A utilização de recursos audiovisuais no cuidado da criança e acompanhante e sua contribuição na assistência integral

Palavras-chave: Ambiência, Recursos Audiovisuais, Tecnologias leves, Pediatria

Resumo

Introdução e objetivo: A hospitalização e o processo de adoecimento infantil influenciam diretamente o aspecto emocional e de enfrentamento da criança. Neste contexto, destacamos a abordagem à criança e ao acompanhante pelo profissional de enfermagem. Buscou-se relatar as contribuições dos recursos audiovisuais na assistência integral à criança. Método: Trata-se de estudo descritivo, qualitativo, do tipo relato de experiência. O cenário envolve a sala de procedimentos de uma unidade clínica pediátrica de um hospital escola, em Maceió-Alagoas, e as impressões observadas no dia a dia dos profissionais, no primeiro semestre de 2019. Resultados e discussão: Este ambiente terapêutico vem possibilitando o processo de acolhimento e estabelecimento de vínculos. Os recursos audiovisuais permitem a relação das tecnologias duras e leves dentro do ambiente hospitalar através de imagens infantis, musicoterapia, vídeos educativos, desenhos, o lúdico e o brincar de maneira inovadora. Com isso, percebe-se melhor aceitação dos cuidados, a assistência centrada na criança e acompanhante, com uma abordagem humanizada e interdisciplinar. Conclusão: A utilização de recursos audiovisuais na rotina da clínica tem se mostrado positiva, minimizando medos, traumas, tornando as intervenções necessárias mais colaborativas e aproximando o acompanhante, criança e equipe interdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kadja Kariny dos Santos Peixoto, Hospital Universitário Professor Alberto Antunes

Enfermeira Assistencial. Hospital Universitário Professor Alberto Antunes - HUPAA.

Ana Patrícia da Rocha Lima de Paula, Hospital Universitário Professor Alberto Antunes

Especialista. Enfermeira Gerente da Clínica Pediátrica do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes - HUPAA.

Mabelly Mabelly Cavalcante Rego, Hospital Universitário Professor Alberto Antunes.- HUPAA

Enfermeira Assistencial. Hospital Universitário Professor Alberto Antunes.- HUPAA. 

Marcela Barbosa de Farias, Universidade Federal de alagoas

Mestre. Universidade Federal de alagoas - UFAL.

Ingrid Martins Leite Lúcio, Universidade Federal de Alagoas

Enfermeira com Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2002), Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2004) e Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2008). Atualmente é Professora Associada I da Universidade Federal de Alagoas do Curso de Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem (PPGEnf/EENF/UFAL). Tem experiência em ensino, pesquisa, extensão e gestão na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Neonatologia e Enfermagem Pediátrica, Enfermagem Fundamental, Enfermagem em Saúde da Família, Ensino e Pesquisa em Enfermagem e Enfermagem Baseada em Evidência. Membro da Comissão Comissão das Atividades Lúdicas e Culturais do HUPAA/EBSERH/UFAL. Coordenadora da TECA/HUPAA e líder do Grupo de Pesquisa AISCA - Atenção Integral à Saúde da Criança e do Adolescente CNPq/EENF/UFAL. (Texto informado pelo autor)

Referências

Freitas HBM; Voltani SSAA. Therapeutic play in the pediatric urgent and emergency department: an integrative literature review. Cogitare Enferm, volume 21, n.1, p.01-08, jan- mar.2016. Disponível em: < file:///C:/Users/win10/Downloads/40728-169625-3-PB.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2019.

Ferreira CCM; Remedi PP; Lima RAGA Música como Recurso no Cuidado à Criança Hospitalizada: Uma Intervenção Possível? Rev. REBEn- Revista Brasileira de Enfermagem, volume 59, n.5, p.692, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v59n5/v59n5a18.pdf>. Acesso em: 10 set. 2019.

Caleffi CCF et al. Contribuição do brinquedo terapêutico estruturado em um modelo de cuidado de enfermagem para crianças hospitalizadas. Rev Gaúcha Enferm, volume 37, n.2, p. 01-08, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v37n2/0102-6933-rgenf-1983-144720160258131.pdf>. Acesso em: 02 set. 2019.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política de Humanização. Ambiência.2ªed. Brasília, DF, 2010.

Alcântara PL et al. Efeito da interação com palhaços nos sinais vitais e na comunicação não verbal de crianças hospitalizadas. Rev Paulista de Pediatria, volume 34, n. 4, p. 432-438, 2016. Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S01030582160 00186>. Acesso em: 01 set. 2019.

Cruz DSM; Costa SFG; Nóbrega MML; Assistência Humanizada à Criança Hospitalizada. Rev Rene, volume 7, n.3, p., junho, 2006. Disponível em <http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/5447/3962>. Acesso em: 01 de setembro de 2019.

Farias MB; Lúcio IML; Vieira ACS, Albuquerque MCS. A experiência da realidade virtual com crianças em procedimentos dolorosos. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais, volume 4, n.2, p.1-6. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/resdite/index. Acesso em 02 fev. 2020.

Nicola GDO et al. Percepções do familiar cuidador acerca do cuidado lúdico à criança hospitalizada. Rev de enfermagem UFPE, volume 8, n. 4, p. 981-986, 2014. Disponível em: < file:///C:/Users/win10/Downloads/9769-18251-1-PB.pdf>. Acesso em: 05 set. 2019.

Francischinelli AGB; Almeida FA; Fernandes DMS. Routine use of therapeutic play in the care of hospitalized children: nurses’ perceptions. Acta Paul Enferm, volume 25, n.1, p. 1-6, abr. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n1/v25n1a04 .pdf>. Acesso em: 02 set. 2019.

Rossi FR; Lima MADS; Acolhimento: Tecnologias Leves nos Processos Gerenciais do Enfermeiro. Rev. REBEn- Revista Brasileira de Enfermagem, volume 58, p.306, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v58n3/a10v58n3.pdf>. Acesso em: 09 set. 2019.

Wong DL. Fundamentos da Enfermagem Pediátrica. 9º edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Silva DF; Brandão EC. As práticas lúdicas no cotidiano do cuidar em enfermagem pediátrica. Rev de Enfermagem da FACIPLAC, volume 1, n. 1, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n4/v13n4a16>. Acesso em: 05 set. 2019.

Carley M. Indicadores sociais: teoria e prática. Rio de Janeiro, Zahar, 1985.

Malaquias TSM, et al. O uso do brinquedo durante a hospitalização infantil: saberes e práticas da equipe de enfermagem. Ciência, Cuidado e Saúde, volume 13, n. 1, p. 97-103, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2019.

Lemos I et al. Brinquedo terapêutico no procedimento de punção venosa: estratégia para reduzir alterações comportamentais. Rev Cuid, volume 7, n.1, p. 1-8, out. 2016. Disponível em: < https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte>. Acesso em: 10 set. 2019.

Publicado
2020-04-17