Mecanismos de empoderamento de mulheres negras: um estudo qualitativo // Black Women Empowering Mechanisms: a qualitative study

Palavras-chave: Mulheres negras; empoderamento; mecanismos; raça; interseccionalidade

Resumo

Propostas de promoção de empoderamento, que visam maximizar as possibilidades de ação no ambiente de vida, podem contribuir para a mudança dessa realidade ao aumentar as chances de alcançar acesso mais igualitário a recursos que favorecem condições dignas de vida, garantias de direitos, bem-estar e saúde. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi investigar, a partir da visão das participantes, elementos que podem funcionar como mecanismos favorecedores de empoderamento para as mulheres negras. Participaram do estudo 23 mulheres de três estados brasileiros. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas e a análise do material se deu por meio de Análise Temática, baseada em uma compreensão multidimensional de empoderamento. Os resultados apontam os mecanismos de empoderamento de mulheres negras localizados em três níveis de análise micro/pessoal, meso/comunitário e macro/social. Isso vai ao encontro de abordagens que compreendem o conceito a partir de uma perspectiva multidimensional e ressalta a importância de não se adotar apenas um foco individual. Os achados do estudo apontam ainda elementos que remetem a vivências interseccionadas por raça, gênero e classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia de Oliveira Alves, Universidade de Brasília

Psicóloga Clínica e Social. Doutora e Mestre em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (UnB). Docente no curso de psicologia na Universidade Paulista (UNIP). Terapeuta com especialização em Terapia Familiar e de Casais. Integra a Equipe Técnica da Direitoria de Atenção Integral às Famílias (SEDES/DF). Membro do Grupo de Estudos em Prevenção e Promoção da Saúde no Ciclo da Vida (GEPPSVida-UnB).

Stéfane Macedo de Jesus, Universidade de Brasília

Graduada em Psicologia.

Sheila Giardini Murta, Universidade de Brasília

Professora Associada do Departamento de Psicologia Clínica da Universidade de Brasília. Brasil. Doutora em Psicologia.

