Papel atual das estratégias ventilatórias protetoras no período perioperatorio: artigo de revisão

  • Inara Nobre de Castro Universidade Federal do Ceará
  • Lorena Antônia Sales de Vasconcelos Oliveira Hospital Universitário Walter Cantídio
  • Flavio Lobo Maia Hospital Universitário Walter Cantídio
  • Juliana Rosa Melo Universidade Federal do Ceará
  • Fernanda Paula Cavalcante Hospital Universitário Walter Cantídio
Palavras-chave: Anestesia, Ventilação, Período intraoperatório, Complicações pós-operatórias

Resumo

Os fármacos anestésicos utilizados para indução e manutenção de anestesia geral provocam alterações da dinâmica respiratória, fazendo-se necessário o uso de estratégias ventilatórias perioperatórias. A ventilação mecânica, apesar de ser uma terapia de suporte essencial, não é isenta de riscos. Dentre estes, podemos citar complicações pulmonares pós-operatórias (CPPs), que apresentam alta prevalência e potenciais implicações graves. Fatores cirúrgicos, anestésicos e do paciente contribuem para o desenvolvimento de CPPs. Essa revisão faz uma análise de artigos publicados recentemente na literatura sobre ventilação mecânica e suas consequências na morbimortalidade em pacientes cirúrgicos. Por várias décadas e até recentemente, o manejo ventilatório durante cirurgia esteve associado a altos volumes corrente (VC), ausência de pressão expiratória positiva (PEEP) e altas frações inspiradas de oxigênio (FiO2). Avanços crescentes na compreensão da fisiopatologia de lesão pulmonar induzida por ventilação mecânica, por meio de estudos experimentais, observacionais e randomizados, indicam a necessidade de se instituir estratégias ventilatórias protetoras perioperatórias. Estas estratégias incluem, de maneira geral, a utilização de baixos VC, uso de PEEP, manobras de recrutamento alveolar e baixa FiO2.

Biografia do Autor

Lorena Antônia Sales de Vasconcelos Oliveira, Hospital Universitário Walter Cantídio
Médica Preceptora do Programa de Anestesiologia do Hospital Universitário Walter Cantídio. Médica do Hospital Universitário Walter Cantídio da UFC. Mestre em cirurgia pela UFC.
Flavio Lobo Maia, Hospital Universitário Walter Cantídio
Médico Preceptor do Programa de Anestesiologia do Hospital Universitário Walter Cantídio. Médico do Hospital Universitário Walter Cantídio da UFC. Título Superior em Anestesiologia pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia.
Juliana Rosa Melo, Universidade Federal do Ceará
Médica residente do Programa de Anestesiologia pela Universidade Federal do Ceará.
Fernanda Paula Cavalcante, Hospital Universitário Walter Cantídio
Médica Anestesiologista responsável pelo Programa de Anestesiologia do Hospital Universitário Walter Cantídio. Título Superior em Anestesiologia pela Sociedade Brasileira de Anestesiologia.
Publicado
2018-03-28
Seção
ARTIGOS DE REVISÃO