João do Vale e a Formação de um Artista Popular no Brasil, nos Anos de 1950

  • Mariana Mont’Alverne Barreto Lima Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: João do Vale, Trajetórias Artísticas, Cultura Popular e Música Brasileira

Resumo

Esta reflexão faz parte de uma pesquisa cujo objetivo principal é a reconstrução do percurso artístico do cantor e compositor brasileiro João Batista Vale; a compreensão da forma como circulou em espaços distintos, em razão das diferentes inserções de suas músicas no mercado fonográfico nacional. A princípio, destacaria dois destes ambientes: aquele no qual circularam os autores e intérpretes das canções ditas “sertanejas populares” e, em seguida, aquele no qual associaram-se os compositores e intérpretes das canções “populares e políticas”. Aqui, tratarei do período inicial de sua carreira, situado entre os anos de 1950 e 1960. O artigo demonstra que uma trajetória artística, sobretudo daqueles profissionais que em algum momento de suas carreiras consagraram-se como “gênios”, não prescinde de disjunções, distensões, rupturas e continuidades, formas quase sempre negligenciadas na reconstrução de seus caminhos pessoais e profissionais. Temos então, o esboço dos primeiros anos de formação de um artista popular que será, posteriormente, consagrado, numa esfera da música popular brasileira muito distante daquela que suas origens individuais, particulares e profissionais, conheceram, ou seja, a da música engajada ou de protesto.

Biografia do Autor

Mariana Mont’Alverne Barreto Lima, Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará
Mestre e Doutora em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é professora Adjunta II no Departamento de Ciências Sociais e no Programa de Pós-Graduação em Sociologia, da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

Abril Cultural. (1977). João do Vale. Nova História da Música Popular Brasileira. 2ª Edição. São Paulo: Abril Cultural.

BARRETO, M. (2012). A trajetória de João do Vale e os lugares de sua produção musical no mercado fonográfico brasileiro. Revista ArtCultura, Vol. 14, Nº 24, jan-jun.

BOURDIEU, P. (2007). Razões Práticas - Sobre a teoria da ação.(trad. Mariza Corrêa). 8ª Edição. São Paulo: Papirus.

(2010). As Regras da Arte - Gênese e estrutra do campo literário. (trad. Maria LúciaMachado). 2ª Edição. São Paulo: Companhia das Letras.

(2013). Manet - Une révolution symbolique. Paris: Raisons d’Agir/Seuil.

CARVALHO, M.M.P de. (1988). Matracas que Desafiam o Tempo: É o Bumba-Boi do Maranhão - Um estudo da tradição/modernidade na cultura popular.Dissertação (Mestrado em Comunicação), Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

KRAUSE, F. (2008). Uma Pataca da Vida e Obra de João do Vale. Pedreiras: s.e. LIMA, Wilson. (2006). Dez anos após a morte de João do Vale, artistas, intelectuais e produtores culturais ainda reverenciam o ídolo. Jornal O Estado do Maranhão, Caderno Alternativo, 6/12.

MICELI, S. (Org.). (2007). A Economia das Trocas Simbólicas. 6ª Edição. São Paulo: Perspectiva.

MICELI, S. (2012). Intelectuais à Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras. NAPOLITANO, M. (2007). A Síncope das Idéias: a questão da tradição na música popular brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

NETO, J. P. de. S. (1995). Artistas lançam CD com músicas de João do Vale. Folha do Mearim, Junho.

OLIVEIRA, A. (1995). Canto e vida de um João do Povo. O Estado do Maranhão, 12/11.

. Cultura Brasileira e Identidade Nacional. 4ª Edição. São Paulo: Brasiliense, 1994.

PASCHOAL, Márcio. (2000). Pisa na Fulô mas não Maltrata o Carcará - Vida e obra do compositor João do Vale, o poeta do povo. Rio de Janeiro: Lumiar Editora.

PINTO, L.; CHAMPAGNE, P. et SAPIRO, G. (Dir.). (2004). Pierre Bourdieu, Sociologue. Paris: Fayard.

PINTO, L. (2010). La Religion Intellectuelle - Emmanuel Levinas, Hermann Cohen, Jules Lechelier. Paris: PUF.

RIVRON, Vassili.(2007). Le reclassement de la musique populaire brésilienne - Trajectoires de producteurs radiophonique et construction d’un patrimoine national (1936 - 1970). Regards Sociologiques (Dossier “Les champs artistique”). Nº 33/34, Juin.

Publicado
2016-04-19