Telessaúde acadêmica como apoio ao internato médico

Conhecimento e percepção dos profissionais no campo de prática

Palavras-chave: Telessaúde, Educação médica, Atenção primária à saúde

Resumo

Introdução: a Telessaúde como apoio ao internato médico contribui para a capacitação das equipes e dos estudantes, além de melhorar o atendimento aos usuários dos serviços de saúde. Esta pesquisa objetivou conhecer os recursos disponíveis e o entendimento das equipes, bem como estabelecer ações para sensibilização e capacitação sobre o tema, na atenção básica. Métodos: trata-se de pesquisa-ação aplicada a grupo de conveniência de funcionários atuantes nas unidades de atenção básica, campo de prática do internato médico. Foi realizada a aplicação de um questionário reflexivo e ação educativa sobre a Telessaúde. Resultados: o grupo foi composto por 70 funcionários, 58 (82,9%) do sexo feminino, 39 (56%) agentes comunitários de saúde e 35 (50%) disseram conhecer ou ter ouvido falar da Telessaúde previamente. Dos respondentes, 23 (71,9%) disseram que não sabiam ou que os equipamentos não estavam disponíveis em sua unidade e 28 (85%) informaram não ter recebido capacitação sobre o tema. Para os que conheciam ou depois da sensibilização, 67 (97%) identificaram a possibilidade de uso e 69 (100%) julgaram o recurso útil.  Conclusão: apesar da pequena utilização, foi identificado o potencial para sua aplicação depois da capacitação. Acredita-se que a implantação da Telessaúde acadêmica seja um fator de estímulo ao uso desse recurso no cotidiano dessas equipes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara Cintia de Jesus Silva, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Graduada no curso de medicina na Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

Marta Silva Menezes, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal da Bahia (1981), mestrado em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia (1990) e doutorado em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia (1997). Atualmente é médica - Secretaria de Saúde do Estado da Bahia e profa. Titular do Curso de Medicina e do Curso de Mestrado em Tecnologias em Saúde da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, atuando com Coordenadora do Curso de Medicina de 2005 a 2012. Atualmente coordenadora do Núcleo de Telemedicina e Telessaúde da Bahiana (NUTESB). Especialização Educação para profissionais da área da Saúde pela UFC- FAIMER. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em cardiologia e educação em ensino na saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: educação médica, risco cardiovascular, magnésio, valvulopatia reumática crônica e doença arterial coronariana. Coordenadora de Grupo de Pesquisa no CNPq e participante do projeto PET/Saúde-Redes de Atenção da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Pós-doutorado no Projeto Pro Ensino FCM- UNICAMP 2036/2010 com apoio FAPESB.

Marília Menezes Gusmão , Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Mestre em Tecnologias em Saúde. Médica graduada no curso de Medicina da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. 

Carolina Villa Nova Aguiar, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Doutora em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, na linha de pesquisa Indivíduo e Trabalho: processos microorganizacionais (2016). Mestre em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (2012). Graduada em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia (2009) e em Administração de Empresas pela Faculdade Ruy Barbosa - Devry (2015). Líder do Núcleo de Estudos em Processos Psicossociais e Trabalho (NEPPT/EBMSP) e Pesquisadora nos grupos de pesquisa Indivíduo, Organização e Trabalho (UFBA) e Pró-Ensino na Saúde (EBMSP). Professora Adjunta no curso de psicologia da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP) e professora nível Doutor II no curso de administração da Faculdade Ruy Barbosa - Wyden. Áreas de interesse de pesquisa: Interfaces entre o trabalho e a família; Vínculos organizacionais; Cultura organizacional; Estratégias de enfrentamento; Indicadores de saúde mental e adoecimento do trabalhador.

Liliane Elze Falcão Lins Kusterer, Universidade Federal da Bahia

Graduada em Odontologia pela Universidade Federal da Bahia (1993), Mestre em Odontologia com concentração em Estomatologia pela Universidade Federal da Bahia (2001), Doutora em Patologia Humana pelo Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz / Fundação Oswaldo Cruz / BA (2004), Pós-Doutora em Medicina e Saúde Humana pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde e Saúde Pública (2007), Livre Docente em Bioética pela Faculdade de Medicina da Bahia (FMB-UFBA). Professora Titular da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública de 2005 até maio de 2017, sendo atualmente Pesquisadora Visitante da EBMSP, sem vínculo empregatício. Atualmente Professora em Regime de Dedicação Exclusiva do Departamento de Medicina Preventiva e Social da Faculdade de Medicina da UFBA e professora permanente do Programas de Pós-graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho (FMB-UFBA). Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Medicina e Saúde (FMB-UFBA). É estomatologista do ambulatório de transplante de fígado na Universidade Federal da Bahia, Hospital Universitário Professor Edgard Santos (HUPES) e do Programa de Residência Multiprofissional, Odontologia Hospitalar do Complexo HUPES. Professora do curso de especialização em Saúde Coletiva com área de concentração em saúde da família voltado para cirurgiões-dentistas pela Universidade Federal da Bahia. Membro Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. Pesquisadora na área de Qualidade de vida, membro da Sociedade Internacional de Estudos em Qualidade de Vida (International Society for Quality-of-Life Studies- ISQOLS) a da Sociedade Internacional de Pesquisa em Qualidade de Vida ( International Society for Quality of Life Research- ISOQOL), Membro do Comitê de Associados da ISOQoL no biênio 2018-2020. Atua nas seguintes áreas de interesse: qualidade de vida relacionada à saúde geral e saúde bucal em pacientes com doenças crônicas e infecciosas (Hepatites virais, HIV, HTLV) e Qualidade de vida em saúde do trabalhador, Membro fundador e atual coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Educação Transdisciplinar em Bioética (NETBIO) da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia, membro da Associação Internacional Schweitzer Lambarene (AISL), França-Gabão. Coordenadora do Convênio Internacional AISL-UFBA. Vice-coordenadora do Comitê de Ética e Pesquisa da Faculdade de Medicina da Bahia. Coeditora do Brazilian Journal of Medicine and Human Health. Membro da Academia de Ciências da Bahia.

José Roberto dos Santos Andrade, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Doutorando em Medicina e Saúde Humana pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Mestre em Desenvolvimento e Responsabilidade Social pela Fundação Visconde de Cairu. Especialista em Segurança da Informação pela Faculdade DeVry Área1, Especialista em Educação a Distância pela Faculdade Visconde de Cairu e Graduação em Sistema de Informação pelo Centro Universitário da Bahia. Atualmente é professor assistente do Curso de Medicina e Informática em Saúde(EAD) da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública e Coordenador de informática e Professor da Fundação Visconde de Cairu. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Sistemas de Computação, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino a Distância, Implantação de ERP Totvs e Gerenciamento de Banco de Dados. Experiência em Educação a Distância desde 2008 com implementação da plataforma Moodle na Fundação Visconde de Cairu.

Rafael Carneiro de Lélis, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Acadêmico do quarto ano do curso de Medicina da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP) e do primeiro ano do curso de Tecnólogo em Informática em Saúde - EAD (EBMSP). Supervisor Discente Geral do Grupo de Ciências Morfofuncionais (GCM), monitoria vinculada ao Laboratório Morfofuncional da EBMSP. Membro da Comissão Local de Estágios e Vivências (CLEV) da EBMSP. Participou da Liga Acadêmica de Clínica Médica (LACM), Liga Acadêmica de Emergências Pré-Hospitalares (LAEPH) e Liga Acadêmica de Medicina Legal (LAMEL), sendo membro fundador das duas últimas. Atual Vice-Presidente da Liga Acadêmica de Gestão em Saúde (LAGS), da qual também é membro fundador. Ex-coordenador geral do Diretório Acadêmico Pirajá da Silva (DAPS). Participa do grupo de pesquisa Pró-ensino na Saúde, atuando nas seguintes áreas: recursos tecnológicos atrelados à educação médica, telemedicina, profissionalismo médico e campanha Choosing Wisely. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) da EBMSP no período de 2019 - 2020. Membro discente associado da Sociedade Brasileira de Anatomia (SBA) e da Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM).

Referências

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº3 de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina. Diário Oficial da União. Brasília, 23 jun. 2014; Seção 1, p.8-11.

Sood S, Mbarika V, Jugoo S, Dookhy R, Doarn C, Prakash N et al. What Is Telemedicine? A Collection of 104 Peer-Reviewed Perspectives and Theoretical Underpinnings. Telemedicine and e-Health. 2007;13(5):573-590.

Maldonado JMSV, Marques AB, Cruz A. Telemedicina: desafios à sua difusão no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546 de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Brasília 2011.

Damasceno R, Caldeira A. Fatores associados à não utilização da teleconsultoria por médicos da Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva [on line]. 2019. 24(8). [capturado em 29 set. de 2019]. 3089-3098. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v24n8/1413-8123-csc-24-08-3089.pdf.

Brasil. Edital n° 13 para o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde PET-SAÚDE/GRADUASUS - 2016/2017. Diário Oficial da União: seção 3, Brasília, DF, p. 126-127, 29 set. 2015.

Picheth S, Cassandre M, Thiollent M. Analisando a pesquisa-ação à luz dos princípios intervencionistas: um olhar comparativo. Educação [on line]. 2016. v. 39, n. esp. (supl.) [capturado em 6 jun.de 2016] s3-s13. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/24263.

Tripp D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e pesquisa [on line].2005.31(3) [capturado 6 jun. de 2016]; 443-466. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf.

Andrade C. Telessaúde-Brazil Program: Rio de Janeiro Center – Reflections on the involvement of community health workers. Revista de Enfermagem UFPE [on line]. 2011. 5(6) [capturado em 19 out.

;1452-1462. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/6815/6063.

Salvador. Prefeitura Municipal de Salvador; Secretaria Municipal de Saúde; Diretoria de Atenção à Saúde; Coordenadoria da Atenção Primária à Saúde. Avaliação das Oficinas de Orientação para o uso de Telessaúde – Relatório 2016 – Síntese Anual. Salvador – Ba, Janeiro de 2017.

Andrade RCC. Equipamentos de informatização nas unidades de atenção básica do Brasil: análise baseada no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade – PMAQ. Brasília; 2014. Pós-Graduação [Dissertação]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Bahia. Governo do Estado da Bahia; Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Nota técnica n°01/2012. Salvador, 16 de janeiro de 2012.

Bahia. Serviço Público Estadual. Resolução CIB n° 032/2013. Salvador, 25 de fevereiro de 2013.

Carpintero et al., Teleconsultations in Public Primary Care Units of the City of Belo Horizonte, Brazil:Profile of Patients and Physicians . Telemedicine and e-health Vol. 19 no. 8 august 2013.

Campos FE, Haddad AE, Wen CL, Alkmim MBM, Cury P. The National Telehealth Program in Brazil: an Instrument of Support for Primary Health Care. Latin Am J Telehealth. 2009; 1(1), 39-66.

Piropo TGN, Amaral HOS. Telessaúde, contextos e implicações no cenário baiano. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v. 39, n. 104, p. 279-287, Jan-Mar 2015.

Publicado
2020-04-17