Associação entre fatores maternos e neonatais e o Apgar em recém-nascidos de risco habitual

Palavras-chave: Recém-Nascido, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, Resultado da Gravidez, Índice de Apgar.

Resumo

Objetivo: verificar associação entre fatores maternos e neonatais e o índice de Apgar <7 aos cinco minutos de vida. Métodos: estudo transversal com 134 recém-nascidos. Para análise dos dados coletados com instrumento elaborado pelos pesquisadores, utilizou-se a descrição das frequências absolutas e relativas e a aplicação dos testes Qui-quadrado ou exato de Fisher. Resultados: do total de recém-nascidos, 63,0% tinham mãe primigesta, 56,0% eram do sexo masculino, 79,0% nasceram de parto normal, 65,0% demandaram oxigênio e 45,0% foram reanimados na sala de parto. Entre as mulheres, 71,0% utilizaram ocitocina. Conclusão: uso de ocitocina, oxigênio e reanimação em sala de parto mostraram associação significativa com Apgar <7 aos cinco minutos de vida. Peso ao nascer, tempo de bolsa rota, eliminação de mecônio, tipo de parto e paridade não se relacionaram ao baixo valor de Apgar.

Referências

Tadielo BZ, Neves ET, Arrué AM, Silveira A, Ribeiro AC, Tronco CS, et al. Morbidade e mortalidade de recém-nascidos em tratamento intensivo neonatal no Sul do Brasil. Rev Soc Bras Enferm Ped [Internet]. 2013 [citado 2017 jan. 12]; 13(1):7-12. Disponível em: http://www.sobep.org.br/revista/component/zine/article/163-morbidade-e-mortalidade-de-recm-nascidos-em-tratamento-intensivo-neonatal-no-sul-do-brasil.html

Grupo Técnico para o acompanhamento dos ODM. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Objetivos de desenvolvimento do milênio: relatório nacional de acompanhamento. Brasília: Ipea; 2014.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Danilack VA, Nunes AP, Phipps MG. Unexpected complications of low-risk pregnancies in the United States. Am J Obstet Gynecol. 2015; 212(6):e1-809.e6. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.ajog.2015.03.038

Borba GG, Neves ET, Arrué AM, Silveira A, Zamberlan KC. Fatores associados à morbimortalidade neonatal: um estudo de revisão. Saúde (Santa Maria). 2014; 40(1):9-14. doi: http://dx.doi.org/10.5902/223658347774

Costa ALRR, Araújo Júnior E, Lima JWO, Costa FS. Fatores de risco materno associados à necessidade de unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Bras Ginecol Obstet [Internet]. 2014 [citado 2017 jan. 12]; 36(1):29-34. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v36n1/0100-7203-rbgo-36-01-00029.pdf

Freitas ZMP, Pereira CU, Oliveira DMP. Avaliação do nível de consciência de recém-nascidos com asfixia neonatal. Proposta para unidades de tratamentos intensivos neonatais. Pediatr Mod [Internet]. 2013 [citado 2017 jan 20]; 49(10):419-26. Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=5524

Basso CG, Neves ET, Silveira A. The association between attending prenatal care and neonatal morbidity. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(2):269-76. doi. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000200003

Hidalgo-Lopezosa P, Hidalgo-Maestre M, Rodríguez-Borrego MA. Labor stimulation with oxytocin: effects on obstetrical and neonatal outcomes. Rev Latino-Am Enfermagem. 2016; 24:e2744. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.0765.2744

Sousa AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Practices in childbirth care in maternity with inclusion of obstetric nurses in Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery. 2016; 20(2):324-31. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160044

Motta SAMF, Feitosa DS, Bezerra STF, Dodt RCM, Moura DJM. Implementation of humanized care to natural childbirth. Rev Enferm UFPE on line. 2016 [cited 2017 Sep. 30]; 10(2):593-9. Available from: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/6990/pdf_9608

Mousa WF, Al-Metwalli R, Mostafa M. Epidural analgesia during labor vs no analgesia: a comparative study. Saudi J Anaesth.2012; 6(1):36-40. doi:http://dx.doi.org/10.4103/1658-354X.93055

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, et al. Prenatal care in Brazil. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Suppl1):85-100. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00126013

Oliveira BRG, Vieira CS, Furtado MCC, Mello DF, Lima RAG. Perfil de morbidade de crianças hospitalizadas em um hospital público: implicações para a Enfermagem. Rev Bras Enferm. 2012; 65(4):586-93. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000400006

World Health Organization. WHA global nutrition targets 2025: low birth weight policy brief. South Asia: World Health Organization; 2014.

Coordenação Geral do Programa de Reanimação Neonatal da SBP, International Liaison Committee on Resuscitation (ILCOR) Neonatal Task Force. Programa de Reanimação Neonatal. Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria. São Paulo: SBP; 2016.

American Academy of Pediatrics Committee on Fetus and Newborn. American College of Obstetricians and Gynecologists Committee on Obstetric Practice. The Apgar score. Pediatrics. 2015; 136(4):819-22. doi: http://dx.doi.org/10.1542/peds.2015-2651

Publicado
2018-04-10
Seção
Artigos de Pesquisa