Um baile de classe

distinção e fronteiras entre elites

Resumo

O artigo analisa as lutas por distinção, protagonizadas pelas eli-
tes, levadas a público via canais de comunicação. No recorte

empírico pesquisado (mídias que retratam o habitus de classe

alta), as disputas distintivas serão discutidas através da metá-
fora de um baile elitista. Trata-se de uma imagem evocada a

partir da obra Le Bal des célibataires, de Bourdieu; isto é, como
em um baile entre classes, do lado de fora do contexto elitista,

quem assiste a dança elegante das elites pode até ensaiar a co-
reografia, mas não adentra o salão; e, de dentro, o baile de

classe é restrito aos convidados, legítimos membros da alta so-
ciedade. Neste baile, objetiva-se publicamente a imagem das

classes dominantes, que demarcam seus territórios em relação

às demais classes e dentro da própria classe alta. Nota-se, en-
fim, que as publicações divulgam um estilo seletivamente inter-
dito à popularização, mas ostensivamente exposto ao público.

Palavras-chave: Distinção; violência simbólica; elites; habi-
tus de classe.

Biografia do Autor

Joana Brito de Lima Silva, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Sociologia (PPGCSO-UFJF); pesquisadora no grupo Existencialismo e Fenomenologia (PPGFIL-UFJF/CNPq), no qual coordena a linha Fenomenologia do corpo e corporalidades. Realizou estágio pós-doutoral na EHESS-Paris, na área de Sociologia do corpo, publicando “Corpo sem classe: elegância natural e teatralidade elegante” e este artigo (Baile das elites) como resultados da pesquisa.

Referências

BOURDIEU, P. Le Bal des célibataires : crise de la société paysanne en Béarn. Paris : Éditions du Seil, 2002.

________. “O camponês e seu corpo”. Tradução de Luciano Codato. Revista de Sociologia e Política. N. 26, pp 83-92, junho, 2006.

________. A Distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern; Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

FERREIRA, Marcelo. “Permeável, ma non troppo? A mobilidade social em setores de elite, Brasil, 1996”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, n. 47, 2001.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Trad. Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003.

LIPOVETSKY, Gilles. Le luxe éternel. Paris, Gallimard, 2003.

OLIVEIRA LIMA, Diana. “Ethos ‘emergente’: as pessoas, as palavras e as coisas”. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 13, n. 28, p. 175-202, jul/dez. 2007

_______. Sujeitos e objetos de sucesso: antropologia do Brasil emergente. Rio de Janeiro: Garamont/Faperj, 2008.

PINÇON, M; PINÇON-CHARLOT, M. Sociologie de la bourgeoisie. Paris: La Découvert, 2000.

_______. La violence des riches : chronique d’une immense casse sociale. Paris: La Découvert, 2013.

_______. Les Ghettos du Gotha: comment les bourgeois defendente leurs espaces. Paris, Seuil 2007.

PULICI, Carolina Martins. O charme (in)discreto do gosto burguês paulista: estudo sociológico da distinção social em São Paulo. São Paulo: Tese de doutorado em sociologia, FFLCH-USP, 2010.

_______. “Os atentados ao ‘bom gosto’: regras da ‘arte de viver legítima’ na capital paulista”. REVISTA USP, São Paulo, n.81, p. 148-160, 2009.

_______. “Apresentação de ‘Observações preliminares sobre a percepção social do corpo’”. Pro-posições, vol 25, n. 1, pp 241-246, 2014.

Publicado
2019-03-07