Fatores associados à síndrome da fragilidade em mulheres idosas

Clóris Regina Blanski Grden, Vanessa Regina de Andrade, Luciane Patrícia Andreani Cabral, Péricles Martim Reche, Pollyanna Kássia de Oliveira Borges

Resumo


Objetivo: avaliar os fatores associados à síndrome da fragilidade em mulheres idosas de um ambulatório. Métodos: estudo transversal com 252 idosas. Aplicou-se o Mini Exame do Estado Mental e a Escala de Fragilidade de Edmonton. A associação de variáveis foi realizada por meio da regressão linear simples (testes F de Fisher e t de Student), p≤0,05.Resultados: predominaram as casadas (44,4%), com baixa escolaridade (50,0%) e que moravam com familiares (50,8%). Entre elas, 28,6% possuíam fragilidade leve, 13,0% moderada e 3,6% severa. Os fatores associados à síndrome foram idade (p=0,021), nível de escolaridade (p=0,001), residir com familiares (p=0,013), doenças (p=0,023), quedas meses (p=0,001) e hospitalização nos últimos 12 meses (p=0,001).Conclusão: evidenciou-se que quase metade da amostra apresentou algum tipo de fragilidade. Assim, é importante avaliar frequentemente essa população, considerando fatores associados que podem contribuir para a fragilidade.

Palavras-chave


Idoso; Idoso Fragilizado; Enfermagem; Enfermagem Geriátrica.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este trabalho está licenciado sob Creative Commons – Licença CC BY  https://creativecommons.org/licenses/

 Marca ABEC Completa