Diabetes mellitus e alterações da glicemia em pacientes com desfecho desfavorável admitidos em unidade de terapia intensiva

  • Marza de Sousa Zaranza Univerdade Federal do Ceará
  • Amanda Araújo Braga Centro Universitário Christus
  • Maria Clara Cavalcante Fernandes Centro Universitário Christus
  • Mayara Ponte Madeira Centro Universitário Christus
  • Arnaldo Aires Peixoto Junior Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Glicemia, Diabetes mellitus, Hiperglicemia, Hipoglicemia, Unidades de terapia intensiva

Resumo

Objetivos: avaliar a prevalência de diabetes mellitus em pacientes admitidos em unidade de terapia intensiva que evoluíram para óbito ou que receberam alta, assim como analisar a associação entre níveis de glicemia e o desfecho óbito em diabéticos e não diabéticos. Métodos: estudo caso-controle. População: 198 pacientes adultos admitidos em unidade de terapia intensiva que permaneceram internados por pelo menos setes dias consecutivos. Resultados: a prevalência de diabetes mellitus no subgrupo de pacientes que foram a óbito foi significativamente elevada quando comparada com a no subgrupo dos que receberam alta dessa unidade (63,6% vs. 16,2%; valor-p < 0,001). Episódios de hiperglicemia foram associados ao desfecho óbito tanto em pacientes com diabetes (OR:3,467; valor-p=0,013), como naqueles que não tinham essa condição (OR:4,148; valor-p=0,001). Hipoglicemia foi associada a óbito nos pacientes não diabéticos (OR:3,765; valor-p=0,007). Entretanto, essa associação não foi identificada em diabéticos (valor-p=0,111). Em ambos os grupos, diabéticos e não diabéticos, os pacientes que evoluíram com óbito apresentaram episódios hiperglicêmicos por maior número de dias do que aqueles que receberam alta (p=0,048 e p<0,001; respectivamente). Conclusão: diabetes mellitus é comum em pacientes graves que evoluem de forma desfavorável. Mas, independente desse diagnóstico, uma maior atenção deve ser dada a pacientes com desregulação da glicemia.

Biografia do Autor

Marza de Sousa Zaranza, Univerdade Federal do Ceará
Formada pela Universidade Federal do Ceará, Residência em Clínica Médica pela Universidade Federal do Ceará, Residência em Medicina Intensiva pela Universidade Federal do Ceará
Amanda Araújo Braga, Centro Universitário Christus
Graduanda da Faculdade de Medicina, Centro Universitário Christus (UNICHRISTUS).
Maria Clara Cavalcante Fernandes, Centro Universitário Christus
Graduanda da Faculdade de Medicina do Centro Univeristário Christus.
Mayara Ponte Madeira, Centro Universitário Christus
Graduanda da Faculdade de Medicina do Centro Univeristário Christus.
Arnaldo Aires Peixoto Junior, Universidade Federal do Ceará
Professor do Departamento de Medicina Clínica da Universidade Federal do Ceará; Professor da Faculdade de Medicina do Centro Universitário Christus (UNICHRISTUS); Doutor em Farmacologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC).
Publicado
2018-03-28
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS