Variabilidade interobservador no diagnóstico da doença trofoblástica gestacional: um estudo na residência de patologia da Universidade Federal do Ceará

  • Edson de Macêdo Sousa Universidade Ferderal do Ceará (UFC)
  • Diane Isabelle Magno Cavalcante Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Lis Caetano Nóbrega Costa Araújo Universidade Federal do Ceará (UFC)
Palavras-chave: Doença trofoblástica gestacional, Mola hidatiforme, Variações dependentes do observador

Resumo

Objetivo: Analisar a variabilidade interobservador no diagnóstico histopatológico de doença trofoblástica gestacional (DTG). Metodologia: Foram selecionados aleatoriamente 50 casos de DTG do arquivo do Departamento de Patologia da Universidade Federal do Ceará, classificados no laudo original como: 31 molas completas, 15 molas parciais e 4 indeterminados. Uma lâmina de cada caso foi analisada por um médico residente e um patologista ginecológico, cujo diagnóstico foi considerado como referência. O laudo original também foi utilizado para comparação. Valor de beta-HCG, quando informado, foi correlacionado com o tipo de mola. Os valores de kappa foram calculados para a concordância interobservador. Resultados: A concordância geral interobservador foi fraca (ĸ=0,25), entre o residente x patologista ginecológico e residente x laudo original o kappa foi respectivamente ĸ=0,16 e ĸ=0,38. A concordância foi moderada (ĸ=0,41) entre o patologista ginecológico e o laudo original. A dosagem de beta-HCG > 100.000 mUI/ml ocorreu em 7 molas completas e 4 parciais. Conclusão: A concordância interobservador para o diagnóstico de DTG variou de pobre a moderada quando somente a histologia foi utilizada como ferramenta diagnóstica. Valor alto de beta-HCG foi mais frequente na mola completa.

Referências

LURAIN JR. Gestational trophoblastic disease I: epidemiology, pathology, clinical presentation and diagnosis of gestational trophoblastic disease, and management of hydatidiform mole. American Journal of Obstetrics & Gynecology 2010; 203: 539-531.

BRAGA A, OBEICA B, MORAES V, SILVA EP, JUNIOR JA, FILHO JR. Doença trofoblástica gestacional– atualização. Revista HUPE. 2014;13(3):54-60.

KURMAN RJ, MAZUR MT, SHIH IM. Gestational trophoblastic tumors and related tumor-Like lesions. In KURMAN RJ, ELLENSON LH, RONNET BM, editors. Blaustein’s pathology of the female genital Tract, 6° Ed, New York: Springer, 2011; 1075- 1135.

ELLENSON LH, PIROG EC. O trato genital feminino. In KUMAR V, ABBAS AK, ASTER JC, editors . Robbins e Cotran: Patologia - Bases patológicas das doenças. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010; 1060-1071.

ANDRADE JM. Mola hidatiforme e doença trofoblástica gestacional. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009; 31(2):94-101.

MECCONNELL TG, MURPHY KM, HAFEZ M, VANG R, RONNET BM. Diagnosis and subclassification of hydatidiform moles using p57 immunohistochemistry and molecular genotyping: validation and prospective analysis in routine and consultation practice settings with development of an algorithmic approach. Am J Surg Pathol. 2009; 33: 805-817.

FUKUNAGA M, KATABUCHI H, NAGASAKA T, MIKAMI Y, MINAMIGUCHI S, LAGE JM. Interobserver and Intraobserver Variability in the Diagnosis of Hydatidiform Mole. Am J Surg Pathol 2005; 29: 942–947.

CRISP H, BURTON JL, STEWART R, WELLS M. Refining the diagnosis of hydatidiform mole: image ploidy analysis and p57KIP2 Immunohistochemistry. Histopathology 2003; 43: 363–373.

Publicado
2019-11-26
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS