Os 40 anos de “Trabalho e Capital Monopolista” de Harry Braverman: a persistente fragilidade sindical nos assuntos relacionados ao processo de trabalho

  • Fernando Coutinho Cotanda Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Harry Braverman, Processo de Trabalho, Sociologia, Sindicalismo

Resumo

Este artigo é inspirado pela passagem dos 40 anos da primeira edição do livro Labor and Monopoly Capital: The Degradation of Work in the Twentieth, de Harry Braverman. Inicialmente apresentamos o contexto no qual a obra emerge e retomamos as linhas gerais do “labour process debate” no qual o livro em questão ocupou espaço significativo por ter reanimado a produção intelectual sobre o tema do processo de trabalho. Posteriormente veremos que o trabalho de Braverman instigou importantes prolongamentos teóricos e também críticas, algumas das quais trouxemos a consideração. Na sequencia do artigo apresentamos alguns exemplos de práticas sindicais internacionais, bem como a da Central Única dos Trabalhadores – CUT, no intuito de mostrar a pertinência e a possibilidade efetiva de tomar o tema do processo de trabalho como uma problemática de interesse sindical. Ao final argumentamos que a influencia sindical nos assuntos da produção a despeito alguns êxitos e muitos esforços ainda é reduzida denotando uma persistente fragilidade das entidades sindicais brasileiras para negociar as inovações no processo de trabalho que são implementadas nas empresas.

Biografia do Autor

Fernando Coutinho Cotanda, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutorado e Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001 e 1992, respectivamente). Atualmente é Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFRGS, professor no Departamento de Sociologia da UFRGS e Coordenador Adjunto do Curso de Especialização em Relações de Trabalho - UFRGS. Tem experiência na área de Teoria Sociológica e Sociologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: sociologia do trabalho, processos de socialização e intersubjetividade. Principais publicações: COTANDA, F. C. Os sindicatos brasileiros em face das inovações tecnológicas e organizacionais. Dados (Rio de Janeiro), v. 51, p. 617-646, 2008; e HORN, C. H.; COTANDA, F. C. Relações de Trabalho no Mundo Contemporâneo. 1. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011. v. 1. 844 p.

Referências

AGLIETTA, Michel. Rupturas de un sistema económico. Madrid: H. Blume, 1981

BAMBER, Greg. Cambio tecnológico y sindicatos. In: HYMAN, R.; STREECK, W. (Comps.). Nuevas Tecnologias y Relaciones Industriales. Madrid: Ministerio de Trabajo y Seguridad Social. 1993 (Coleccion Economia y Sociologia del Trabajo). 1993. p.251-267.

BARAN, Paul; SWEEZY, P.M. El capital monopolista: ensayo sobre el ordem económico y social de Estados Unidos. México: siglo XXI 1968

BRAVERMAN, H. Trabalho e Capital Monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

BRESCIANI, Luis Paulo. Da resistência à contratação: tecnologia, trabalho e ação sindical no Brasil. Brasília: SESI-DN, 1994.

BURAWOY, Michael. Manufacturing Consent. Chicago: University of Chicago Press, 1979.

BURAWOY, Michael. The Politics of Production. Londres: Verso. 1985.

BURAWOY, Michael. A transformação dos regimes fabris no capitalismo avançado. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, ano 5, n.13, p.29-50, jun.1990.

BURAWOY, Michael. The Public Turn: From Labor Process to Labor Movement . Work and Occpations. An international sociological jornal. Volume 35 (4): 371-387. 2008. Disponível em < http://burawoy.berkeley.edu/PS/The%20Public%20Turn.pdf> Acesso em abril 2013.

CASTRO, N. A.; GUIMARÃES, A . S. Além de Braverman, depois de Burawoy: vertentes analíticas na sociologia do trabalho. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ano 6, n. 17, p.44 -52 out. 1991.

COTANDA, Fernando Coutinho. (2001), Sindicalismo e Inovação Tecno-organizacional: a experiência da Central Única dos Trabalhadores. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia - 300 f. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

COTANDA, Fernando Coutinho. Os sindicatos brasileiros em face das inovações tecnológicas e organizacionais. Rio de Janeiro. Revista Dados, 2008, v. 51, n. 3, p. 617-646.

CROUCH,C.; PIZZORNO, A. El resurgimiento del conflito de classes em Europa Occidental a partir de 1968, 2 vol. Madrid: MTSS. 1991

ERBER, Fábio. A importância do estudo do trabalho: uma introdução. In: PALLOIX, Christian et al. Processo de trabalho e estrutura de classe. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

FARIA, José H. Comissões de Fábrica: poder e trabalho nas unidades produtivas. Curitiba: Criar, 1987.

FRASER, Steve. Industrial democracy in the 1980’s. Socialist Review, v. 13, n. 6, p. 99-122, 1983.

KELLY, J. Management’s Redesign of Work: Labour Process, Labour Markets and product Markets. In: KNIGHTS et al. (Eds.). Job Redesign. Aldershot: Gower, 1985.

KNIGHTS, David; WILLMOTT, Hugh. (Ed.). Labor Process Theory. Londres: Macmillan Press, 1990.

