Concepção de um jogo sério baseado no Design Participativo para educação em higiene bucal de crianças

Palavras-chave: Jogos de vídeo, Educação em saúde, Aplicativos móveis

Resumo

Objetivo: O objetivo deste artigo é descrever o processo de concepção de um jogo sério, o Oral Health Kids, desenvolvido para educar em higiene bucal infantil mediante a participação de pais ou responsáveis. Método: O jogo foi desenvolvido pelo método do Design de Interação Participativo Centrado no Usuário, ou Design Participativo (DP), de Preece, Rogers e Sharp (2013), e contou a participação de uma equipe multidisciplinar que envolveu um dentista, um desenvolvedor de software, um ilustrador e educadores. O protótipo foi usado e testado por dez professoras da educação infantil. Foi desenhado para o público infantil, entre quatro e sete anos. Resultados: O jogo possui duas áreas: a da criança e a do seu responsável. Tem um enredo baseado no universo infantil, quatro fases progressivas de evolução e motivação intrínseca tanto para crianças quanto para pais, história em quadrinhos, avatares e material educativo disponibilizado aos responsáveis sobre saúde e higiene bucal à proporção que a criança acumula pontos para avançar de fase. Conclusão: O jogo sério apresentado indica viabilidade, material pedagógico apropriado e demonstrou ser uma ferramenta que, com os devidos ajustes e implementações apresenta-se como uma opção auxiliar de educação em saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emanuel Morais, Universidade Estadual do Ceará

Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Coordenador do Núcleo de Educação Permanente em Saúde da Secretaria de Saúde de Caucaia, professor da disciplina Saúde Bucal Coletiva II na Faculdade Paulo Picanço, preceptor da Residência Integrada em Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará, parecerista do Comitê de Ética de pesquisas envolvendo seres humanos da Universidade Estadual do Ceará, Especialista em Práticas Clínicas na Estratégia Saúde da Família pela Escola de Saúde Pública do Ceará, graduado em Odontologia pela Universidade Federal do Ceará.

Clarice Maria Araújo Chagas Vergara, Universidade Estadual do Ceará

Nutricionista graduada pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, Pós-doutorado em Saúde Coletiva - UECE, Doutorado em Biotecnologia - RENORBIO, Mestrado em Tecnologia de Alimentos - UFC. Professora Adjunta do Curso de Nutrição da Universidade Estadual do Ceará. Professora Colaboradora do Mestrado Acadêmico em Nutrição e Saúde da Universidade Estadual do Ceará. Professora do Curso de Especialização em Gestão da Qualidade em Serviços de Alimentação da UECE. Coordenadora do Grupo de Estudos em Alimentação Coletiva (GEAC) - UECE. Docente integrante do grupo de pesquisa Nutrição e Doenças Crônico-Degenerativas. 

José Eurico de Vasconcelos Filho, Universidade de Fortaleza

Doutor em Ciências da Computação (IHC) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio. Mestre em Informática Aplicada (Inteligência Artificial) pela Universidade de Fortaleza. Diretor de Tecnologia, Professor Adjunto de Engenharia da Computação e do Mestrado Profissional em Tecnologia e Inovação em Enfermagem e da Pós Graduação em Saúde Coletiva da Universidade de Fortaleza. Diretor de Cidadania e Cultura Digital da Coordenadoria de Ciência Tecnologia e Inovação (CITINOVA) da Prefeitura de Fortaleza. Membro da ACM - Special Interest Group on Computer Human Interaction - SIGCHI e da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). Trabalha em pesquisa e desenvolvimento nas áreas de tecnologias em saúde (eHealth), Interação Humano-Computador, Jogos Sérios, Gamificação.

Helena Alves de Carvalho Sampaio, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Nutrição pela Universidade de São Paulo, Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará e Doutorado em Farmacologia pela mesma universidade. É professora emérita da Universidade Estadual do Ceará (UECE), lecionando nesta desde 1980 e é membro do corpo docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Mestrado e Doutorado) da UECE, respondendo pelas disciplinas Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissíveis e Letramento Funcional em Saúde. Docente do Mestrado Profissional em Gestão em Saúde da UECE, respondendo pela disciplina Gestão da Clínica em Saúde e Estratégias de Letramento em Saúde. Bolsista de Produtividade CNPq - PQ2, triênio 03/2011-02/2014. É orientadora de dissertações e teses dos referidos Programas. Exerce atividade de revisora do Jornal de Pediatria, da Revista de Nutrição e do British Journal of Nutrition. É integrante da International Health Literacy Association e da Rede Brasileira de Letramento em Saúde (REBRALS).

