Os mecanismos de defesa presentes na neurose obsessiva: um olhar sobre a formação sintomática

  • Henrique Guilherme Scatolin Centro Universitário Herminio Ometto
Palavras-chave: Neurose obsessiva, mecanismos de defesa, sintoma obsessivo.

Resumo

Este artigo pretende enfocar os principais mecanismos de defesa presentes na neurose obsessiva, tais como o deslocamento, a formação reativa, o isolamento e a anulação. Para desenvolver tal discussão, parte de uma releitura das obras pré-psicanalíticas até Inibições, Sintomas e Ansiedade de 1926, enfocando nesta a compreensão freudiana da formação do sintoma obsessivo e dos seus principais mecanismos de defesa. Conclui que, para uma melhor compreensão da etiologia sintomática nesta neurose, é necessário analisar cada mecanismo em sua particularidade; já que este expressa a singularidade de cada sintoma em sua essência. Estes mecanismos de defesa podem ser considerados como uma máscara que encobrem o sintoma, mas ao encobrir, revelam todos os desejos recalcados, denotando a história singular de cada paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Guilherme Scatolin, Centro Universitário Herminio Ometto
Graduado em Psicologia pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), Mestre em Psicologia pela PUC-SP e doutorando em Psicologia Clínica pela PUC-SP, especificamente no núcleo de Psicanálise. Atualmente é docente do Centro Universitário Herminio Ometto (Araras/SP).
Como Citar
Scatolin, H. G. (1). Os mecanismos de defesa presentes na neurose obsessiva: um olhar sobre a formação sintomática. Revista De Psicologia, 4(1), 120-129. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/796
Seção
Artigos