LIPIETZ, Alain. Audácia: uma alternativa para o século 21. São Paulo: Nobel, 1991.

LIPIETZ, Alain. Les rapports capital-travail a l’aube du XXI siecle. Couverture orange, Paris: n. 9016, CEPREMAT, 1990.

LIPIETZ, Alain. As relações capital e trabalho no limiar do século XXI. Porto Alegre: Ensaios FEE, v. 12 n. 1. p. 101-130, 1991b.

LITTLER, C. The Development of Labour Process in Capitalist Societs. Londres: Gower. 1982

LITTLER, C.; SALAMAN, G. Bravermania and Beyond: recent theories of Labour Process. Sociology, v. 16, n. 2, p. 215-269, 1982.

LITTLER, C. The labour process debate: a theorectical review 1974-88. In: KNIGHTS, David; WILLMOTT, Hugh. (Ed.). Labor Process Theory. Londres: Macmillan Press, 1990.

MAGGIOLINI, P. As negociações trabalhistas e a introdução de inovações tecnológicas na Europa. Petrópolis: Vozes / IBASE, 1988.

MANGABEIRA, Wilma. Os dilemas do Novo Sindicalismo. democracia e política em Volta Redonda. Rio de Janeiro: Relume-Dumará/ANPOCS,1993.

McGOVERN, Patrick. Contradictions at Work: A Critical Review. Sociology, Vol. 48(1) 20–37. 2014. Disponível em < http://soc.sagepub.com > Acesso em: jun 2014

MARGLIN, Stephen. Como atrapar las moscas com la miel. In: AGLIETTA, Michel. Rupturas de un sistema económico. Madrid: H. Blume, 1981. p. 223-239.

MARÌN, L. A. La participación en el trabajo: el futuro del trabajo humano. Buenos Aires: Lumen, 1998.

MARX, Karl. O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980. Livro 1 v. 1 - 2.

MOTTA, Fernando Prestes. Alguns precursores do participacionismo. In: VENOSA, Roberto et al. Participação e participações: ensaios de autogestão. São Paulo: Babel Cultural, 1987.

O`DOHERTY, Damian; Hugh WILLMOTT. Debating Labour Process Theory: The Issue of Subjectivity and the Relevance of Poststructuralism. Sociology, Cambridge University Press 35, pp 457-476. 2001. Disponivel em < http://journals.cambridge.org/ >. Acesso em: 11 mai. 2014

O`DOHERTY, Damian; Hugh WILLMOTT.The Decline of Labour Process Analysis and the Future Sociology of Work. Sociology. Volume 43(5): 931–951. 2009. Disponivel em: <http://soc.sagepub.com/> Acesso em: fev. 2014

PRICE, R.; STEININGER, S. (Orgs.). The Control of New Technologies: union strategies in West Germany, New Technology, Work and Employment. 1987.

PRICE, R. Información, consulta y control de las nuevas tecnologias In: HYMAN R.; STREECK W. (Org.). Nuevas tecnologias y relaciones industriales. Madrid: Ministerio de Trabajo y seguridad Social. 1993. p. 305-320.

RATHKEY, P. et. al. New Tecnology and Changes: an Anglo-German Comparison, Newcastle: Conway Foundation, 1982.

RIZEK, Cibele S. Interrogações a um campo teórico em crise. Tempo Social, São Paulo: v.6, n.1-2, p. 147-179. 1995.

SPENCER, David A. Braverman and the Contribution of Labour Process Analysis to the Critique of Capitalist Production - Twenty-Five Years on. Work, Employment & Society June Vol. 14 (2): 223-243. 2000

SORENSEN, Knut Holtan. Tecnology and industrial democracy: an inquiry into same theoretical issues and their social basis. Organization Sudies. v. 6 n. 2. 1985.

STOREY, J. The Means of Management Control. Sociology. London, v. 19, n. 2, p. 193-212, 1985.

SZÉLL, György. Democracia industrial. In: OUTHWAITE, Willian,; BOTTOMORE, Tom (Org.). Dicionário do pensamento social do século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1996.

TALLARD, M. La negociacíon sobre nuevas tecnologías: una comparacíon entre Francia y Alemania occidental. In: HYMAN, R.; STREECK, W. (Comps.). Nuevas Tecnologias y Relaciones Industriales. Madrid: Ministerio de Trabajo y Seguridad Social. 1993 (Coleccion Economia y Sociologia del Trabajo). 1993. p. 345-360.

THOMPSON, Paul. The Nature of Work: An Introduction to Debates on the Labour Process. London: Macmillan, 1983.

THOMPSON, Paul. Crawling from the wreckage: the labour process and the politic of production. In: KNIGHTS, David; WILLMOTT, Hugh. (Ed.). Labor Process Theory. Londres: Macmillan Press, 1990. p. 144-174.

THOMPSON, P.; SMITH, C. Working Life: Renewing Labour Process Analysis. Critical Perspectives on Work and Employment. Palgrave Macmillan, Houndmills, Basingstoke. 2010

WILLIAMS, R.; STEWARD, F. Technology Agreements in Great Britain: a survey 1977-83. Industrial Relations Journal. 1985.

Publicado
2016-04-19