Ecologia humana e sociabilidade urbana

Aproximações sociológicas

  • Cassio Brancaleone UFFS/Campus Erechim
Palavras-chave: Escola de Chicago, Ecologia humana, Sociabilidade urbana, Teoria sociológica

Resumo

Considerada uma das fundadoras da pedra angular da sociologia urbana, a assim chamada Escola Sociológica de Chicago foi responsável por um dos mais ousados esforços de elaboração de síntese teórica no moderno campo sociológico, encontrando relevantes pontos de contato entre as teorias de Georg Simmel e Ferdinand Tönnies, para mencionar dois “cânones” ainda não muito referenciados nos dias de hoje. Tomando a cidade (ou o “fenômeno urbano”) como sua unidade de análise por excelência, promoveu, lado a lado a uma perspectiva teórica original, uma vigorosa agenda de pesquisa e refinada abordagem empírica dos fenômenos sociais urbanos, inclusive, abrindo passagem para o desenvolvimento ulterior de outras linhagens sociológicas. O objetivo desse artigo é realizar um breve e modesto balanço do repertório e da gramática conceitual elaborados no período formativo da Escola de Chicago, especialmente através da contribuição de figuras pioneiras de Robert Park, Roderick McKenzie e Ernest Burgess. Considero que o movimento teórico/programa de pesquisa conhecido como Ecologia Humanafoi o primeiro a buscar uma solução, fortemente ancorada em uma abordagem empírica, para compreender as correlações possíveis entre certas configurações sócio-espaciais e disposições comportamentais dos indivíduos em sociedades urbanas modernas, contribuindo para a emergência e consolidação da noção de sociabilidade urbana.

Biografia do Autor

Cassio Brancaleone, UFFS/Campus Erechim

Sociólogo. Docente do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH) da UFFS – campus Erechim/RS. Investigador do Grupo de Trabalho Anticapitalismos e Sociabilidades Emergentes (ACySE), do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (CLACSO). Autor de Teoria Social, Autonomia e Democracia. 

Referências

ANDERSON, Nels. On hobos and homelessness. Chicago: University of Chicago, 1998.

BULMER, Martin. The Chicago School of Sociology: Institutionalization, Diversity and the Rise of Sociological Theory. Chicago: University Chicago Press, 1984.

BECKER, Howard. “A escola de chicago”. Mana, Vol.2 n.2, Museu Nacional, Rio de Janeiro, outubro de 1996.

BURGESS, Ernest. “The growth of city: an introduction to a research project”. In: PARK & BURGESS. The city. Chicago/London: University of Chicago Press, 1925.

BRANCALEONE, Cassio. “Considerações sobre a sociabilidade do homem urbano. Uma (re)leitura de George Simmel”. Teoria & Sociedade (UFMG), v. 15, Belo Horizonte, 2007.

______________. Teoria social, democracia e autonomia. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.

CASTELLS, Manuel. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

COOLEY, Charles. Social organization. Glencoe: Free Press, 1956.

_____________. Human nature and the social order. New York: Schocken Books, 1964.

COULON, Alain. A escola de Chicago. Campinas: Papirus, 1993.

DURKHEIM, Emile. As Regras do método sociológico. 10ªed. São Paulo. Nacional, 1982.

DELLE DONNE. Marcella. Teorias sobre a cidade. Lisboa: Edições 70, 1980.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. I. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

EUFRASIO, Mário. Estrutura urbana e ecologia humana. São Paulo: Ed. 34, 1999.

FRUGOLI Jr., Heitor. Sociabilidade urbana. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro. Zahar, 1978.

GOTTDIENER, Mark. A produção social do espaço urbano. 2ªed. São Paulo: Edusp, 1997.

GRAFMEYER, Yves & JOSEPH, Issac (orgs). L´Ecole de Chicago: Naissance de l’Écologie Urbain. Paris: Champ Urbain-Aubier, 1979.

JOSEPH, Issac. “Entrevista sobre a escola de Chicado”. BIB, n.49. ANPOCS. Rio de Janeiro, 1o semestre de 2000.

KURTZ, Lester R. Evaluating Chicago Sociology: A Guide to the Literature with an Annoted Bibliography. Chicago: University Chicago Press, 1984.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

McKENZIE, Roderick. “The ecological approach to the study of the human ecology”. In: On human ecology. Chicago/London: University of Chicago Press, 1968.

__________________. “The neighborhood: a study of local life in the city of Columbus, Ohio”. In: On human ecology. Chicago/London: University of Chicago Press, 1968.

PARK, Robert & BURGESS, Ernest. 1970. Introduction to the science of sociology. 2ªed. Chicago. University of Chicago Press.

_________________. Human Communities: the city and human ecology. Vol II, New York/London: The Free Press/Collier Macmillan, 1952.

_________________. “A cidade: sugestões para a investigação do comportamento humano no meio ambiente urbano”. In: VELHO, Otávio (org). O fenômeno urbano. 3ªed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

PIERSON, Donald (org.) Estudos de ecologia humana: leituras de Sociologia e Antropologia Social. 2a. edição. Tomo I. São Paulo: Livraria Martins, 1970.

POLANYI, Karl. A grande transformação. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público. São Paulo: Cia das Letras, 1988.

SHORT, James. The Social Fabric of the Metropolis: Contributions of the Chicago School of Urban Sociology. Chicago: University Chicago Press, 1971.

SILVA, Armando. Imaginários urbanos. São Paulo, Perspectiva, 2001.

SIMMEL, Georg. The web of group-affiliations. New York: The Free Press, 1969.

________________ . “On individuality and social forms”. LEVINE, Donald (ed). Selected writings. Chicago: University of Chicago Press, 1971.

_______________. “O estrangeiro”. In: MORAES FILHO, Evaristo (org). Simmel. São Paulo: Ática, 1983.

_________________. “As grandes cidades e a vida do espírito (1903)”. Mana. Museu Nacional, vol.11, n.2, Rio de Janeiro, 2005.

SMITH, Dennis. The Chicago School: A liberal Critic of Capitalism. New York: St.Martin’s Press, 1988.

TÖNNIES, Ferdinand. Principios de Sociologia. México: Fondo de Cultura Economica, 1942.

________________. Comunidad y Sociedad. Buenos Aires, Losada, 1947.

VALLADARES, Licia (org). A escola de chicago. Impactos de uma tradição no Brasil e na França. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: UFMG/IUPERJ, 2005.

WIRTH, Louis. “O urbanismo como modo de vida”. In: VELHO, Otávio (org). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

Publicado
2019-11-04