FENOMENOLOGIA NAS OBRAS DE CARL ROGERS: APONTAMENTOS PARA O CENÁRIO BRASILEIRO

Paulo Coelho Castelo Branco, Sérgio Dias Cirino

Resumo


Analisamos a relação de Carl Rogers com a Fenomenologia segundo uma perspectiva historiográfica que examina a ocorrência de citações e referências que ele fez a filósofos de orientação fenomenológica. As obras de Rogers foram organizadas em ordem cronológica de publicação e lidas conforme as técnicas de leitura seletiva e interpretativa. Rogers mencionou cinco filósofos de orientação fenomenológica: José Ortega y Gasset, Paul Tillich, Simone de Beauvoir, Maurice Merleau-Ponty e Martin Heidegger. Destes, somente Heidegger é efetivamente trabalhado em um texto sobre o ensino e os demais filósofos procedem de indicações e citações de outros autores. Nos livros em que Rogers referencia esses filósofos não há nenhuma discussão sobre a Fenomenologia; porém, há textos em que Rogers disserta sobre a Fenomenologia sem citar fenomenólogos. A Fenomenologia que Rogers menciona não é a filosófica, a qual ele teve ressalvas, mas é um paradigma estadunidense de ciência empírica e estudos da personalidade. A despeito disso, desenvolve-se no Brasil um movimento pós-rogeriano de orientação filosófica fenomenológica. Ponderamos, finalmente, algumas observações sobre o que distingue o movimento brasileiro daquele paradigma contatado por Rogers nos EUA. 


Palavras-chave


Carl Rogers; fenomenologia; história da psicologia; pesquisa bibliográfica; terapia centrada no cliente.

Texto completo:

PDF

Referências


Amatuzzi, M. & Carpes, M. (2010). Aspectos fenomenológicos do pensamento de Rogers. Memorandum, 19, 11-25.

Brožek, J. (1998). Abordagem quantitativa: Wundt na América. In J. Brožek & M. Massimi (Orgs.), Historiografia da psicologia moderna (pp. 351-361). São Paulo: Unimarco; Loyola.

Castelo-Branco, P. & Cirino, S. (2016a). Funcionalismo e pragmatismo na teoria de Carl Rogers: apontamentos históricos. Revista da Abordagem Gestáltica, 22(1), 12-20.

Castelo-Branco, P. & Cirino, S. (2016b). Reflexões sobre a consciência na fenomenologia e na abordagem centrada na pessoa. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 9(2), 241-258.

Dutra, E. (2016). Rogers and Heidegger: is a gathering for a new view of the self possible?. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(3), 413-423.

Evans, R. (1979). Carl Rogers: o homem e suas ideias (M. Ferreira, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1975).

Fonseca, A. (2007). Carl Rogers: sobre o seu paradigma fenomenológico e existencial em psicologia e psicoterapia. Maceió: Livro Rápido.

Frick, W. (1975). Psicologia humanista: entrevistas com Maslow, Murphy e Rogers (E. D’Almeida, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1971).

Frota, A. (2012). Origens e destinos da abordagem centrada na pessoa no cenário brasileiro contemporâneo: reflexões preliminares. Revista da Abordagem Gestáltica, 18(2), 168-178.

Gobbi, S., Missel, S., Justo, H. & Holanda, A. (2005). Vocabulários e noções básicas da abordagem centrada na pessoa. São Paulo: Vetor.

Goto, T. (2011). Fenomenologia e experiência religiosa em Paul Tillich. Revista da Abordagem Gestáltica, 17(2), 137-142.

Holanda, A. (1998). Diálogo e psicoterapia: correlações entre Carl Rogers e Martin Buber. São Paulo: Lemos.

Kuenzli, A. (1959). Preface. In A. Kuenzli (Org.), The phenomenological problem (pp. vii-x). New York: Harper & Brothers Publishers.

Lima, T. & Mioto, R. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Katálysis, 10(esp), 37-45.

Luczinski, G. & Ancona-Lopez, M. (2010). A psicologia fenomenológica e a filosofia de Buber: o encontro na clínica. Estudos de Psicologia (Campinas), 27(1), 75-82.

Moreira, V. (2010). A gestalt-terapia e a abordagem centrada na pessoa são enfoques fenomenológicos?. Revista da Abordagem Gestáltica, 15(1), 03-12.

Rogers, C. (1964). Toward a science of the person. In T. Wann (Org.), Behaviorism and phenomenology: contrasting bases for modern psychology (pp. 109-131). Chicago: University of Chicago Press.

Rogers, C. (1976). A respeito de bibliografias. In C. Rogers & B. Stevens (Orgs.), De pessoa para pessoa: o problema de ser humanos – uma nova tendência na psicologia (pp. 321-325., M. Leite & D. Leite, Trads.). São Paulo: Pioneira. (Originalmente publicado em 1967).

Rogers, C. (1977). Novas formas do amor: o casamento e suas alternativas (O. Cajado, Trad.). Rio de Janeiro: José Olympio Editora. (Originalmente publicado em 1972).

Rogers, C. (1979). Liberdade para aprender (E. machado & M. Andrade, Trads.). Belo Horizonte: Interlivros. (Originalmente publicado em 1969).

Rogers, C. (1985). Liberdade de aprender em nossa década (J. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas. (Originalmente publicado em 1983).

Rogers, C. (1997). Tornar-se pessoa (M. Ferreira & A. Lamparelli, Trads.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1961).

Rogers, C. (2008). Algumas observações sobre a organização da personalidade. In J. Wood (Org.), Abordagem centrada na pessoa (pp.45-70). Vitória: EDUFES. (Originalmente publicado em 1947).

Rogers, C., & Russell, D. (2002) Carl Rogers: the quiet revolutionary – an oral history. Roseville: Penmarin Books.

Rogers, C. & Tillich, P. (2008). Diálogos – 1965 (M. Janzen, Trad.). Revista da Abordagem Gestáltica, 14(1), 121-127. (Originalmente publicado em 1965).

Segrera, A. (2002). El enfoque centrado en la persona: reflexiones en el centenario de su fundador Carl Rogers. Miscelánea Comillas, 60(117), 399-419.

Spiegelberg, H. (1972). Phenomenology in Psychology and Psychiatry. Evaston: Northwestern University Press.

Spiegelberg, H. (1982). The phenomenological movement: a historical introduction (3a ed). Boston: Martinus Nijhoff Publisher.

Vieira, E. & Pinheiro, P. (2011). Convergências entre a abordagem centrada na pessoa e Søren Kierkegaard. Psicologia Argumento, 29(65), 167-177.

Wood, J. (Org.). (2008). Abordagem centrada na pessoa. Vitória: EDUFES.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.