CHAMADA REVISTA DE LETRAS_Vol. 37 - 2 - jul.-dez. 2018

A proposta é propiciar um espaço de compartilhamento, de reflexão e de debate para professores, pesquisadores, alunos de pós-graduação e de graduação em torno de um eixo central: a relação entre língua e ambiente, partindo de uma perspectiva ecossistêmica, tema dos mais relevantes no contexto mundial, na atualidade. A relação entre língua e ambiente é ampla e transdisciplinar, o que favorece a participação de diferentes correntes de estudos, das ciências da linguagem e de disciplinas afins. Envolve-se, portanto, as mais diferentes questões, no âmbito social, mental ou natural (físico). Assim, aparece, de forma enfática, uma preocupação com a vida no planeta, sendo o crivo para o fazer científico e dando espaço para uma disciplina que se propõe engajada, produtora de mudanças reais, ocupando um lugar privilegiado no debate contemporâneo, independentemente do contexto cultural ao qual está vinculada.

Contrariamente ao que, geralmente, se faz na linguística ocidental, a Ecolinguística vê na língua “redes”, não “estruturas”; para ela, a língua não tem por função a comunicação e a expressão do pensamento, ela é comunicação e expressão do pensamento ao mesmo tempo. Assim como no ecossistema biológico o centro da atenção não é a população de organismos nem seu habitat (território), mas as interações (entre organismos e deles com o habitat). No ecossistema linguístico, a língua é vista como interação, tanto entre membros da comunidade (comunicação) quanto entre eles e o mundo (referência). Para a Ecolinguística, nos comunicamos referindo a algo e referimos a algo comunicando: comunicação e referência são duas faces da mesma moeda.
Os artigos serão submetidos ao processo regular de avaliações às cegas da Revista, e somente serão publicados aqueles que obedecerem ao rigor técnico e científico da Revista.