Tecnologias educacionais digitais na formação de preceptores para residências multiprofissionais no SUS

Palavras-chave: Residências multiprofissionais, Preceptoria, Tecnologia educacional

Resumo

Introdução: Os Programas de Residências Multiprofissionais em Saúde são pós-graduações lato-sensu, caracterizando-se como ensino em serviço. Fazem parte do programa de educação permanente, formando assim novos profissionais de saúde para o SUS. Objetivo: esse trabalho objetiva expor a experiência de reflexão e construção de uma proposta de formação de preceptores para os programas de residência, através do uso de tecnologias educacionais digitais e metodologias ativas de ensino-aprendizagem, com o objetivo de iniciar um processo de educação continuada junto a esses profissionais. Método: Foram elencados artigos científicos e documentais para embasar a importância de trabalhar a formação docente desses preceptores. Em seguida, foram pensadas temáticas importantes para a iniciação da formação, bem como para sua estruturação. Resultado: o produto desse relato é uma análise sobre a formação de preceptores, gerando subsídios para educação continuada, bem como dos recursos tecnológicos de avaliação desse processo pedagógico. Conclusão: Assim, concluímos que a formação pedagógica para preceptores de residências fortalece os programas e consequentemente a especialização de novos profissionais para o SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emanuelly Mota Silva Rodrigues, Escola de Saúde Pública do Estado do Ceará

Psicóloga (UNIFOR) especialista em Cuidados Paliativos (UECE/UNIMED), Tecnologias Educacionais para Prática Docente no Ensino da Saúde na Escola (FIOCRUZ) e especializanda em Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde (FIOCRUZ). Possui capacitação em Gestão de Programas de Residencias em Saúde (Hospital Sírio-Libanês). Coordenadora de Ensino e Pesquisa do Centro Regional Integrado de Oncologia (CRIO) e coordenadora da Residência Integrada em Saúde na ênfase Cancerologia vinculado a Escola de Saúde Pública do Estado do Ceará.

Karla Kristine Dames da Silva, Fundação Oswaldo Cruz - CE

Doutora em Ciências pela UERJ (Fisiopatologia Clínica e experimental, 2014) com experiência de estágio pós-doutoral (UFPE, 2018). Mestre em Ciências pela UERJ. Especialista em Ativação de Processos de Mudança no Ensino Superior em Saúde ENSP/FIOCRUZ. Especialista em Fisiologia Humana e do Exercício pela FAMATH (2006). Graduada em Fisioterapia pela Universidade Estácio de Sá.

Referências

Organização Mundial de Saúde. Constituição da Organização Mundial de Saúde (OMS/WHO). 1946

Ministério da Saúde (BR). Portaria n.198. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília, DF. 2004

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2005;10(4):975-986.

Amancio Filho A. Dilemas e desafios da formação profissional em saúde. Interface (Botucatu), 2004;8(15):375-380.

Dallegrave D; Ceccim RB. Encontros de aprendizagem e projetos pedagógicos singulares nas residências em Saúde. Interface (Botucatu). 2018;22(66):877-887.

Nascimento DDG; Oliveira MAC. A política de formação de profissionais de saúde para o SUS: considerações sobre a residência multiprofissional em saúde da família. Rev. Mineira de Enfermagem, 2006;10(4):435-439.

Neta AA; Alves MSCF. A comunidade como local de protagonismo na integração ensino-serviço e atuação multiprofissional. Trab. educ. saúde. 2016;14(1):221-235.

Pretto N de L.; Riccio NCR. A formação continuada de professores universitários e as tecnologias digitais. Educar. 2010;26(37):153-169.

Afonso DH; Silveira LMC. Os desafios na formação de futuros preceptores no contexto de reorientação da educação médica. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2012;11 (Supl. 1):82-86.

Aguiar AC (org.). Preceptoria em Programas de Residência: ensino, pesquisa e gestão. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/UERJ; 2017.

Coelho MO; Jorge MSB. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc. saúde coletiva. 2009;14 (Supl.1):1523-1531.

Fofonca E (Coord.); Brito G.S; Estevam M; Camas NPV (Orgs.). Metodologias pedagógicas inovadoras: contextos da educação básica e da educação superior. Curitiba: Editora IFPR; 2018.

Valente J. A comunicação e a educação baseada no uso de tecnologias digitais de informação e comunicação. Revista UNIFESTO. 2014;1(1):141-166.

Publicado
2020-04-17