Prevalência de Chikungunya e manejo clínico em idosos

  • Hérick Hebert da Silva Alves Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)
  • Sandna Larissa Freitas dos Santos Maternidade Escola Assis Chateaubriand, Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • John Elvys Silva da Silveira Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)
  • Carla Patrícia de Almeida Oliveira Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)
  • Karla Bruna Nogueira Torres Barros Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)
  • Donato Mileno Barreira Filho Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)
Palavras-chave: Manifestações clínicas, Saúde do idoso, Vírus Chikungunya

Resumo

Objetivo: verificar a prevalência de Chikungunya e as medidas terapêuticas utilizadas entre os idosos que frequentam a casa de acolhida Remanso da Paz-CE. Metodologia: trata-se de um estudo do tipo transversal, descritivo, explicativo com abordagem baseado em evidências de caráter quali-quantitativo, realizado durante os meses de outubro a dezembro de 2017, no município de Quixadá-CE, incluído idosos com idade acima de 60 anos e portadores da infecção mencionada. Foi aplicado um formulário para coleta de dados e colhido a opinião dos idosos que se sentiram dispostos a relatar sobre a contribuição dos serviços prestados depois do estudo, sendo disponibilizado no final um folder educativo contendo informações sobre a doença. Dos 27 idosos entrevistados, apenas 19 idosos continuaram na pesquisa. O trabalho foi submetido e aprovado pelo comitê de ética em pesquisa com seres humanos com o parecer nº 2.316.127. Resultados: 70,3% dos idosos entrevistados tiveram infecção pelo vírus Chikungunya, e alegaram ter viajado para regiões epidêmicas. Houve maior predominância de mulheres 52,6% entre 63 a 92 anos de idade. As manifestações clínicas relatadas foram febre e dores articulares (100%). Foram usadas compressas de gelo (52,6%), hidratação (63,2%), Dipirona (84,2%), Paracetamol (89,5%) e Ácido Acetilsalicílico (36,8%). Para suprir a falta de informação, realizaram-se atividades na forma de palestras e conversação individualizada, disponibilizando ao final da entrevista um folder informativo. Conclusão: notou-se uma prevalência elevada da infecção pelo vírus Chikungunya e a carência de um acompanhamento multiprofissional, porém, as ações educativas aplicadas supriram a falta de informação.

Biografia do Autor

Hérick Hebert da Silva Alves, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Farmacêutico, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Sandna Larissa Freitas dos Santos, Maternidade Escola Assis Chateaubriand, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Farmacêutica, Maternidade Escola Assis Chateaubriand, Universidade Federal do Ceará (UFC).

John Elvys Silva da Silveira, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica).

Carla Patrícia de Almeida Oliveira, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Farmacêutica Bioquímica, Docente do curso de Farmácia, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica).

Karla Bruna Nogueira Torres Barros, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Mestre em Ensino na Saúde, Coordenadora e Docente, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica).

Donato Mileno Barreira Filho, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica)

Mestre em Saúde Pública, Docente, Centro Universitário Católica de Quixadá (Unicatólica).

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Plano de Contingência para a Introdução do Vírus Chikungunya. Brasília: Ministério da Saúde, 2014a:01-48.

Campos CA. Febre Chikungunya: Aspectos Clínicos e Moleculares. 24 f. Monografia (Graduação em Biomedicina). Faculdade de Ciências da Educação e Saúde, Centro Universitário de Brasília. Brasília, 2015:01-24.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Febre de chikungunya: manejo clínico. Brasília: Ministério da Saúde, 2015:01-28.

Maniero CV, Ribeiro RL, Oliveira PAC, Silva TBS, Moleri AB, Martins IR, Lamas CC, Cardozo SV. Dengue, chikungunya e zika vírus no Brasil: situação epidemiológica, aspectos clínicos e medidas preventivas. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa. 2016; 1(1):118-145.

Izquierdo JA, Escanilla FP, Rufo ML. Guía de manejo en Atención Primaria de pacientes con Dengue, Chikungunya y Zika, Ministerio de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad. 2016:01-27.

Placeres HJF, Martínez AJ, Chávez GL, Rodríguez RE, León RL. Fiebre causada por el vírus Chikungunya, enfermedad emergente que demanda prevención y control. Revista Médica Electrónica. 2014; 36(5):596-609.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Preparação e resposta à introdução do vírus Chikungunya no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2014b:01-100.

Santos SLF, Almeida RO, Paiva CEQ, Barros KBNT, Arraes MLBM. Serviço de Atendimento Farmacêutico ao Idoso: relato de experiência de educação em saúde. Revista Santa Maria. 2016; 42(2):02-07.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras sobre pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução 466.2012. Brasília: CNS, 2012.

Galate LB, Agrawal SR, Shastri JS, Londhey V. Chikungunya Fever Among Patients with Acute Febrile Illness Attending a Tertiary Care Hospital in Mumbai. Journal of Laboratory Physicians. 2016; 8(2):85-89.

Pustiglione M. Medicina do Trabalho e doenças emergentes, reemergentes e negligenciadas: a conduta no caso das febres da dengue, do Chikungunya e do Zika vírus. Revista Brasileira Medicina do Trabalho. 2016; 14(1):01-12.

Ribeiro PC, Sousa DC, Araújo TME. Perfil clínico-epidemiológico dos casos suspeitos de Dengue em um bairro da zona sul de Teresina, PI, Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem. 2008; 61(2):227-232.

Santos SLF, Alves HHS, Barros KBNT. Avaliação nutricional e prevalência de doenças crônicas em população idosa. Journal of Medicine and Health Promotion. 2018; 3(1):893-902.

Azevedo RSS, Oliveira CS, Vasconcelos PFC. Risco de chikungunya para o Brasil. Revista de Saúde Pública. 2015; 49(58):01-6.

Mohanty I, Dash M, Sahu S, Narasimham MV, Panda P, Padhi S. Seroprevalence of Chikungunya in Southern Odisha. Journal of Family Medicine and Primary Care. 2013; 2(1):33-36.

Tharmarajah K, Mahalingam S, Zaid S. Chikungunya: vaccines and therapeutics. F1000Research. 2017; 6:01-7.

Fernandes SCA, Figueiredo DLA, Lopes GVB, Fonseca HME. Dengue, Zika e Chikungunya na perspectiva da terceira idade – um enfoque em diabéticos e hipertensos: vivência e experiência com um grupo de idosos de uma Unidade Básica de Saúde de Mossoró/RN. Revista Extendere. 2016; 4(1):19-26.

Silva MVF, Dusse LMS, Vieira LM, Carvalho MDG. Antiagregantes Plaquetários na Prevenção Primária e Secundária de Eventos Aterotrombóticos. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2013; 100(6):78-84.

Goupil BA, Mores CN. A Review of Chikungunya Virus-induced Arthralgia: Clinical Manifestations, Therapeutics, and Pathogenesis. The Open Rheumatology Journal. 2016; 10:129-140.

Mallmann DG, Neto NMG, Sousa JDC, Vasconcelos EMRD. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, 2015; 20(6):1763-1772.

Alves HHS, Pereira SES, Saturno RS, Santos SLF, Arraes MLBM. Perspectiva sobre o entendimento do Cuidado Farmacêutico ao Idoso em uma Instituição Filantrópica. Revista Santa Maria. 2017; 43(1):140-147.

Publicado
2020-03-30
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS