Fisioterapia e suporte social na ótica de mães de bebês prematuros

uma experiência vivenciada em grupo temático na internet

Palavras-chave: bebê prematuro, mídias sociais, fisioterapia

Resumo

Objetivo: Conhecer a perspectiva de mães de bebês prematuros em relação à sua participação em grupos temáticos em mídia social, na busca de cuidado qualificado para o filho, em especial sobre a estimulação precoce. Método: Trata-se de um estudo observacional, que utilizou como método de análise a etnografia virtual com observação participativa em um grupo aberto online brasileiro, hospedado na rede social Facebook®, que reúne mães de crianças que nasceram prematuras. Resultados: Participaram do estudo 9 mães. A análise dos dados permitiu a sistematização dos resultados em duas unidades temáticas: 1) a experiência de participar de um grupo temático sobre prematuridade na internet, onde foi observado o sentido e o significado de compartilhar em um grupo online a experiência de ter um filho prematuro; 2) a importância da fisioterapia para o filho prematuro, referindo-se ao reconhecimento das mães participantes do grupo online quanto à relevância da fisioterapia no cuidado do filho prematuro. Conclusão: Redes de apoios e grupos temáticos, como o grupo de mães de bebês prematuros na rede social Facebook®, permitem a troca de conhecimentos e experiências, propiciando a construção de vínculos e o empoderamento dessas mães. Ademais, observou-se o reconhecimento da importância da fisioterapia na estimulação precoce do prematuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilia Carvalho Borges, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos (1995), mestrado em Ciências Médica/Saúde Mental pela Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Ciências pelo Programa Interunidades em Enfermagem/Universidade de São Paulo (2015). Possui Pós Doutorado pelo Programa de Pós Graduação em Ciências, Tecnologia e Sociedade (CTS) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e atuou como Investigador Visitante (2017) no Observatório do Envelhecimento/Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa/UL/Lisboa/Portugal. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, membro da Associação Científica de Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e avaliadora de programas de residências em saúde do Ministério da Educação. É líder do Grupo de Pesquisa: Núcleo Interdisciplinar em Tecnologias no Cotidiano - NIPTecC/UFTM. Docente do Programa de Pós Graduação em Psicologia /UFTM e do Programa de Pós-graduação em Gestão da Clínica da UFSCar.

Heloísa Cristina Figueiredo Frizzo, Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Departamento de Terapia Ocupacional.

Graduação em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos (1995), mestrado em Ciências Médica/Saúde Mental pela Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Ciências pelo Programa Interunidades em Enfermagem/Universidade de São Paulo (2015). Possui Pós Doutorado pelo Programa de Pós Graduação em Ciências, Tecnologia e Sociedade (CTS) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e atuou como Investigador Visitante (2017) no Observatório do Envelhecimento/Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa/UL/Lisboa/Portugal. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, membro da Associação Científica de Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares e avaliadora de programas de residências em saúde do Ministério da Educação. É líder do Grupo de Pesquisa: Núcleo Interdisciplinar em Tecnologias no Cotidiano - NIPTecC/UFTM. Docente do Programa de Pós Graduação em Psicologia /UFTM e do Programa de Pós-graduação em Gestão da Clínica da UFSCar.

Elaine Leonezi Guimarães, Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Departamento de Fisioterapia Aplicada. Instituto Ciências da Saúde.

Graduação em Fisioterapia pela Universidade Metodista de Piracicaba (1993), aprimoramento (Latu Sensu) em Fisioterapia em Neurologia Infantil pela Universidade Estadual de Campinas (1994), mestrado (2001) e doutorado (2013) em Fisioterapia pela Universidade Federal de São Carlos. Professora Adjunta na Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Tutora da Residência Integrada Multiprofissional em Saúde da Criança e do Adolescente da UFTM.  Avaliadora de Cursos de Graduação em Fisioterapia.  Membro do Grupo de Pesquisa: Núcleo Interdisciplinar em Tecnologias no Cotidiano- NIPTecC/UFTM. Professora convidada do Curso de Pós-Graduação Latu Senso - Intervenção em Neuropediatria da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

Ambalavanan N, Carlo WA. Comparison of the prediction of extremely low birth weight neonatal mortality by regression analysis and by neural networks. Early human development. 2001; 65(2):123-137. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0378378201002286?via%3Dihub

Willrich A, Azevedo CCFde, Fernandes JO. Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Rev Neurocienc, São Paulo, 2009; 17(1):51-56. Disponível em: https://blog.psiqueasy.com.br/wp-content/uploads/2017/09/Desenvolvimento-motor-na-inf%C3%A2ncia-influ%C3%AAncia-dos-fatores-de-risco-e-programas-de-interven%C3%A7%C3%A3o.pdf

Fuentefria RdoN, Silveira RC, Procianoy RS. Desenvolvimento motor de prematuros avaliados pela Alberta Infant Motor Scale: artigo de revisão sistemática. Jornal de Pediatria, 2017; 93(4): 328-342. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3997/399752155004.pdf

Scochi CGS, Mello DFde, Melo LdeL, Gaiva MAM. Assistência aos pais de recém-nascidos pré-termo em unidades neonatais. Rev Bras Enferm, Brasília, 1999; 52(4): 495-503. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71671999000400002&script=sci_abstract&tlng=pt

Sociedade Portuguesa de Neonatologia. Intervenção Precoce. 2016. Disponível em: https://www.spneonatologia.pt/wp-content/uploads/2016/10/Intervencao-precoce.pdf

Ribeiro ASC, Formiga CKMR, David ACde. Healthy preterm infants: global motor coordination and early intervention. Fisioterapia Em Movimento, 2015; 28(1): 85-95. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-51502015000100085

Moras MZ, Krieger D. Equipe de saúde e integração dos pais dos recém-nascidos na unidade de terapia intensiva neonatal. 2013. Disponível em: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2013/10/Maria-Zenilda-Moraes.pdf

Fuertes M. Intervenção Precoce na linha de horizonte das famílias. In: Fuertes M, Nunes C, Rosa J. Evidências em Intervenção Precoce. Lisboa: Cied (centro Interdisciplinar de Estudos Educacionais); 2016. p. 9-17.

Formiga CK, Pedrazzani ES, Silva FPdosS, Lima CDde. Eficácia de um programa de intervenção precoce com bebês pré-termo. Paidéia, Ribeirão Preto, 2004; 14 (29): 301 -311. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-863X2004000300006&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Pereira Neto A, Barbosa L, Muci S. Internet, geração Y e saúde: um estudo nas comunidades de Manguinhos (RJ). Comunicação & Informação, 2016; 19 (1): 20-36. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/ci/article/view/35602

Keckley PH. Social networks in health care: Communication, collaboration and insights. Deloitte Center for Health Solutions, 2010. Disponível em: http://www.healthcarevisions.snapmonkey.net/f/2010_Deliotte_Social_Networks.pdf

Pereira Neto A. Saúde ao alcance de um clique? Rio Pesquisa, Rio de Janeiro, 2015; v. 32: 16-19. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/repositorio/resource/369816

Hine C. Etnografia virtual. Barcelona: UOC, 2004.Disponível em: https://seminariosocioantropologia.files.wordpress.com/2014/03/hine-christine-etnografia-virtual-uoc.pdf

Custodio ZAO, Crepaldi MA, Linhares MBM. Redes sociais de apoio no contexto da prematuridade: perspectiva do modelo bioecológico do desenvolvimento humano. Estudos de Psicologia, Campinas, 2014; 31(2): 247-255. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-166X2014000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Andreani G, Custodio ZAO, Crepaldi MA. Tecendo as redes de apoio na prematuridade. Aletheia, 2006; v.24:115-126. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942006000300011

Dantas MMC, Araujo PCBde, Revoredo LdaS, Pereira HG, Maia EMC. Mães de recém-nascidos prematuros e a termo hospitalizados: avaliação do apoio social e da sintomatologia ansiogênica. Acta Colombiana de Psicología, 2015; 18(2): 129-138. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0123-91552015000200011

Cunha EFC, Carvalho MMSBde. Mendonça ACM, Barros MMdosS. Emoções de mães de bebês prematuros: a perspectiva de profissionais da saúde. Contextos Clínicos, 2011; 4(2):80-87. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822011000200002

Joaquim RHVT, Wernet M, Leite AM, Fonseca MM, Mello DFde. Interações entre mães e bebês prematuros: enfoque nas necessidades essenciais. Cad Bras Ter Ocup, São Carlos, 2018; 26(3):580-589. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1811

Alexandre JD, Monteiro L, Branco I, Franco C. A prematuridade na perspectiva de mães primíparas e multíparas: Análise do seu estado psicoemocional, autoestima e bonding. Análise Psicológica, 2016; 34(3):265-277. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0870-82312016000300005&lng=pt&nrm=iso

Fernandes RT, Lamy ZC, Morsch D, Lamy Filho F, Coelho LF. Tecendo as teias do abandono: além das percepções das mães de bebês prematuros. Ciênc. saúde coletiva, 2011; 16(10): 4033-4042. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011001100008

Rocha Neto M, Barreto LKdaS, Souza LAde. As mídias sociais digitais como ferramentas de comunicação e marketing na contemporaneidade. QUIPUS, 2015; 4(2): 11-21. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/quipus/article/view/1273

Telles A. A revolução das mídias sociais: cases, conceitos, dicas e ferramentas. São Paulo: M Books, 2010. Disponível em: https://docplayer.com.br/615375-A-revolucao-das-midias-sociais-cases-conceitos-dicas-e-ferramentas-cases-conceitos-dicas-e-ferramentas.html

Silva CCV. Atuação da fisioterapia através da estimulação precoce em bebes prematuros. Rev.Eletrôn Atualiza Saúde, 2017; 5(5): 29-36. Disponível em: http://atualizarevista.com.br/wp-content/uploads/2017/01/atua%C3%A7%C3%A3o-da-fisioterapia-atrav%C3%A9s-da-estimula%C3%A7%C3%A3o-precoce-em-beb%C3%AAs-prematuros-v-5-n-5.pdf

Araujo BP. Redes Sociais na Internet e novas formas de sociabilidade: um estudo do Facebook. INTERCOM, 2012:1-13. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2012/resumos/R30-1239-1.pdf

Publicado
2020-04-17