Vivências psicológicas de homens que buscam profissionais do sexo. Uma proposta de análise psicológico-fenomenológico

Tommy Akira Goto, Ileno Izídio da Costa, Bruna Alves Schievano

Resumo


A procura dos homens por profissionais do sexo é ainda um fato significativo em muitos contextos sociais, econômicos e culturais. Assim, entendendo que a prostituição tem seu lugar na história das relações humanas, essa pesquisa teve como objetivo a análise das vivências psicológicas dos homens na busca das profissionais do sexo. Para a pesquisa escolheu-se o método fenomenológico-empírico de A. Giorgi e D. Souza (2010), com alterações propostas por Goto e Feijóo (2016), que consistiu em um primeiro momento, encontrar os significados essenciais vividos na experiências, para em seguida, reconhecer e distinguir as vivências psicológicas que estão na base desses significados. Participaram sete homens maiores de 18 anos, clientes dessas profissionais. As entrevistas foram  pautadas em uma pergunta orientadora. Na análise das experiências foi encontrado como significado essencial a satisfação sexual, assim como outros significados mas de ordem particular. Após a delimitação dos significados foi analisado passo-a-passo como esses significados são psicologicamente vividos a partir de suas estruturas e condições psíquicas, recorrendo às descrições psicológico-fenomenológicas de Husserl, Stein e von Hildebrand. Concluiu-se que a experiência psicológica dos homens constitui-se essencialmente como uma vivência corpórea-afetiva, que surge impulsivamente de maneira natural e espontânea, e que se busca manter o predomínio de um estado afetivo de prazer, gozo e satisfação, mas tendo como fim um nexo intersubjetivo.


Palavras-chave


método fenomenológico-empírico, psicologia fenomenológica, vivência psicológico-sexual.

Texto completo:

PDF EPUB

Referências


Almeida, E. (2016) Assim como nossos pais? Possibilidades de reinvenção nas relações de conjugalidade. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte. (Tese de doutorado em Psicologia).

Bello, A. A. (2015). A Pessoa e Comunidade - Comentários: Psicologia e Ciências do Espírito de Edith Stein. Belo Horizonte: Artesã.

Bello, A. A. (2014). Edith Stein. A paixão pela verdade. Curitiba: Juruá.

Cavour, R. C. (2011). Mulheres de Família: Papéis e Identidades da Prostituição no Contexto Familiar (Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica) - Instituto de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Cazarré, M. (2016, 26 de março). Projeto que regulamenta atividade de profissionais do sexo está parado na Câmara. Recuperado de http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2016-03/projeto-que-regulamenta-atividade-de-profissionais-do-sexo-esta.

Crespo, M. (2012). El amor como motivo ético en la fenomenología de Edmund Husserl. Anuario Filosófico, 45, vol.1, pp. 15-32.

Embree, L. (2012). Análise reflexiva. Uma primeira introdução na investigação fenomenológica. Portugal: Zeta Books.

Feijoo, A. M. L. C. de, & Goto, T. A. (2016). É Possível a Fenomenologia de Husserl como Método de Pesquisa em Psicologia? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(4).

Giorgi, A. & Sousa, D. (2010) Método fenomenológico de investigação em psicologia. Lisboa: Fim de Século, Editora Sociedade Unipessoal.

Giorgi, A. Método Psicológico Fenomenológico: alguns tópicos teóricos e práticos. Porto Alegre: Revista Educação, n. 24 (43), 2001, pp. 133-150.

Goto, T.A. (2015). Introdução à Psicologia Fenomenológica – A Nova Psicologia de Edmund Husserl. São Paulo: Paulus.

Husserl, E. (1965). Filosofia como ciência de rigor. Coimbra: Atlântida. [Obra original de 1911].

Husserl, E. (1973). Zur Phänomenologie der intersubjektivität. Texte aus dem Nachlaß. Dritter Teil: 1921-1938. La Haya: Martinus Nijhof.

Husserl, E. (2005). Ideas Relativas a Una Fenomenología Pura y Una Filosofia Fenomenológica Libro Segundo: Investigaciones Fenomenológicas Sobre La Constitución. México: Fondo de Cultura Económica.

Husserl, E. (2009). Die Lebenswelt. Auslegungen der vorgegebenen Welt und ihrer Konstitution. Texte aus dem Nachlass (1916-1937), Husserliana XXXIX. Dordrecht: Springer.

Husserl, E. (2012). Investigações Lógicas. Segundo volume, parte I, Investigações para uma fenomenologia e a teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Forense Universitária. [Obra original de 1900-01].

Husserl, E. (2017). A criança – a primeira empatia. Goiânia: Phenomenological Studies, Revista da Abordagem Gestáltica, XXIII(3), pp. 375-377.

Jeffreys, S. (2011). La industria de La vagina 1 ed. Buenos Aires: Paidós.

Lee, Nam-In (1993). Edmund Husserls Phänomenologie der Instinkte. Dordrecht/

Martín, M. (2016). Regulamentação da prostituição confronta prostitutas e feministas radicais. El Pais. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/28/politica/1469735633_689399.html

Martins, J. & Bicudo, M. A. V. A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. 5ª edição. São Paulo: Centauro, 2005.

Melo, M. L. de A. (2016). Contribuições da hermenêutica de Paul Ricoeur à pesquisa fenomenológica em psicologia. Psicologia USP, 27(2), 296-306.

Quepons, I. (2013). Nostalgia y anhelo: contribución a su esclarecimiento fenomenológico. Open Insight, 5(5), pp.117-145.

Russo, G. (2007). No labirinto da prostituição: o dinheiro e seus aspectos simbólicos. Caderno Centro de Recursos Humanos, 20 (51), 497-514.

Santos, G. L. (2011). Motivação e liberdade: a superação do determinismo psicofísico na investigação fenomenológica de Edith Stein. In: “A pessoa humana em Edith Stein. I Simpósio Internacional de Filosofia”. Kairós – Revista Acadêmica da Prainha. Fortaleza: FCF, pp. 216-234.

Schievano, B. A. (2016). Resenha. (Revista do Núcleo de Pesquisas Fenomenológicas, 8(2), 134-138.

Silva, A. A. (2016). Pessoa e Comunidade. Comentário: Psicologia e Ciência do Espírito de Edith Stein. Revista Pesquisa Qualitativa. São Paulo (SP), 4(4), pp. 131-139.

SOF. Sempreviva Organização Feminista (2013). Uma Abordagem Feminista. São Paulo. Recuperado de: https://br.boell.org/sites/default/files/prostituicao_uma_abordagem_feminista.pdf.

Stein, E., (2005). Contribuciones a la fundamentación filosófica de la psicología y de las ciencias del espíritu, en J. Urkiza & F. J. Sancho (Orgs.), Obras completas, Vol. II, Escritos filosóficos (Etapa fenomenológica: 1915-1920), Burgos, Monte Carmelo, p. 950. [Obra original de 1922].

Von Hildebrand, D. (1996). La essencia del amor. Espanha: EUNSA, 1998.

Von Hildebrand, D. (2002). O amor entre o homem e a mulher. Rio de Janeiro: Co-rendentora.

Walton, R. J. (2002). Instintos, generatividad y tensión en la fenomenología de Husserl. In: Revista Natureza Humana vol. 4(2): 253-292, jul.-dez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

      

        

CNENlogo_livre2.png      ResearchBib      

    

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.