A presença de grupos religiosos conservadores nos espaços públicos da contemporaneidade

Resumo

A lógica que configura a composição do quadro doutrinário religioso conservador na contemporaneidade brasileira, supõe uma cartografia discursiva marcada pela fragmentação das subjetividades. A religiosidade conservadora se articula e amolda, em grande medida, com base em um discurso acusatório que deriva dessa sua capacidade de tocar, atingir, incorporar e reorientar alguns elementos presentes no universo simbólico de referência da população brasileira. O artigo pretende aprofundar a perspectiva dos direitos humanos, as questões inerentes às minorias e grupos vulneráveis, o preconceito suscitado pela violência simbólica e a retórica do preconceito alicerçado pela crítica pública com nuances fundamentalistas.

Palavras-chave: Grupos Conservadores; Intolerâncias; Sexu-
alidades.

Biografia do Autor

Celso Gabatz, UNISINOS

Graduado em Sociologia - UNIJUÍ, RS.

Graduado em Teologia - EST, RS.

Graduado em Filosofia - CEUCLAR, SP.

Pós-Graduado em Ciência da Religião e Docência no Ensino Superior.

Mestrado em História - UPF, RS.

Doutorando em Ciências Sociais - UNISINOS, RS.

Referências

ANAJURE. Associação Nacional de Juristas Evangélicos. Disponível em: http://www.anajure.org.br/. Acesso em 12 de jun. 2016.

ANGELIN, Rosângela. Direitos sexuais e direitos reprodutivos das mulheres: avanços e desafios na construção da democracia. Coisas do Gênero. Revista de Estudos Feministas em Teologia e Religião (EST). v.1 n. 2. p. 182-198, dez. 2015.

ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus – o fundamentalismo no Judaísmo, no Cristianismo e no Islamismo. São Paulo: Companhia da Letras, 2001.

BAJOIT, Guy. Tudo Muda. Proposta Teórica e Análise da Mudança Sociocultural nas Sociedades Ocidentais Contemporâneas. Ijuí: UNIJUI, 2006.

BATISTA, Carla Gisele; JÁCOME, Márcia Laranjeira. Conservadorismo no Brasil: modos de atuação e estratégias ofensivas aos direitos sexuais e direitos reprodutivos. In: OROZCO, Yury Puello. (Org.) A Presença das Mulheres nos Espaços de Poder e Decisão. São Paulo: Católicas pelo Direito de Decidir, p. 93-102. Ago. 2014.

BAUMAN, Zigmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

BEATY, David. M. A Essência do Estado de Direito. São Paulo, Martins Fontes, 2014.

BOFF, Leonardo. Virtudes para um outro mundo possível. Convivência, respeito e tolerância. Petrópolis, Vozes, 2006.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo, Perspectiva: 1998.

BURITY, Joanildo A. Religião, Política e Cultura. Tempo Social (Revista de Sociologia da USP), v. 20, n. 2. p. 83-113. 2008.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. São Paulo: Zahar, 2013.

CATROGA, Fernando. Entre deuses e césares: secularização, laicidade e religião civil. Coimbra: Almedina, 2006.

CORREGIDO, Maria Dolores Juliano. Excluídas y Marginales. Madrid: Cátedra Instituto de La Mujer, 2004.

COSTA, Maria Emília Corrêa da. Apontamentos sobre a liberdade religiosa e a formação do Estado Laico. In: LOREA, Roberto Arriada. (Org.). Em defesa das Liberdades Laicas. Porto Alegre: Livraria do Advogado. p. 97-116. 2008.

CUNHA, Christina Vital.; LOPES, Paulo Victor Leite. Religião e Política: Uma Análise da Atuação de Parlamentares Evangélicos sobre Direitos das Mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2013.

EMMERICK, Rulian. Religião e Direitos Reprodutivos. O Aborto como Campo de Disputa Política e Religiosa. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.

FISCHMANN, Roseli. Estado Laico. São Paulo: Memorial da América Latina, 2008.

FONSECA, Francisco Tomazoli da. Religião e Direito no Século XXI: A Liberdade Religiosa no Estado Laico. Curitiba: Juruá, 2013.