Virgílio Rocha Ximenes, Faculdade 7 de Setembro

Pós-graduação em Engenharia de Software pela Faculdade 7 de Setembro.

Referências

Kämpf C. A geração Z e o papel das tecnologias digitais na construção do pensamento. Com Ciência [Internet]. 2011;(131):4. Available from: http://comciencia.scielo.br/pdf/cci/n131/a04n131.pdf.

Veloso EFR, Silva RC, Dutra JS. Diferentes gerações e percepções sobre carreiras inteligentes e crescimento profissional nas organizações. Revista Brasileira de Orientação Profissional. [Internet]. 2012; 13(2):197–208. Available from: http://www.redalyc.org/html/2030/203024746007/.

Preece J, Rogers Y, Sharp H. Design de interação:além de interação homem-computador. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

da Cruz JRU, Monteiro AM. Requisitos para o Desenvolvimento de Objetos de

Aprendizagem Reutilizáveis para Dispositivos Móveis. In Anais do XXX Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. [Internet]. 2019; 1 (Cbie): 81-88. Available from: https://br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/8712/6273.

Jordan RE, Lancashire RJ, Adab P. An evaluation of Birmingham Own Health® telephone care management service among patients with poorly controlled diabetes. a retrospective comparison with the General Practice Research Database. BMC Public Health, 2011; 11. Available from: https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/1471-2458-11-707.

Pereira AB, Piconez S, Zimmer J, Silva FSC. Jogos Digitais no desenvolvimento de conceitos matemáticos sob perspectiva BYOD e abordagem m-Learning na escola pública. In: Anais do Workshop de Informática na Escola (WIE 2016). 2016; 22(1): 71-80. Available from: https://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/6604.

Santos ML, De Souza R, Da Silva MCDL. MEIO: M-learning, social networks and gamification for environmental education. In: 2016 8th Euro American Conference on Telematics and Information Systems EATIS. 2016: 1-8. Available from: https://ieeexplore.ieee.org/abstract/document/7520119.

Michael DR, Chen S. Serious games: games that educate, train, and inform. Boston: Thomson, 2006.

Alvarez J, Michaud L. Serious games: advergaming, edugaming, training and more. England: Idate, 2008.

Déglise C, Suggs LS, Odermatt P. SMS for disease control in developing countries: a systematic review of mobile health applications. J TelemedTelecare. [Internet]. 2012; 18(5): 273-281. Available from: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1258/jtt.2012.110810.

Brasil SB, Dos Santos BP, Ferenhof HA. Mobile Learning: um estudo exploratório sobre aprendizagem com mobilidade no Brasil. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM). [Internet]. 2018; 7(19): 12-24. Disponível em: http://stat.entrever.incubadora.ufsc.br/index.php/IJKEM/article/view/5239.

Thomaz M, Gomes S, Tessmann V. Tecnologia para dispositivos móveis [Internet]. 2011; Pelotas: Instituto Federal Sul-Rio-Grandense. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/62542168/Artigo-Tecnologia-para-dispositivos-moveis.

Ferreira DAAF, dos Santos DTP, Modesto EC, Velasco JO, Elisiário LS, Alves VP et al. “O uso do software educativo Navega Feliz na inclusão digital e no tratamento terapêutico de vítimas de escalpelamento atendidas pela Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará”. In: Revista RENOTE – XVIII Ciclo de Palestras Novas Tecnologias na Educação. Porto Alegre: dez./2011: 9 (2): 1-10. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/36118.

Gabriel CG, Santos MV, De Vasconcelos FDAG. Avaliação de um programa para promoção de hábitos alimentares saudáveis em escolares de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rev Bras Saude Mater Infant. [Internet]. 2008; Jul./Set; 8(3):.299-308. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v8n3/a09v8n3.pdf

Bertin RL, Malkowski J, Zutter LCI, Ulbrich AZ. Estado nutricional, hábitos alimentares e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev Paul Pediatr. [Internet]. 2010; 28(3): 303-308.

Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4060/406038934008.pdf.

Munguba MCS. Educação na saúde – sobreposição de saberes ou interface? RBPS. [Internet]. 2010; 23(4):295-296. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/viewFile/2029/2324.

Aljafari A; Gallagher JE.; Hosey MT. Can oral health education be delivered to high‐caries‐risk children and their parents using a computer game? A randomised controlled trial. International journal of paediatric dentistry. 2017: 27 (6): 467-485. DOI: 10.1111/ipd.12286. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/ipd.12286

Publicado
2020-04-17