Quem Controla a Internet? // Who Controls the Internet?

Palavras-chave: Internet, redes sociais online, política, subjetividade

Resumo

Por meio deste estudo teórico, é possível constatar que a Internet, criada inicialmente como uma rede que possibilitaria o acesso e a descentralização da circulação de informação, a viabilização da comunicação e, consequentemente, o acesso de todos às plataformas de informação, negócios, serviços e redes sociais online, não é uma rede aleatória, e as suas propriedades de funcionamento nos obrigam a reavaliar a ideia geral, segundo a qual a rede seria um espaço de liberdade de expressão, justiça, democracia e transformação social.  Atualmente são as grandes empresas de tecnologia digital quem têm dominado a arquitetura da rede e ditado a maneira como esta deve funcionar, ocupando, assim, um papel econômico e político em nossa sociedade. Isso porque a grande maioria dos serviços públicos e privados, assim com a vida de cada um, tem sido atravessada pelo digital, o que provocava mudanças nas organizações sociais, e consequentemente nos modos de subjetivação contemporânea. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelma Galvão de Lemos, Universidade Federal de Sergipe

Mestranda em Psicologia Social - UFS

Daniel Menezes Coelho, Universidade Federal de Sergipe

Professor Associado I da Universidade Federal de Sergipe e Professor permanente do Núcleo de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Sergipe

Referências

Barabási, Albert-László. (2009). Linked: a nova ciência dos networks. Como tudo está conectado a tudo e o que isso significa para os negócios, relações sociais e ciências. Tradução Jonas Pereira dos Santos. São Paulo: Leopardo Editora.
Carta de Direitos Humanos e Princípios para a Internet. (2015). IGF Internet Governance Forum. (Online). United Nations. Tradução: Gabriel Pennachi Z. N. Itagiba. Recuperado de: https://itsrio.org/wp-content/uploads/2017/01/IRPC_booklet_brazilian-portuguese_final_v2.pdf. Acesso em 23 mar. 2021.
Cardon, Dominique. (2013). Politique des algoritmo – Présentation. CAIRN.INFO. (Site). Recuperado de: https://www.cairn.info/revue-reseaux-2013-1-page-9.htm. Acesso em 15 out. 2020.
Castells, Manuel. (2013). Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar.
Cibernética. Wikipédia. (2020). Recuperado de: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cibern%C3%A9tica. Acesso em 05 out. 2020.
Creemers, Rogier. (2015). China’s chiling plan to use credit ratings to keep score on its citizens. CNN. Recuperado de: https://edition.cnn.com/2015/10/27/opinions/china-social-credit-score-creemers/index.html. Acesso em 22 set. 2020.
Dâmaso, Lívia. (2020). O que é app? Quatro perguntas e respostas sobre aplicativos para celular. Tech Tudo. Recuperado de: https://www.techtudo.com.br/noticias/2019/12/o-que-e-app-quatro-perguntas-e-respostas-sobre-aplicativos-para-celular.ghtml. Acesso em 22 ago. 2020.
Dicionário de Ciências Sociais. (1986). Fundação Getúlio Vargas. Instituto de Documentação; Benedicto Silva, Coordenação Geral: Antônio de Miranda Netto et al. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, p. 1.127.
Eleitor de Bolsonaro mata mestre de capoeira por declarar votos no PT. Brasil de Fato. (SITE). 2018. Recuperado de: https://www.brasildefato.com.br/2018/10/08/referencia-da-capoeira-e-da-cultura-afro-e-assassinado-apos-discussao-politica-na-ba. Acesso em 14 mar. 2021.