FOUCAULT, Michael. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista. In: SOUZA, Jessé. (Org). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática hoje. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

GIDDENS, Anthony. A Transformação da Intimidade. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: UNESP, 1993.

GOFFMANN, Erving. A Representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1989.

GUERRIERO, Silas. Novos Movimentos Religiosos. O Quadro Brasileiro. São Paulo, Paulinas, 2006.

HABERMAS, Jürgen. Entre Naturalismo e Religião: Estudos Filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.

HERVIEU-LÉGER, Daniele. O peregrino e o convertido – a religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2008.

HOMOFOBIA. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/avon-silas-malafaia-e-a-propagacao-da-homofobia/. Acesso em 22 de Mai. 2016.

LE GOFF, Jacques. O Nascimento do Purgatório. Lisboa: Editorial Estampa, 1995.

LEITE, Fábio Carvalho. Estado e Religião. A Liberdade Religiosa no Brasil. Curitiba: Juruá, 2014.

LOREA, Roberto (Org.) Em defesa das liberdades laicas. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

LUCKMANN, Thomas. A Religião Invisível. São Paulo: Olho d’água/Loyola, 2014.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Aborto e Ativismo religioso nas eleições de 2010. Revista Brasileira de Ciências Política 7, 2012. p. 25-37.

_________________________________. Religião e as assimetrias de gênero na América Latina. In: ORO, Ari Pedro (Org). A latinidade da América Latina: enfoques sócio antropológicos. São Paulo: Aderaldo & Rothschild, 2008. p. 241-264.

MACHADO, Maria das Dores Campos.; PICOLO, Fernanda Delvalhas. Religião e Homossexualidade. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2011.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez, Instituto Paulo Freire, 1997.

Magno Malta e a Criação de Império Homossexual. Disponível em: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2012/04/03/magno-malta-ve-tentativa-de-criacao-de-2018imperio-homossexual2019-no-brasil. Acesso em: 10 de Jun. 2016.

MALAFAIA, Silas. Minhas Experiências de Vida. Rio de Janeiro: Editora Central Gospel, 2012.

MARTELLI, Stefano. A religião na sociedade pós-moderna: entre secularização e dessecularização. São Paulo: Paulinas, 1995.

MORI, Maurizio. A Moralidade do Aborto: sacralidade da vida e o novo papel da mulher. Brasília: Editora UnB, 1997.

MUJICA, Jaris. Os Grupos Conservadores na América Latina. Transformações, crises, estratégias. In: JURKEWICZ, Regina Soares. (Org.). Quem Controla as Mulheres? Direitos Reprodutivos e Fundamentalismos Religiosos na América Latina. São Paulo: Católicas pelo Direito de Decidir, 2011.

NATIVIDADE, Marcelo Tavares. “Homossexualidade, gênero e cura em perspectivas pastorais evangélicas”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol.. 21, n. 61, São Paulo: EDUSC, 2006.

RIOS, Roger Raupp.; GOLIN, C.; LEIVAS, Paulo Gilberto Cogo. Homossexualidade e Direitos Sexuais: Reflexões a partir da decisão do STF. Porto Alegre: Sulina, 2011.

ROSADO-NUNES, Maria José Fontelas. Direitos, cidadania das mulheres e religião. In: Tempo Social (USP). v. 20, n. 2, p. 67-81, nov. 2008.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (Org.) Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

___________________________. Se Deus fosse um Ativista dos Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2014.

SARMENTO, Daniel. Livres e iguais: Estudos de direito constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.

SEMPRINI, Andréa. Multiculturalismo. Bauru: EDUSC, 1999.

SHELDON, Louis. P. A estratégia (The Agenda): O Plano dos Homossexuais para transformar a Sociedade. Rio de Janeiro: Editora Central Gospel Ltda., 2012.

SORJ, Bernardo. A Nova Sociedade Brasileira. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

TOURAINE, Alain. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.

VANEIGEM, Raoul. Nada é sagrado, tudo pode ser dito: reflexões sobre a liberdade de expressão. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

Publicado
2019-08-29