Protocolo assistencial do Hospital Universitário Walter Cantídio para pacientes pediátricos com reações alérgicas e anafilaxia

  • Amanda Oliveira de Araújo Lima Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Fernanda Paiva Pereira Honório Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Germana Demes Aguiar Hospital Geral de Fortaleza
Palavras-chave: Protocolos Clínicos, Hipersensibilidade, Anafilaxia, Pediatria

Resumo

As reações alérgicas e a anafilaxia fazem parte do cotidiano de emergências e enfermarias pediátricas e necessitam de abordagens rápidas e assertivas, a fim de evitar suas formas graves. Este protocolo tem por objetivo sugerir a uniformização de condutas na enfermaria pediátrica do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC). Foi realizada revisão de literatura em protocolos já bem estabelecidos e utilizados em outros hospitais, bem como de guias práticos das sociedades de pediatria, além de uma revisão do tratamento de reações alérgicas e anafilaxia na atualidade. As reações alérgicas têm um amplo espectro de gravidade, desde as mais simples, nas quais utilizam-se anti-histamínicos de segunda geração com boa resolutividade do quadro, até as mais dramáticas, com reação sistêmica aguda grave, em que se faz necessária a checagem de vias aéreas, respiração e circulação, a administração de adrenalina intramuscular, uso de broncodilatadores e reavaliação constante. A avaliação inicial individualizada do paciente é fundamental para que o protocolo seja seguido adequadamente; a rapidez e eficiência do tratamento dependem, principalmente, de uma precisa avaliação inicial. Reações graves como a anafilaxia, podem evoluir de forma fatal, porém, quando os sinais e sintomas são reconhecidos de imediato, tratados e o agente causador é afastado, o prognóstico é favorável.

Publicado
2022-01-28
Seção
PROTOCOLOS DE CONDUTA