Facebook ‘dark ads’ can swing political opinions, research shows. (2017). The Guardian. Recuperado de: https://www.theguardian.com/technology/2017/jul/31/facebook-dark-ads-can-swing-opinions-politics-research-shows. Acesso em 09 set. 2020.
Flichy, Patrice. (2001). The imaginary of Internet. Recuperado de: https://www.infoamerica.org/documentos_pdf/flichy4.pdf. Acesso em 04 de ago. 2020.
Freud, Sigmund. (1996). Além do princípio do prazer. In: Freud, Sigmund. Além do princípio do prazer, Psicologia de Grupo e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. XVIII. (Original publicado em 1920).
Freud, Sigmund. (1996). O ego e o id. In: Freud, Sigmund. O ego e o id e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. XIX. (Original publicado em 1923).
Freud, Sigmund. (1996). O mal-estar da civilização. In: Freud, Sigmund. O futuro de uma ilusão, o mal-estar da civilização e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. XXI, p. 67- 150. (Original publicado em 1929-1930).
Han, Byung-Chul. (2018). Psicopolítica: o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. Tradução Maurício Liesen. Belo Horizonte: Editora Âyiné.
Hiller, Marcos. (2014). Ou você domina o algoritmo do Facebook, ou ele te domina. Administradores (Blog). Recuperado de: https://administradores.com.br/artigos/ou-voce-domina-o-algoritmo-do-facebook-ou-ele-te-domina. Acesso em 17 jul. 2019.
Illari, Denise S. Mayumi. (2017). Dez anos para se pensar a contracultura dos anos 1960. Recuperado de: https://fflch.usp.br/sites/fflch.usp.br/files/2017-11/Contracultura.pdf. Acesso em 15 abr. 2021.
Kaufman, Dora. (2020). Inteligência artificial: novos modos de persuasão. In: FRATINI, Juliana (org.). (2020). Campanhas políticas nas redes sociais. 1. Ed. São Paulo: Matrix, p. 93-106.
Kemp, Simon. (2019). Digital 2019: Global Internet Use Accelerates. We are social (Blog). Recuperado de: https://wearesocial.com/blog/2019/01/digital-2019-global-internet-use-accelerates. Acesso em 17 abr. 2021.
Lacan, Jacques. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In: Lacan, Jacques. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p. 96-103. (Original publicado em 1949).
Lanier, Jaron. (2018). Dez argumentos para você deletar agora suas redes sociais. Tradução Bruno Casotti. Rio de Janeiro: Intrínseca.
Lessig, Lawrence. (2006). Code: Version 2.0. New York: Basic Books. Recuperado de: https://pt.scribd.com/document/224551152/Lessig-Codev2-pdf. Acesso em 23 jun. 2020. (Original publicado em 1999).
Lilly e Lana Wachowski. (2021). Wikipédia. Recuperado de: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lilly_e_Lana_Wachowski. Acesso em 10 mar. 2021.
Loveluck, Benjamin. (2018). Redes, liberdades e controle: uma genealogia política da internet. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes.
Miguel, Luis Felipe. (2003). Representação política em 3-D. elementos para uma teoria ampliada da representação política. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v.18, nº51. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v18n51/15989. Acesso em 13 mar. 2019.
Montesanti, Beatriz. (2018). Além dos EUA: como a Cambridge Analytica atuava em eleições pelo mundo. UOL (Site). Recuperado de: https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2018/03/24/como-a-cambridge-analytica-atuava-para-alem-dos-eua.htm. Acesso em 13 mar. 2019.
Morozov, Evgeny. (2018). Big Tech: a ascensão dos dados e a morte da política. Traduzido por Claudio Marcondes. São Paulo: Ubu Editora.
O que é um link. (2020). Internet (Blog). Recuperado de: https://sites.google.com/site/sitesrecord/o-que-e-um-link. Acessado em 17 mar. 2021.
O’neil, Cathy. (2020). Algoritmos de destruição em massa. Como a big data aumenta a desigualdade e ameaça à democracia. Tradução: Rafael Abraham. Santo André, SP: Editora Rua do Sabão.
Pariser, Eli. (2011). The Filter Bubble: What the Internet is hiding from you. Recuperado de:https://www.lse.ac.uk/assets/richmedia/channels/publicLecturesAndEvents/slides/20110620_1830_theFilterBubble_sl.pdf. Acesso em 11 de jun. 2020.
Plataformas digitais: o que são e quais as melhores para sua empresa. (2020). Recuperado de: https://neilpatel.com/br/blog/plataformas-digitais/. Acesso em 10 set. 2020.
Rouvroy, Antoinette & Berns, Thomas. (2010). Détecter et prevenir: de la digitalisation des corps et de la docilité des normes. Recuperado de http://www.crid.be/pdf/public/6243.pdf. Acesso em 10 set. 2020.
Vedel, Thierry. (2003). L’idee de democratie electronique origines, visions, questions. Recuperado de: https://digital-society-forum.orange.com/doc/l-idee-de-democratie-electronique-th-vedel.pdf. Acesso em 14 abr. 2020.
Véliz, Carissa. (2020). Falta de privacidade mata mais que terrorismo: o surpreendente alerta da professora de Oxford. Entrevista à Irene Hernández Velasco. BBC News Mundo. Recuperado de: https://www.bbc.com/portuguese/geral-54558878. Acesso em 12 de mar. 2021.
Wiener, Norbert. (1954). Cibernética e sociedade: O uso humano de seres humanos. São Paulo: Cultrix. Recuperado de: https://monoskop.org/images/c/c0/Wiener_Norbert_Cibernetica_e_sociedade_O_uso_humano_de_seres_humanos.pdf. Acesso em 21 ago. 2020.
Zuboff, Shoshana. (2020). A era do capitalismo de vigilância: a luta por um futuro humano na nova fronteira do poder; tradução George Schlesing. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.
Publicado
2022-06-30
Como Citar
Lemos, J. G. de, & Menezes Coelho, D. (2022). Quem Controla a Internet? // Who Controls the Internet?. Revista De Psicologia, 13(2), 10 - 25. https://doi.org/10.36517/10.36517/revpsiufc.13.2.2022.1