Pequena Empresa Inovadora e Desenvolvimento: indústria naval em Rio Grande

  • Sandro Ruduit Garcia Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Departamento de Sociologia e do PPG Sociologia/IFCH
Palavras-chave: Pequenas Empresas, Inovação, Desenvolvimento Econômico, Indústria Naval

Resumo

O artigo aborda a questão do desenvolvimento econômico, enfocando o recente processo de implantação do cluster de construção naval na cidade de Rio Grande e suas implicações socioeconômicas na constituição de redes de colaboração entre agentes produtivos e, especialmente, nas atividades de pequenas empresas. Os procedimentos de investigação empí-rica envolveram pesquisa de campo conjugada com pesquisa em fontes secundárias. Visitaram-se oito pequenas empresas, três universidades e organizações diversas, relacionadas com o cluster em estudo. O argumento central é que o atual paradigma de desenvolvimento sustenta-se em lógicas organizacionais que favorecem a formação de redes entre agentes produtivos diversos, abrindo-se não apenas novos espaços de ação para a pequena empresa inovadora, mas também novas demandas de interação com universidades.

Biografia do Autor

Sandro Ruduit Garcia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Departamento de Sociologia e do PPG Sociologia/IFCH
Doutor em Sociologia pela UFRGS. Professor do Departamento de Sociologia e do PPG Sociologia/ IFCH/UFRGS. Autor de Global e Local: o pólo automobilístico de Gravataí, São Paulo: Editora Annablume, 2009.

Referências

ALBIZU, E. et al.. Innovación em las pymes industriales: uma visión desde el modelo interactivo. Revista Internacional de Organizaciones, n.7, p.17-43, diciembre 2011.

AMSDEN, Alice H.. A ascensão do “resto”: os desafios ao Ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Editora da UNESP, 2009.

ARBIX, G.. Estratégias de inovação para o desenvolvimento. Tempo Social, v.22, n. 2, p. 167-185, novembro/2010.

AZEVEDO, José Sergio Gabrielli de. Esboço de um marco conceitual para a análise da indústria do petróleo, pré-sal e desenvolvimento. In: GIAMBIAGI, F. & BARROS, O. (orgs.). Brasil pós-crise: agenda para a próxima década. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. p. 247-266.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 2ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COMIN, A. e FREIRE, C. T.. Sobre a qualidade do crescimento: atores, instituições e desenvolvimento local. Novos Estudos, n.84, p. 101-125, julho/2009.

COSTA, R. C.; BOEIRA, R. L.; AZEVEDO, C. B.. Perspectivas e desafios no setor de Petróleo e Gás. In: ALÉM, A. C. & GIAMBIAGI, F.. O BNDES em um Brasil em transição. Rio de Janeiro: BNDES, 2010. p. 275-290.

DEPRET, Marc-Hubert et HAMDOUCH, Abdelillah. Clusters, réseaux d’innovation et dynamiques de proximité dans les secteurs high-tech. Revue d’économie industrielle, n. 128, p. 21-52, 4e trimestre 2009.

ETZKOWITZ, Henry. Hélice Tríplice: univesidade-indústria-governo. Inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

FARIA, Luciana & RIBEIRO, Maria Teresa Franco. O Fundo Setorial CT-Petro e a formação de capacitação científica e tecnológica no setor de óleo e gás: os casos das redes Norte/Nordeste de Asfalto e de Catálise. Revista Brasileira de Inovação, Campinas (SP), 11 (1), p. 69-104, janeiro-junho 2012.

FLORIDA, R.. A ascensão da classe criativa. Porto Alegre: L & PM, 2011.

GARCIA, S. R., ROCHA, G. & WOLFFENBÜTTEL, R. F.. Banco de DadosSecundários: Indústria de construção naval e do Petróleo no Brasil. Porto Alegre: PPGS/UFRGS, 2012. (CD ROOM).

GARCIA, Sandro Ruduit.Global e Local: o pólo automobilístico de Gravataí. São Paulo: Annablume, 2009.

GIAMBIAGI, F. & PINHEIRO, A. C.. Além da euforia: riscos e lacunas do modelo brasileiro de desenvolvimento. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

GITAHY, Leda & SILVA, Lucas Rodrigo da. Trajetória institucional e políticas de CT&I: o caso do CNAVAL/IPT nos anos 2000. Sociedade e Estado, Brasília, v. 27, n.1, p.63-77, janeiro-abril 2012.

GUIMARÃES, Sonia K.. Empreendedorismo intensivo em conhecimento no Brasil. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 63, p. 575-591, set./dez. 2011.

LIMA, Marcos Ferreira da Costa & SILVA, Marconi Aurélio. Inovação em petróleo e gás no Brasil: a parceria Cenpes-Petrobrás e Coppe-UFRJ. Sociedade e Estado, Brasília, v. 27, n. 1, p. 97-115, janeiro-abril 2012.

MANZO, Cecilia. La sociologia dell’innovazione: economia, organizzazione, politiche e instituzioni. Sociologia del Lavoro, n. 122, p. 09-16, 2011.

NEGRI, J. A. de; KUBOTA, L. C.; TURCHI, L..Inovação e a indústria naval no Brasil(Relatório Setorial). Belo Horizonte, fevereiro 2009. 82p.

NEGRI, João Alberto de (Coord.). Poder de compra da Petrobrás: impactos econômicos nos seus fornecedores. Brasília: IPEA/Petrobrás, 2010.

O’NEILL, J.. O mapa do crescimento: oportunidades econômicas nos BRICs e além deles. São Paulo: Globo, 2012.

POWELL, W. & SNELLMAN, K.. The knowledge economy. Annual Review of Sociology, v. 30, p. 199-220, 2004.

POWELL, W., PACKALEN, K. & WHITTINGTON, K.. Organizational and institucional genesis: the emergence of high-tech clusters in the life sciences. Work Paper, Stanford University, march/2010.

RAMELLA, F. & TRIGILIA, C.. Firms and territories in innovation: lessons from the Italian case. In: SASE, 2009.

RODRIGUES, I. J. e RAMALHO, J. R. (orgs.). Trabalho e sindicatos em antigos e novos territórios produtivos: comparações entre o ABC paulista e o Sul fluminense. São Paulo: Annablume, 2007.

SHAPIRO, Robert. A previsão do futuro: como as novas potências transformarão os próximos 10 anos. Rio de Janeiro: Best Business, 2010.

URTEAGA, Eguzki. La sociología de las organizaciones: perspectivas alternativas. Revista Internacional de Organizaciones, n.8, p. 151-176, junio 2012.

Publicado
2016-01-21