Referências

Aguilar-Pinto, E. Carmen, Tuñón-Pablos, Esperanza, Zapata-Martelo, Emma, Evangelista-García, A. Aremy. (2017). Mujeres, empoderamiento y microcrédit. El programa de microempresas sociales de banmujer en chiapas. Agricultura, Sociedad y Desarrollo, 14(3), 479-501.
Alves, Cláudia de O.; Murta, Sheila G.; Moreira, Ana Luísa C. (2021). Sobre presença e ausência: revisão de literatura sobre mulheres negras no SUAS. Revista ABPN, 13(36), 601-628. doi: 10.31418/2177-2770.
Baquero, Rute Vivian Angelo. (2012). Empoderamento: instrumento de emancipação social? Uma discussão conceitual. Revista debates, 6(1), 173-187. doi: 10.22456/1982-5269.26722
Barreto-Zorza, Yenny M. & Velasquez-Gutierrez, Vilma F. (2016). Centro de Desarrollo Humano Comunitario: programa para familias afrocolombianas desde la investigación acción participativa. Revista de Salud Pública, 18(5), 768-781. doi: 10.15446/rsap.v18n5.43160
Birt, Linda; Scott, Suzanne; Cavers, Debbie; Campbell, Christine & Walter, Fiona. (2016). Member Checking: A tool to enhance trustworthiness or merely a nod to validation? Qualitative Health Research, 26(13), 1802-1811. doi: 10.1177/1049732316654870
Brasil. (2018). Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: Anexo I da Portaria de Consolidação nº 2 de 28 de setembro de 2017. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde.
Brasil. (2004). Política Nacional de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social.
Braun, Virginia & Clarke, Victoria. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101. doi: 10.1191/1478088706qp063oa
Bunge, Mario. (2004). How Does it Work? The Search for Explanatory Mechanisms. Philosophy of the Social Sciences, 34(2), 182-210. doi:10.1177/0048393103262550
Carneiro, Sueli. (21 de dezembro de 2009). Mulher negra e o poder: um ensaio sobre a ausência. Portal Gelédes. Retrieved from http://www.geledes.org.br/sueli-carneiro/mulheres-negras-e-poder-um-ensaiosobre-a-ausencia.html
Carvalho, Sérgio Resende. (2004). Os múltiplos sentidos da categoria "empowerment" no projeto de promoção à saúde. Cadernos de Saúde Pública, 20(4), 1088-95. doi: 10.1590/S0102-311X2004000400024
Cattaneo, Lauren Bennett & Chapman, Aliya R. (2010). The process of empowerment: A model for use in research and practice. American. Psychological Association, 65(7), 646–659.
Collins, Patrícia Hill. (2019). Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Boitempo.
Cornwall, Andrea. (2016). Women’s empowerment: Whats works? Journal of International Development, 28, 342-359. doi: 10.1002/jid.3210
Crenshaw, Kimberlé. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, 10(1), 171-188. doi: 10.1590/S0104-026X2002000100011
Creswell, John W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (3ª ed.). Artmed.
Cyril, Sheila, Smith, Ben J., & Renzaho, Andre M. N. (2016). Systematic review of empowerment measures in health promotion. Health Promotion International, 31, 809-826. doi: 10.1093/heapro/dav059
Davis Angela. (2017). Mulheres, cultura e política. Boitempo.
Douglas, Jason A., Grills, Cheryl T., Villanueva, Sandra, & Subica, Andrew M. (2016). Empowerment praxis: Community organizing to redress systemic health disparities. Journal Community Psychology, 58, 488-498. doi: 10.1002/ajcp.12101
Foucault, Michel. (1995). O sujeito e o poder. Em Hubert L. Dreyfus & Paul, Rabinow (Orgs.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 231-249). Forense Universitária.
Frantz, Fanon. (2008). Pele negra máscaras brancas. EDUFBA.
Freire, Paulo. (2011). Pedagogia do oprimido (50ª ed.). Paz e Terra. (Trabalho original publicado em 1970).
Gonzalez, Lélia. (1988). Por un feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis International, 9, 133-141.
Hamlin, Cynthia & Peters, Gabriel. (2018). Consumindo como uma garota: subjetivação e empoderamento na publicidade voltada para mulheres. Lua Nova, 103, 167-202.
hooks, bell. (2015). Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, 16, 193-210.
Huis, Marloes A., Hansen, Nina, Otten, Sabine & Lensink, Robert. (2017). A three-dimensional model of womens’n empowerment: Implications in the field of microfinance and future directions. Frontiers in Psychology, 8, 1-14. doi: 10.3389/fpsyg.2017.01678
Kilomba, Grada. (2019). Memórias da Plantação. Episódios de Racismo Cotidiano. Cobogó.
Krieger, Nancy. (2014). Discrimination and health inequities. International Journal of Health Services, 44(4), 643–710.
Lewis, Jioni A., Williams, Marlene G., Peppers, Erica J., & Gadson, Cecile A. (2017). Applying intersectionality to explore the relations between gendered racism and health among black women. Journal of Counseling Psychology, 64(5), 475-486.
Marcondes, Mariana Mazzini, Pinheiro, Luana, Queiroz, Cristina, Querino, Ana Carolina, & Valverde, Danielle (Orgs.). (2013). Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: IPEA.
Miraftab, Faranak. (2004). Making neo-liberal governance: The disempowering work of empowerment. International Planning Studies, 9(4), 239-259. doi: 10.1080/13563470500050130
Sousa, Neusa Santos. (1983). Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Edições Graal.
Wallerstein, Nina. (2006). What is the evidence on effectiveness of empowerment to improve health? Copenhagen, WHO Regional Office for Europe (Health Evidence Network report). Retrieved from https://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0010/74656/E88086.pdf
Werneck, Jurema. (2016). Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde e Sociedade, 25(3), 535-549. doi: 10.1590/s0104-129020162610
Whitehead, Margaret, Pennington, Andy, Orton, Lois, Nayak, Shilpa, Petticrew, Mark, Sowden, Amanda, & White, Martin. (2016). How could differences in 'control over destiny' lead to socio-economic inequalities in health? A synthesis of theories and pathways in the living environment. Health and Place, 39, 51-61. doi: 10.1016/j.healthplace.2016.02.002
Williams, David R. & Priest, Naomi. (2015). Racismo e Saúde: um corpus crescente de evidência internacional. Sociologias, 17(40), 124-174. doi: 10.1590/15174522-017004004
Zimmerman, Marc A. (1995). Psychological empowerment: Issues and illustrations. American Journal of Community Psychology, 23(5), 581–599. doi: 10.1007/BF02506983
Publicado
2022-06-30
Como Citar
de Oliveira Alves, C., Macedo de Jesus, S., & Giardini Murta, S. (2022). Mecanismos de empoderamento de mulheres negras: um estudo qualitativo // Black Women Empowering Mechanisms: a qualitative study . Revista De Psicologia, 13(2), 168 - 183. https://doi.org/10.36517/10.36517/revpsiufc.13.2.2022.12
Seção
Relatos de Pesquisa