ADOECIMENTO E O SOFRIMENTO DE TRABALHADORES ACOMETIDOS POR LER/DORT

Maria do Carmo Baracho de Alencar, Thalita Lacerda Nobre

Resumo


O objetivo deste estudo foi o de compreender as relações entre a organização do trabalho e o agravamento dos casos por LER/DORT, além das repercussões na saúde na situação de afastamento do trabalho pela doença. Métodos: Foram levantados dados sociodemográficos e de trabalho de prontuários de sujeitos atendidos no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador- CEREST, da cidade de Santos/SP, e selecionados sujeitos com diagnósticos clínicos estabelecidos para LER/DORT e que haviam vivenciado a situação de afastamento do trabalho por motivo da doença. Os sujeitos foram convidados a participar de entrevista individual e semiestruturada, com base em roteiros pré-elaborados. As entrevistas foram gravadas e transcritas na íntegra para análise de conteúdo categorial temática. Os resultados obtidos trouxeram a compreensão de que houve envolvimento dos modos de organização do trabalho no agravamento dos casos, e as consequências interferem na saúde do trabalhador e no seu cotidiano de vida, resultando em sofrimento psíquico. Evidencia-se a necessidade de uma maior inserção de equipes multiprofissionais em ações interdisciplinares, e com psicólogos junto a esta temática.

Palavras-chave


transtornos traumáticos cumulativos; saúde do trabalhador; trabalhadores lesionados; psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


Alcântara, N., Nunes, G.S. & Ferreira, B.C.M. (2011). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho: o perfil de trabalhadores em benefício previdenciário em Diamantina (MG,Brasil). Ciência e Saúde Coletiva, 16(18), 3427-3436. doi: 10.1590/S1413-81232011000900010

Alencar, M.C.B. & Ota, N.H. (2011). O afastamento do trabalho por LER/DORT: repercussões na saúde mental. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 22(1), 60-67. doi: 10.11606/issn.2238-6149.v.22i1p60-67

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Lesões por Esforços repetitivos (LER). Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Brasília.

Cavalcante, C.A.A., Santos, R.S., Cavalcante, E.F.O., Martins, R.L., Silveira, E.A. & Silva, E.T. (2014). Perfil de agravos relacionados ao trabalho notificados no Rio Grande do Norte, 23(4), 741-752. doi: 10.5123/S1679-49742014000400016

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer-sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Production, 14(3), 27-34. doi: 10.1590/SO103-6513004000300004

Dejours, C. (2008). Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In S. Lancman & L.I. Snelwar, (Org.), Christhope Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. (pp.49-66). Brasília: Paralelo 15.

Dejours, C. (2013). A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, 33(2), 9-28.

Gaedke, M. A. & Krug, S. B. F. (2008) Quem sou eu? A identidade de trabalhadoras portadoras de LER/DORT. Revista Textos & Contextos, 7(1), 120-137.

Ghisleni, A. P & Merlo, A. R. C. (2005). Trabalhador contemporâneo e patologias por hipersolicitação. Psicologia: Reflexão Crítica, 18(2), 171-176.

Heloani, R; Lancman, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: o método clínico de intervenção e investigação. Production, 14(3), 77-86. doi: 10.1590/S0103-65132004000300009

Hennington, E.A. (2011). Entre o criativo e o precário: reflexões sobre constrangimentos e possibilidades do trabalhador da saúde em tempos líquidos. In C.M. Gomez, J.M.H Machado & P.G.L. Pena, Saúde do Trabalhador na Sociedade Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Neves, R. F.; Nunes, M. O. (2009). Incapacidade, cotidiano e subjetividade: a narrativa de trabalhadores com LER/DORT. Interface – Comunicação, Saúde e Educação, 13(30), 55-56. doi: 10.1590/S1414-32832009000300006

Neves, R.F. & Nunes, M.O. (2010). Da legitimação a (re)significação: o itinerário terapêutico de trabalhadores com LER/DORT. Ciência e Saúde Coletiva, 15(1), 211-220. doi: 10.1590/S1413-81232010000100026

Oliveira, J.N. & Mendes, A.M. (2014). Sofrimento Psíquico e Estratégias Defensivas Utilizadas por Desempregados: Contribuições da Psicodinâmica do Trabalho. Temas em Psicologia, 22(2), 389-399. doi:10.9788/TP2014.2-10

Organização Mundial da Saúde. (2003). CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, incapacidade e saúde. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo-Edusp.

Ramos, M. Z., Tittoni, J. & Nardi, H. C. A. (2008). Experiência de afastamento do trabalho por adoecimento vivenciada como processo de ruptura ou continuidade nos modos de viver. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 11(2), 209-221.

Ribeiro, H.P. (1997). Lesões por Esforços Repetitivos (LER): uma doença emblemática. Cadernos de Saúde Pública, 13(2), 85-93.

Rocha, S.R. (2007). Depressão relacionada aos distúrbios osteomusculares no trabalho bancário. In A.M. Mendes. Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rodrigues, P.F.V. & Bellini, M.I.B. (2010) A organização do trabalho e as repercussões na saúde do trabalhador e de sua família. Textos & Contextos, 9(2), 345-357. doi: 10.15448/1677-9509

Sato, L. (2001). LER: objeto e pretexto para a construção do campo trabalho e saúde. Cadernos de Saúde Pública, 17(1), 147-152.

Seligmann-Silva, E. (1997). Saúde mental e automação: a propósito de um estudo de caso no setor ferroviário. Cadernos de Saúde Pública, 13(2), 95-109. doi: 10.1590/S0102-311X1997000600009

Siqueira, A.C.A. & Couto, M.T. (2013). As LER/DORT no contexto do encontro simbólico entre pacientes e médicos peritos do INSS/SP. Saúde e Sociedade, 22(3), 714-726. doi: 10.1590/S0104-12902013000300006

Silva, E.F., Oliveira, K.K.M. & Souza, P.C.Z. (2011). Saúde mental do trabalhador: o assédio moral praticado contra trabalhadores com LER/DORT. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 36 (123), 56-70. doi: 10.1590/S0303-76572011000100006

Souza. N.S.S & Santana V. S. (2011). Incidência de doenças musculoesqueléticas incapacitantes. Cadernos de Saúde Pública, 27(11), 2124-2134. doi: 10.1590/S0102-311X2011001100006

Souza, R.L.S. & Novo, H.A. (2001). Fabricando prazeres, produzindo dores: o cotidiano conjugal de trabalhadores com lesões por esforços repetitivos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 3(4), 31-45.

Sznelwar, L. & Zidan, L. (2000). Sofrimento no trabalho: uma leitura a partir de grupos de expressão. In L. Sznelwar & L. Zidan, (Orgs), Trabalho humano como sistemas informatizados no setor de serviços. São Paulo: Plêiade.

Vanwonterghem, K., Yoopat, P. & Maes, C. (2012). Musculoskeletal disorders: a new approuch. Work, 41, 2293-2298. doi: 10.3233/WOR-2012-0454-2293

Verthein, M.A.R. & Gomes, C.M. (2000). O território da doença relacionada ao trabalho e a medicina nas LER. Physis - Revista Saúde Coletiva, 10(2), 101-127.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.