A simulação como estratégia de formação de profissionais da saúde

Palavras-chave: Acidentes de Trânsito, Prevenção de Acidentes, Exercício de Simulação

Resumo

Objetivo: O estudo teve como objetivo verificar se a participação no simulado sobre atendimento às vítimas de agravos em trânsito contribuiu para o aprimoramento dos conceitos, habilidades e conhecimento dos participantes. Métodos: A coleta de dados consistiu na abordagem das equipes, na qual foi entregue o questionário para o próprio participante responder. O instrumento foi composto por questões relacionadas às características sociodemográficas e sobre a participação no simulado. Os dados obtidos nos questionários foram analisados utilizando o programa estatístico Data Analysis and Statistical Software (Stata), versão 13, por meio de estatística descritiva. Resultados: A avaliação final da atividade feita pelos participantes foi positiva e evidenciou satisfação frente à assimilação de conteúdo teórico e prático e também ao aprimoramento de habilidades e conhecimentos. Conclusão: Considerando suas potencialidades e fragilidades, vê-se diversos benefícios para os que utilizam a simulação como metodologia. Com isso, faz-se necessário um constante investimento em novas metodologias de ensino para que estudantes e profissionais absorvam cada vez mais conhecimento e, assim, cometam menos erros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karla Rona da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Escola de Enfermagem

Doutora em Biomedicina pelo Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa de Belo Horizonte. Mestre em Ciências da Saúde pela UNINCOR / Betim. Especialista em Urgência e Atendimento pré-hospitalar Móvel pela Universidade Estácio de Sá/BH. Possui graduação em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Atualmente é professora Adjunto II do Departamento de Enfermagem Aplicada da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (EEUFMG) no Curso de graduação em Gestão de Serviços de Saúde. Professora e Sub-coordenadora do Curso de Mestrado Profissional em Gestão de Serviços de Saúde da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais. Líder do Núcleo de Pesquisa Gestão em Saúde - NUGES e Membro Titular no Núcleo de Estudos e Pesquisas em Urgência e Emergência (NEPEU) ambos da EE/UFMG; e no grupo de Pesquisa do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem e Saúde (NUPES), da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Pesquisadora desenvolvendo estudos relacionados aos temas: Enfermagem; Serviços e profissionais de saúde; Liderança; Trabalho em equipe; Gestão de Pessoas; Tomada de Decisão; Urgência e Emergência. 

Sara Moura Martins, Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais

Aluna do Curso de Graduação em Gestão de Serviços de Saúde da Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais.

Shirlei Moreira da Costa Farias, Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais

Aluna do Curso de Graduação em Gestão de Serviços de Saúde da Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais.

Alanna Gomes Silva, Programa de Pós-Graduação da Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação da Escola de Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

Protetti FH. Afinal, existe alguém aspecto positivo no modelo da Escola Tradicional? Revista Espaço Acadêmico. 2010; 9 (106): 75-83.

Santos JCF. A aprendizagem significativa passa pela avaliação formativa. 2015 [acessado 2019 Jul 09]. Disponível em: http://juliofurtado.com.br/wp-content/uploads/2015/08/Texto-A-apz-significativa-passa-pela-avalia%C3%A7%C3%A3o-formativa.pdf

Mitre SM, Siqueria-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, Morais-Pinto NM, Meirelles CAB, Pinto-Porto Claudia, Moreira T, Hoffmann LMA. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Cien Saúde Colet 2008; 13 (Supl 2): 2133-2144. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018

Tanaka RY, Catalan VM, Zemiack J, Pedro ENR, Cogo ALP, Silveira DT. Objeto educacional digital: avaliação da ferramenta para prática de ensino em enfermagem. Revista Acta Paulista de Enfermagem 2010; 23 (5): 603-607. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000500003

Pazin Filho A, Scarpelini S. Simulação: definição. Medicina 2007; 40 (2):162-166.

Gogle J. Using Simulation-Based Learning to Prepare for a Potential Cardiac Emergency on the Labor Unit. Nursing for Women’s Health 2017; 21(1): 20-27. https://doi.org/10.1016/j.nwh.2016.12.009

Ferreira C, Carvalho JM, Carvalho FLQ. Impacto da metodologia de simulação realística, enquanto tecnologia aplicada a educação nos cursos de saúde. In: Anais do II Seminário de tecnologias aplicados a educação e saúde; 2015; Salvador.

Zahao Z, Niu P, Ji X, Sweet RM. State of simulation in healthcare education: An initial survey in Beijing. Scientific Paper 2017; 21 (1): 1-8.

Roman C, Ellwanger J, Becker GC, Silveira AD, Machado CLB, Manfroi WC. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clinical Biomedical Research 2017; 37 (4): 349-357. http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/2357-9730.73911.

Dourado ASS; Giannella TR. Ensino Baseado em Simulação na Formação Continuada de médicos: análise das Percepções de alunos e Professores de um Hospital do Rio de Janeiro. Rev. Bras de Educação Médica 2014; 38 (4): 460-469. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022014000400007

Fernandes AKC; Ribeiro LM; Brasil GC, Magro MCS; Hermann PRS; Ponce-de-Leon CGRM; Viduedo AFS; Funghetto SS. Simulação como estratégia para o aprendizado em Pediatria. REME- Rev Min Enferm 2016; 20 (976): 1-8. DOI: 10.5935/1415-2762.20160046

Silva YC; Roquete FF. Competências do gestor em serviços de saúde: análise da produção científica, no período de 2001 a 2011. RAS- Revista de Administração em Saúde 2013; 15 (58): 2-12.

Flentje M; Müßel T; Henzel B; Jantzen JP. Simulating a patient's fall as a means to improve routine communication: Joint training for nursing and fifth-year medical students. GMS J Med Educ 2017; 33 (2): Doc19.

Sánchez-Ledesma MJ, Juanes JA, Sáncho C, Alonso-Sardón M, Gonçalves J. Acquisition of Competencies by Medical Students in Neurological Emergency Simulation Environments Using High Fidelity Patient Simulators. J Med Syst 2016; 40 (6): 139. DOI 10.1007/s10916-016-0496-3

Cheng A; Grant V; Auerbach M. Using Simulation to Improve Patient Safety: Dawn of a New Era. JAMA Pediatr 2015; 169 (5): 419–420. doi:10.1001/jamapediatrics.2014.3817.

Issenberg SB; Mcgaghie WC; Petrusa ER; Gordon DL; Scalese RJ. Features and uses of high-fidelity medical simulations that lead to effective learning: a BEME systematic review. Medical Teacher 2005; 27 (1): 10-28. https://doi.org/10.1080/01421590500046924

Ilgen J; Sherbino J; Cook D. Technology-enhanced simulation in emergency medicine: A systematic review and meta-analysis. Acad Emerg Med 2013; 20 (2):117-127, 2013. https://doi.org/10.1111/acem.12076

Publicado
2020-04-17