurso,perspectivas e desafios. São Paulo: Martinari.

Amaral, A. E. V., Luca, L., Rodrigues, T. C., Leite, C. A., Lopes, F. L., & Silva, M. A. (2012). Serviços de psicologia em clínicas-escola: revisão de literatura. Bol. psicol. São Paulo, 62 (136), 37-52. Recuperado em 05 de novembro de 2017 de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S000659432012000100005&lng=pt&nrm=iso.

Anuário de fortaleza (2013). Administração Pública. Secretarias Executivas Regionais (SERs). Fortaleza. Recuperado de 18 de junho de 2018 de http://www.anuariodefortaleza.com.br/administracao-publica/secretarias-executivas-regionais.php.

Arend, M. I., & Motta, R. F. (2014). Representação social da psicologia e do psicólogo na sala de espera de uma clínica-escola. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, 31(3), 415-423. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103166X2014000300010&lng=en&nrm=iso.

Asbahr, F. S. F., Martins, E., & Mazzolini, B. P. M. (2011). Psicologia, formação de psicólogos e a escola: desafios contemporâneos. Psicol. estud., Maringá, 16(1), 157-163. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141373722011000100019&lng=en&nrm=iso.

Bardin, L. (1997). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990 (1990). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.

Boff, L. (1999). Saber cuidar: Ética do humano, compaixão pela terra. Petrópolis: Vozes.

Bock, A. M. B. (2001). A psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. In A. M. B. Bock, M. G. M. Gonçalves, & O. Furtado (Orgs.), Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em Psicologia (pp. 15-35). São Paulo: Cortez.

Boaz, C., Nunes, & M. L. T. (2010). Revisão da literatura brasileira sobre a problemática do desenvolvimento de crianças assistidas por clínicas-escola. Aletheia, Canoas, (33), 151-165. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141303942010000300013&lng=pt&nrm=iso.

Borges, I. L. F., & Dantas, J. B. (2017). Plantão psicolígico: acolhimento e escuta na clínica escola da UFC. Extensão em Ação, Fortaleza, 2(14), p. 94-107.

Borsa, J. C., Segabinazi, J. D., Stenert, F., Yates, D. B., & Bandeira, D. R. (2013). Caracterização da clientela infanto-juvenil de uma clínica-escola de avaliação psicológica de uma universidade brasileira. Porto Alegre, 44(1), 73-81. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/10599/8850.

Borsa, J. C., Oliveira, S. E. S., Yates, D. B., & Bandeira, D. R. (2013). Centro de Avaliação Psicológica - CAP: uma clínica-escola especializada em avaliação e diagnóstico psicológico. Psicologia Clínica, 25(1), 101-114. Recuperado em 05 de setembro de 2018 de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010356652013000100007&lng=pt&tlng=pt.

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Bras. Enferm. Brasília, 57(5), 611-614. Recuperado em 5 de novembro de 2017 de http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n5/a19v57n5.pdf.

Carvalho, L. B. Alves, A. M. F., Passos, C. A., Lopes, F. G., Holanda, R. B., & Moreira, V. (2015). A ética do cuidado e o encontro com o outro no contexto de uma clínica-escola em fortaleza. Revista da Abordagem Gestáltica, 21(1), 01-12. Recuperado em 11 de março de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672015000100002&lng=pt&tlng=pt.

Costa, M. F. O. (Org.). (2011). CH/UFC 40 anos: uma memória dos cursos de graduação, das casas de cultura e do movimento estudantil. Em comemoração aos 40 anos do Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará. Imprensa Universitária da UFC.

Dutra, E. (2004). Considerações sobre as significações da psicologia clínica na contemporaneidade. Campinas. Estudos de Psicologia, 9 (2).

Erdmann, A. L., Andrade, S. R., Mello, A. L. S. F., & Drago, L. C. (2013). A atenção secundária em saúde: melhores práticas na rede de serviços. Rev. Latino-Am. Enfermagem Artigo Original, 21 (8).

Fromm, E. (1986). Do amor à vida. Jorge Zahar.

Gauy, F. V., & Fernandes, L. F. B. Resenha: Um panorama do cenário brasileiro sobre atendimento psicológico em clínicas-escola. Paidéia, 18 (40), 401-404.

Gauy, F. V., Fernandes, L. F. B., Silvares, E. F. M., Marinho-Casanova, M. L., & Löhr, S. S. (2015). Perfil dos Supervisores de Psicologia em Serviços-Escola Brasileiros. Psicol. cienc. prof., Brasília ,35(2), 543-556. Recuperado em 11 de março de 18 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141498932015000200543&lng=en&nrm=iso.

Gil, A. C. (2010). Pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas.

Guattari, F. & Rolnik, S. (1999) Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis: Vozes

Honda, G. C., Yoshida, & E. M. P. (2012). Changes in training-clinic patients: evaluation of the results and processes. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto , 22(51), 73-82. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103863X2012000100009&lng=en&nrm=iso.

Kuschnir, R., & Chorny, A. H. (2010). Redes de atenção à saúde: contextualizando o debate.Ciênc. saúde coletiva [online]. 15(5), 2307-2316.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG.

Lo Bianco, A. C., Bastos, A. V. B., Nunes, M. L. T., & Silva, R. C. (1994). Concepções e atividades emergentes na psicologia clínica: implicações para a formação. In Conselho Federal de Psicologia (Org.), Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação (pp. 7-76). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Minayo, M. C. S., Souza, E. R., & Assi, S.G. (2005). Métodos, técnicas e relações em triangulação. Avaliação por triangulação de métodos: abordagens de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Naffah Neto, A. (1994) A psicoterapia em busca de Dioniso: Nietzsche visita Freud. São Paulo: EDUC/Escuta.

Oliveira, M. S., Pereira, R. F., Peixoto, A. C. A., Rocha, M. M., Oliveira-Monteiro, N. R., Macedo, M. M. K., & Silvares, E. F. M. (2014). Supervisão em serviços-escola de psicologia no Brasil: perspectivas dos supervisores e estagiários. Psico (Porto Alegre); 45(2). Recuperado em 11 de março de 2018 de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/15417.

Paim, J. S., Silva, L. M. V. (2010). Universalidade, integralidade, equidade e SUS. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.), São Paulo, 12(2). Recuperado em 18 de janeiro de 2018 de http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151818122010000200002&lng=es&nrm=isso.

Peres, R. S., Santos, M. A., Coelho, H. M., & Bertolucci. (2004). Perfil da clientela de um programa de pronto-atendimento psicológico a estudantes universitários. Psicol. estud., Maringá,9(1)47-54. Recuperado em 11 de fevereiro de 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141373722004000100007&lng=pt&nrm=iso.

Porto, M. A., Valente, M. L. L. C., & Rosa, H. R. (2014). A construção do perfil da clientela numa clínica-escola. Bol. psicol, São Paulo, 64(141), 59-172. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432014000200005&lng=pt&nrm=iso.

Silvares, E. F. M., & Barbosa, J. I. C. (2006). Atendimento psicológico em clínicas-escola. Campinas, SP: Átomo.

Silva, Édio Raniere da. (2001). Psicologia clínica, um novo espetáculo: dimensões éticas e políticas. Psicologia: Ciência e Profissão, 21(4), 78-87. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932001000400009

Silva, S. F. (2011). Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Ciênc Saúde Coletiva, 16(6), 2753-2762.

Sousa, C. R., & Padovani, R. C. (2015). Supervisão em Terapias Cognitivo-Comportamentais: Trilhando outros Caminhos Além do Serviço-Escola. Psico-USF, Itatiba, 20(3)461-470. Recuperado em 11 de março de 2018 de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141382712015000300461&lng=en&nrm=iso.

Universidade Federal do Ceará. Departamento de Psicologia. (2018). Recuperado em 18 de janeiro de 2018 de http://www.psicologia.ufc.br/pesquisa-e-extensao/.

Universidade Federal do Ceará. (2005). Plano Político Pedagógico do Curso de Psicologia. Perfil de Formação: Psicólogo. Ceará.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.