Fenomenologia nas obras de Carl Rogers: apontamentos para o cenário brasileiro

  • Paulo Coelho Castelo Branco Universidade Federal da Bahia
  • Sérgio Dias Cirino Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Carl Rogers, fenomenologia, história da psicologia, pesquisa bibliográfica, terapia centrada no cliente.

Resumo

Analisamos a relação de Carl Rogers com a Fenomenologia segundo uma perspectiva historiográfica que examina a ocorrência de citações e referências que ele fez a filósofos de orientação fenomenológica. As obras de Rogers foram organizadas em ordem cronológica de publicação e lidas conforme as técnicas de leitura seletiva e interpretativa. Rogers mencionou cinco filósofos de orientação fenomenológica: José Ortega y Gasset, Paul Tillich, Simone de Beauvoir, Maurice Merleau-Ponty e Martin Heidegger. Destes, somente Heidegger é efetivamente trabalhado em um texto sobre o ensino e os demais filósofos procedem de indicações e citações de outros autores. Nos livros em que Rogers referencia esses filósofos não há nenhuma discussão sobre a Fenomenologia; porém, há textos em que Rogers disserta sobre a Fenomenologia sem citar fenomenólogos. A Fenomenologia que Rogers menciona não é a filosófica, a qual ele teve ressalvas, mas é um paradigma estadunidense de ciência empírica e estudos da personalidade. A despeito disso, desenvolve-se no Brasil um movimento pós-rogeriano de orientação filosófica fenomenológica. Ponderamos, finalmente, algumas observações sobre o que distingue o movimento brasileiro daquele paradigma contatado por Rogers nos EUA. 

Biografia do Autor

Paulo Coelho Castelo Branco, Universidade Federal da Bahia
Professor Adjunto do Instituto Multidisplinar em Saúde da Universidade Federal da Bahia. Doutor em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Coordenador do Núcleo de Estudos em Psicologia Humanista.
Sérgio Dias Cirino, Universidade Federal de Minas Gerais
Professor Associado do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo. Coordenador do Grupo de Trabalho de História da Psicologia da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP). 

Referências

Amatuzzi, M. & Carpes, M. (2010). Aspectos fenomenológicos do pensamento de Rogers. Memorandum, 19, 11-25.

Brožek, J. (1998). Abordagem quantitativa: Wundt na América. In J. Brožek & M. Massimi (Orgs.), Historiografia da psicologia moderna (pp. 351-361). São Paulo: Unimarco; Loyola.

Castelo-Branco, P. & Cirino, S. (2016a). Funcionalismo e pragmatismo na teoria de Carl Rogers: apontamentos históricos. Revista da Abordagem Gestáltica, 22(1), 12-20.

Castelo-Branco, P. & Cirino, S. (2016b). Reflexões sobre a consciência na fenomenologia e na abordagem centrada na pessoa. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 9(2), 241-258.

Dutra, E. (2016). Rogers and Heidegger: is a gathering for a new view of the self possible?. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(3), 413-423.

Evans, R. (1979). Carl Rogers: o homem e suas ideias (M. Ferreira, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1975).

Fonseca, A. (2007). Carl Rogers: sobre o seu paradigma fenomenológico e existencial em psicologia e psicoterapia. Maceió: Livro Rápido.

Frick, W. (1975). Psicologia humanista: entrevistas com Maslow, Murphy e Rogers (E. D’Almeida, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1971).

Frota, A. (2012). Origens e destinos da abordagem centrada na pessoa no cenário brasileiro contemporâneo: reflexões preliminares. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 168-178.

Gobbi, S., Missel, S., Justo, H. & Holanda, A. (2005). Vocabulários e noções básicas da abordagem centrada na pessoa. São Paulo: Vetor.

Goto, T. (2011). Fenomenologia e experiência religiosa em Paul Tillich. Revista da Abordagem Gestáltica, 17(2), 137-142.

Holanda, A. (1998). Diálogo e psicoterapia: correlações entre Carl Rogers e Martin Buber. São Paulo: Lemos.

Kuenzli, A. (1959). Preface. In A. Kuenzli (Org.), The phenomenological problem (pp. vii-x). New York: Harper & Brothers Publishers.

Lima, T. & Mioto, R. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Katálysis, 10(esp), 37-45.

Luczinski, G. & Ancona-Lopez, M. (2010). A psicologia fenomenológica e a filosofia de Buber: o encontro na clínica. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(1), 75-82.

Moreira, V. (2010). A gestalt-terapia e a abordagem centrada na pessoa são enfoques fenomenológicos?. Revista da Abordagem Gestáltica, 15(1), 03-12.

Rogers, C. (1964). Toward a science of the person. In T. Wann (Org.), Behaviorism and phenomenology: contrasting bases for modern psychology (pp. 109-131). Chicago: University of Chicago Press.

Rogers, C. (1976). A respeito de bibliografias. In C. Rogers & B. Stevens (Orgs.), De pessoa para pessoa: o problema de ser humanos – uma nova tendência na psicologia (pp. 321-325., M. Leite & D. Leite, Trads.). São Paulo: Pioneira. (Originalmente publicado em 1967).

Rogers, C. (1977). Novas formas do amor: o casamento e suas alternativas (O. Cajado, Trad.). Rio de Janeiro: José Olympio Editora. (Originalmente publicado em 1972).

Rogers, C. (1979). Liberdade para aprender (E. machado & M. Andrade, Trads.). Belo Horizonte: Interlivros. (Originalmente publicado em 1969).

Rogers, C. (1985). Liberdade de aprender em nossa década (J. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1983).

Rogers, C. (1997). Tornar-se pessoa (M. Ferreira & A. Lamparelli, Trads.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1961).

Rogers, C. (2008). Algumas observações sobre a organização da personalidade. In J. Wood (Org.), Abordagem centrada na pessoa (pp.45-70). Vitória: EDUFES. (Originalmente publicado em 1947).

Rogers, C., & Russell, D. (2002) Carl Rogers: the quiet revolutionary – an oral history. Roseville: Penmarin Books.

Rogers, C. & Tillich, P. (2008). Diálogos – 1965 (M. Janzen, Trad.). Revista da Abordagem Gestáltica, 14(1), 121-127. (Originalmente publicado em 1965).

Segrera, A. (2002). El enfoque centrado en la persona: reflexiones en el centenario de su fundador Carl Rogers. Miscelánea Comillas, 60(117), 399-419.

Spiegelberg, H. (1972). Phenomenology in Psychology and Psychiatry. Evaston: Northwestern University Press.

Spiegelberg, H. (1982). The phenomenological movement: a historical introduction (3a ed). Boston: Martinus Nijhoff Publisher.

Vieira, E. & Pinheiro, P. (2011). Convergências entre a abordagem centrada na pessoa e Søren Kierkegaard. Psicologia Argumento, 29(65), 167-177.

Wood, J. (Org.). (2008). Abordagem centrada na pessoa. Vitória: EDUFES.

Publicado
2017-10-24
Como Citar
Castelo Branco, P. C., & Cirino, S. D. (2017). Fenomenologia nas obras de Carl Rogers: apontamentos para o cenário brasileiro. Revista De Psicologia, 8(2), 44-52. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/6719
Seção
Artigos